1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Um brinde ao Expresso do Oriente

Natália Zonta - O Estado de S.Paulo

11 Novembro 2008 | 03h 38

Trem que transporta reis, rainhas e todo o jet set internacional entre Europa e Ásia comemora 125 anos

Istambul ainda era Constantinopla e Agatha Christie (1890-1976) nem havia nascido. Há 125 anos, em 4 de outubro de 1883, partiam da estação Gare de l'Est, em Paris, os vagões do Expresso do Oriente. Pela primeira vez, turistas corajosos - e muito ricos - cruzavam a Europa rumo à porta de entrada da Ásia. Era o começo da história do lendário trem que inspirou tantos escritores. O detetive Hercule Poirot não teria como estar na viagem inaugural do Venice Simplon, outro nome pelo qual o trem era conhecido. Mas se fizesse parte da lista dos passageiros, o personagem mais excêntrico da rainha do crime fatalmente reclamaria do trajeto. A princípio, o percurso não era todo feito sobre trilhos. Como seria possível investigar um assassinato com tanto entra-e-sai dos vagões? Na época, a composição partia de Paris e seguia para Estrasburgo, Munique, Viena, Budapeste e Bucareste. Em Girgiu, na Romênia, os passageiros pegavam um barco e navegavam pelo Danúbio até Ruse, na Bulgária, onde havia um novo trem para Varna. De lá, finalmente, um ferry seguia para Istambul. Com o tempo, a jornada pela Europa tornou-se menos tumultuada. Mas o número de pomposos vagões permaneceu sempre o mesmo, 17, para 148 passageiros. Espaço de sobra para inspirar Agatha Christie a escrever o best-seller Assassinato no Expresso do Oriente (1934). A autora conheceu o trem em sua fase áurea. Os vagões já chegavam à Estação Sirkeci, em Istambul, por um trajeto feito só sobre trilhos e eram sinônimo de luxo - até a realeza fazia questão de conhecê-los. Ninguém poderia imaginar que, em 1977, guerras e crises políticas obrigariam o Expresso do Oriente a parar. VOLTA DO GLAMOUR O Venice Simplon só saiu do limbo em 1982, graças ao magnata da hotelaria James B. Sherwood. Anos antes, ele comprou o trem e investiu 11 milhões de libras na restauração. Desde então, os vagões percorrem o lendário roteiro Paris -Istambul uma vez por ano, sempre em agosto. O público-alvo do Expresso do Oriente continua o mesmo: gente disposta a pagar uma pequena fortuna por uma viagem memorável. O pacote de seis noites custa US$ 9 mil e o valor inclui refeições (sem bebidas alcoólicas) e passeios em todas as paradas. A fila de espera para conseguir uma vaga é grande. Segundo a empresa Orient Express Hotel, recomenda-se comprar o pacote com até um ano e meio de antecedência. "Os brasileiros ainda não procuram muito esse trajeto porque acham difícil se adaptar ao esquema da viagem", diz Tiago Pablo Schmidt, consultor de reservas da empresa. O motivo, segundo ele, é o hábito nacional de tomar dois banhos ao dia. Poucos sabem, mas não há chuveiro no Expresso do Oriente, somente lavabos. "O trem é tombado por um instituto de preservação que não autoriza nenhuma modificação na estrutura dos vagões", explica. Para evitar odores e desconforto, a cada 24 horas o trem pára, os passageiros descem e se hospedam num hotel - as diárias estão incluídas no pacote. Além da merecida ducha, há opções de passeios. A viagem tem outras peculiaridades, como a exigência de traje formal. Tênis e camiseta são vetados nas dependências do trem. O percurso também foi alterado e agora só passa por Budapeste, Bucareste e Sinai. No restante do ano, a composição não fica parada. Todos os meses o trem faz o percurso de uma noite entre Paris e Veneza, a US$ 2.600. Orient-Express Hotels, Trains & Cruises: 0800-774- 8448 SAIBA MAIS Quanto custa: o pacote de seis noites custa a partir de US$ 9 mil. Inclui todas as refeições, hospedagem e passeios Capacidade: 148 passageiros Vagões: 17 Restaurantes: 3 Bar: 1 Peso: 94 toneladas Comprimento: 401 metros