Trilha Sonora

Escolha seus cantores e bandas favoritos, abasteça o iPod e caia na estrada em busca de histórias e novidades roqueiras pelo mundo

Mônica Nóbrega - O Estado de S. Paulo,

19 Julho 2011 | 06h00

 

Quantos dos personagens rabiscados acima você é capaz de reconhecer? Kurt Cobain, Jimi Hendrix, Renato Russo, cinco, dez, todos? Não importa, esta é uma reportagem democrática. Para fãs de bandas novas ou antigas. De sons pesados ou baladas românticas. Topetes bem moldados ou visuais sujinhos. Para se divertir com o que lerá a seguir (e ficar com vontade de fazer as malas), você só precisa gostar de rock. De qualquer uma de suas muitas vertentes.

 

O gênero musical mais identificado com a juventude de todos os tempos leva milhares de fãs às cidades onde os ídolos viveram e fizeram shows. Seattle está em destaque em 2011, graças ao aniversário de 20 anos do disco Nevermind, do Nirvana, obra fundamental do grunge. Em 2012 será a vez de Memphis, quando eventos grandiosos lembrarão os 35 anos da morte de Elvis Presley, o criador do rock.

 

E você nem precisa esperar pelas efemérides para curtir histórias e lembranças in loco. Nova York, berço do punk, assiste à revitalização de seu circuito alternativo de tempos em tempos - basta lembrar que Iggy Pop e Patti Smith continuam por aí, em plena atividade.

 

Londres é a cidade mais roqueira do planeta. Quem estiver lá nas próximas semanas, por exemplo, pode ver shows de Suicidal Tendencies, Morrissey, Pulp e Peter Doherty com poucos dias de distância entre eles. Ainda na Inglaterra, impossível deixar de lado Liverpool, porto industrial sem grandes atrativos turísticos que passou a conquistar visitantes por ter abrigado a formação dos Beatles.

 

Nestas cidades, museus temáticos, palcos históricos e casas onde os rock stars cresceram e apareceram, além de cenários de fotos famosas (quem esquece a Abbey Road, capa do disco homônimo dos Beatles?) oferecem razões de sobra para um roteiro inteiramente dedicado ao rock.

 

Indie. Roteiro, aliás, que não pode nem deve viver só de passado. Afinal, estamos falando de cidades que seguem lançando tendências e abrigando novas cenas locais. Colunista do Estado, o jornalista de cultura pop Lúcio Ribeiro acaba de detectar a ascensão indie do bairro de Dalston, em Londres. Em Nova York, ele aponta o Brooklyn como uma atual meca de bandas independentes. "É um novo celeiro, que só não faz tanto barulho porque ainda não apareceu um Nirvana por lá", afirma.

 

A apresentadora Penélope Nova é outra frequentadora da região. "O Brooklyn está bombando. E vale dar uma passada na St. Mark’s Place, no East Village." Dicas preciosas para quem quer seguir os passos de seus ídolos, de ontem e de hoje. Basta definir o roteiro, abastecer o iPod - as sugestões estão nesta página, no quadro abaixo - e cair na estrada.

 

Mais conteúdo sobre:
Rock

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.