Divulgação
Divulgação

Sol, mar e brisa fresca

Divida seu tempo para explorar as atrações de Aruba fora e dentro d’água, onde

Pedro Antunes,

27 Setembro 2011 | 00h00

Moldada para agradar turistas da América do Norte - canadenses e americanos somam 55% dos visitantes anuais -, Aruba até parece uma extensão do litoral da Flórida. Isso à primeira vista. As nuances que fazem você querer voltar inúmeras vezes à esta ilha caribenha aparecem aos poucos: a simpatia dos nativos, as miscelâneas culturais, as particularidades da paisagem.

 

Colada na costa da Venezuelana, Aruba tem a sorte de estar fora da rota dos furacões que atingem o Caribe no segundo semestre do ano. Ali, as praias paradisíacas ganham o frescor do vento e atraem adeptos do kitesufe e parasail. Todos falam inglês e se viram no espanhol, mas holandês e papiamento são os idiomas oficiais. Divertidos, os moradores adoram ensinar termos básicos, como bon dia, bon tardi e bon bini (bem-vindo).

 

Em um visita, é normal se concentrar na capital Oranjestad, com mais de 20 hotéis espalhados pela orla, sobretudo nas areias concorridas de Eagle Beach e Palm Beach. Além da boa estrutura de cada hotel, o centrinho - um tanto fake, é verdade -, concentra tudo aquilo que você pode precisar: restaurantes, lojas e baladas.

 

Praias

 

As duas que detém o conglomerado de hotéis, Palm Beach e Eagle Beach, são suficientemente bonitas, com todas as qualidades típicas de uma praia caribenha. Apesar de seus dois quilômetros de extensão, quem não está hospedado em Palm Beach pode ter dificuldade em achar uma sombra para se acomodar. Por outro lado, são inúmeras as opções de bares e quiosques pé na areia.

 

Vale alugar um carro - por um ou dois dias - para conhecer as areias mais distantes, que prezam por não exibir grandes prédios. Ao sul fica Baby Beach, com formato de meia lua, mar calminho e água fria, mas não gelada. Perfeita para famílias ou quem quer ficar de papo para o ar o dia todo. Quanto à infraestrutura, há alguns quiosques para atender os visitantes.

 

Ao norte chega-se em Arashi, praia pequenina que fica num bairro de casas de veraneio, quase sem bares e, dependendo do dia, com algum esquema de aluguel de cadeiras. O mar é cristalino, perfeito para se divertir com snorkel, e a paisagem está entre as favoritas para tirar fotos - não por acaso, é uma das porções de areia preferidas dos moradores.

 

Compras

 

Aruba não é um porto livre, mas os impostos são tão baixas que todo brasileiro vai com objetivos de compras definidos, das roupas aos eletrônicos.

 

A capital é, mais uma vez, o local a se deter. As grifes se concentram no Renaissance Mall (que também conta com cassino e teatro), enquanto lojas de departamentos se instalaram no shopping center vizinho, o Renaissance Marketplace.

 

Outras opções menos luxuosas você encontra no Royal Plaza, um gigantesco prédio de três andares, todo rosa e branco, localizado bem em frente ao porto.

 

Com atmosfera mais viva, o Paseo Herencia, em Palm Beach, é como um shopping a céu aberto com extensa programação de entretenimento. O espaço segue a temática local, com referências a personalidades da ilha e curiosidades históricas. Um anfiteatro recebe eventos, exposições e desfiles e, a cada noite, três shows de água e nado sincronizado são apresentados na piscina central. Além disso há 50 lojas, restaurantes, cafés...

 

Passeios

 

Pode parecer básico, similar ao que temos no nordeste brasileiro, mas a verdade é que não dá para abrir mão de um tradicional passeio de catamarã. Principalmente porque em Aruba, seu foco principal são os pontos estratégicos para mergulho. Então, abuse do protetor solar, prepare o snorkel e reserve um dia para ter uma inesquecível aventura pelas águas caribenhas mais límpidas.

 

O barco costuma fazer três paradas, em formações coralinas e naufrágios que servem de abrigo para coloridos cardumes - o melhor ponto de observação é a embarcação alemã Antilhas.

 

Não só navios, mas também aviões afundados na costa da ilha ganharam fama entre os mergulhadores (alguns foram obra do próprio governo, como forma de criar atrativos turísticos). O mais conhecido fica na Ilha de Palm, a dez minutos de barco. Para vê-lo lá no fundo, faz-se uma espécie de caminhada submarina, chamada de sea trek, a sete metros de profundidade. Além das atrações marítimas, o local conta com boa infraestrutura para atender turistas, com toboáguas, quadra de basquete, vôlei, espreguiçadeiras e restaurantes.

 

Em Aruba também é possível ficar cara a cara com a surpreendente vida subaquática sem se molhar. O Atlantis Submarine (atlantisadventures.com/aruba) leva turistas a uma profundidade de 40 metros abaixo do nível do mar. Permanece estacionado em uma plataforma enquanto peixes, tartarugas e pequenos tubarões se exibem nas escotilhas. Para chegar até ele, só mesmo de barco, já incluído no roteiro.

Mais conteúdo sobre:
Caribe Viagem Barbados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.