Swakopmund: brisa marítima para refrescar

Segunda cidade mais populosa da Namíbia é um pedacinho da Alemanha na África

Edison Veiga, O Estado de S. Paulo

24 Outubro 2017 | 04h30

Swakopmund tem apenas 42 mil habitantes, é a segunda mais populosa cidade da Namíbia e parece um pedacinho da Alemanha. Litorânea. Fundada em 1892 como porto do então Sudoeste Africano Alemão, acabou preservando arquitetura e tradição germânicas.

O idioma de Goethe, aliás, está presente nas placas, nos cardápios e nos diálogos de muitos dos habitantes.

 Foram 370 quilômetros de estrada para chegarmos até lá (os últimos 40, com asfalto). 

No meio do caminho, o almoço foi na pequena e peculiar Solitaire – um conjunto de posto de gasolina, pousada e lanchonete ladeado por um inusitado cemitério de automóveis velhos no meio da areia.

Depois de tantos dias em meio árido, a brisa marítima de Swakopmund foi um refresco para olhos e narinas ressecados. Também foi bom retornar a ambiente urbano estruturado – a organizada cidade é um alívio para a cabeça. Além de oferecer movimentados bares e restaurantes, o balneário tem como atrações principais um museu municipal que vale a visita e um aquário – para a alegria da criançada.

Curiosidade aleatória: em 2006, foi nesta cidade que nasceu Shiloh Nouvel Jolie-Pitt, filha dos atores Angelina Jolie e Brad Pitt.

 

Mais conteúdo sobre:
Namíbia África Namíbia [África]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.