Tentações em 'Sin City'

A cobiça é o deslize principal e óbvio, mas Las Vegas segue como terreno fértil para todos os outros pecados

Camila Anauate, O Estado de S.Paulo

10 Fevereiro 2009 | 02h53

De deserto, só o calor. Ao pisar no fabricado oásis de néon chamado Las Vegas você chega a perder o tino diante do impressionante exagero de pessoas, sons e imagens em movimento. Aditivos para o desejo de arriscar, comprar, comer e se divertir - sem limites ou remorso.

 

Veja também:

LAS VEGAS:

linkCOBIÇA: 'Quer ganhar uma pequena fortuna? Vá com uma grande fortuna', brinca expert

linkORGULHO: Cópias fiéis de monumentos do mundo todo e bizarrices originais

linkPREGUIÇA: Perdeu no blackjack? Dançou até não poder mais? Relaxe no spa

linkIRA: Atrações radicais e lutas para deixar os estressadinhos de alma lavada

linkGULA: Caímos na tentação em alguns dos restaurantes mais estrelados da cidade

linkLUXÚRIA: Night Clubs que esbanjam sex-appeal e os shows mais quentes do ano

linkINVEJA: Ferrari, Rolex e peças fatais (como um tubinho Pucci). Prepare o sal grosso...

 

O pecado original está marcado na linha do tempo: 1931, quando o Estado de Nevada decidiu permitir os jogos de azar. Os cassinos que fizeram a fama da "Sin City" hoje totalizam cem casas instaladas em hotéis colossais. Destino de boa parte das 40 milhões de pessoas que visitam a cidade por ano.

Se a cobiça e a vontade de multiplicar os dólares impulsionaram o turismo em Vegas, a luxúria ajuda a mantê-lo. Entre cartadas e roletas, os visitantes se exibem nos nightclubs: loiras com pretinhos nada básicos e rapazes de Armani da cabeça aos pés. A vida noturna de Vegas é ostensivamente perigosa.

Em certo momento você vai sentir inveja. E, com sorte, provocar alguma. Para isso, selecionamos itens que podem ajudar. De Ferrari reluzente a bolsa Salvatore Ferragamo (edição limitadíssima, com couro de jiboia). Em outro instante, cederá à tentação das garfadas estreladas. Las Vegas tem 16 restaurantes com a chancela do Guia Michelin. Estivemos em vários deles, todos na principal avenida, a Strip. Inclusive na casa de Joël Robuchon, no MGM Grand, a única três-estrelas.

Para os coléricos, a cidade oferece o remédio da adrenalina: queda livre do alto da torre do Hotel Stratosphere. Para os preguiçosos ou cansados das roletas, o bálsamo dos spas.

Las Vegas tem orgulho de ser única no mundo. Exagerada, cafona, divertida, irresistível. "Sin City", enfim. Para cometer todos os pecados, basta ter dinheiro. Muito. E esquecer o juízo. Até porque, como dizem por lá, "What happens in Vegas, stays in Vegas."

linkLas Vegas Convention and Visitors Authority: www.visitlasvegas.com

Viagem feita pelo prêmio Travel Writer Award, concedido pela Travel Industry Association of America (TIA)

Mais conteúdo sobre:
Viagem Las Vegas Sin City sete pecados

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.