Viagem

Tour por Curitiba leva a 'points' da Lava Jato

Desde o começo do mês, agência vende passeio que passa pela Polícia Federal, Procuradoria da República e outros lugares emblemáticos da investigação

16/05/2016 | 10h00    

Bruna Toni - O Estado de S. Paulo

Prédio da Justiça Federal é uma das cinco paradas do Tour Lava Jato

Prédio da Justiça Federal é uma das cinco paradas do Tour Lava Jato Foto: Denis Ferreira Netto|Estadão

Imagine se o guia, durante um tour por Curitiba, desse a seguinte descrição: “À frente está o prédio da Justiça Federal, especializada em crimes de lavagem de dinheiro e local de trabalho do juiz Sérgio Moro. Agora vamos seguir até as dependências da Polícia Federal e, depois, ao Complexo Médico-Penal.”

O roteiro policial, tão comum aos noticiários políticos dos últimos tempos, é, na verdade, o novo produto da agência Special Paraná, empresa que há nove anos vende passeios turísticos pelo Estado. Batizado de Tour Lava Jato, em referência à operação homônima da Polícia Federal, cujo centro das investigação é a capital paranaense, o trajeto de até 4 horas inclui apenas a visita externa (por questões de segurança) aos pontos de parada. 

Além dos prédios da Justiça Federal, PF e Complexo Médico-Penal, o tour passa pela Procuradoria da República e Universidade Federal do Paraná, onde leciona Moro, responsável por comandar o julgamento em primeira instância dos crimes da operação. Há também a possibilidade de visitar o Museu Oscar Niemeyer, onde estão guardadas as obras apreendidas na Lava Jato – mas essa parada é opcional e a entrada, paga à parte (R$ 12). 

A ideia, segundo a dona da agência, Bibiana Antoniacomi, é explicar detalhadamente como funciona a Operação Lava Jato, quem é responsável por cada ação e o porquê de ela estar concentrada em Curitiba. Para isso, seis dos 15 guias da empresa se armaram de informações oficiais do Ministério Público para tentar responder a dúvidas dos turistas mais questionadores.

Como o tour é privativo, ou seja, para uma só pessoa ou grupos específicos, dá para flexibilizar o roteiro – é possível acrescentar outros pontos turísticos, desde que não fuja muito ao itinerário principal. Os valores vão de R$ 150 a R$ 340 por pessoa. 

5 imagens

Controverso. Lançado dia 6 de maio, o tour surgiu a partir do interesse dos próprios turistas, como explica Bibiana. “Muitos pediam para conhecer os lugares da Lava Jato, principalmente o local onde trabalha Sérgio Moro.”

Foi o caso de Carlos Ricardo Cacaes, que procurou a agência interessado no passeio de trem para Morretes e em um roteiro que, eventualmente, incluísse os prédios onde transitam papéis e pessoas envolvidas com a maior investigação de corrupção do País. De Bibiana ele recebeu, na época, a promessa de um tour específico sobre o tema. “Já fui a Curitiba cinco vezes e, em nenhuma delas conheci a PF”, diz Cacaes, admirador dos resultados da Lava Jato e que não se importa em ser chamado de “coxinha”.

Sobre ser “coxinha”, “petralha” ou qualquer outro rótulo fruto da polarização, aliás, Bibiana diz ter tido um pouco de medo. “Sabemos que o País está dividido.” Ela conta que chegou a receber e-mails pouco amigáveis, mas que, em geral, a recepção foi positiva. “Tento filtrar, porque estamos fazendo nosso trabalho.”

Formado por cinco prédios, o Complexo Watergate abriga escritórios e apartamentos

Formado por cinco prédios, o Complexo Watergate abriga escritórios e apartamentos Foto: Hyungwon Kang|Reuters

WATERGATE FAZ PARTE DE TOUR NOS EUA

Muito antes do Tour Lava Jato, agências e guias dos EUA incluíram em roteiros pelo centro de Washington DC o Complexo Watergate, mundialmente famoso por ter sido a casa do escândalo que, em 1974, levou ao impeachment do então presidente do país, Richard Nixon. Apesar de a maioria dos tours pelo complexo não ser específica do caso e se limitar às fachadas dos prédios, o TripAdvisor reúne boas avaliações de quem já visitou o local.