NYT
NYT

Um novo (e divertido) olhar sobre Nova York

Roda-gigante de 190 metros, que pretende ser a mais alta já construída, deve transformar o skyline da Big Apple em 2015. Enquanto isso, conheça outras que estão no topo da lista

BRUNA TIUSSU, O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2012 | 03h11

O Rockefeller Center e o Empire State Building que se cuidem. Em 2015, Nova York deve ganhar mais uma opção de mirante para o turista apreciar o skyline da cidade: uma roda-gigante instalada em State Island, ao sul de Manhattan, que pretende ser nada menos que a maior do mundo, com 190 metros de altura - atualmente, o posto é da Singapore Flyer, com 165 metros.

É bem verdade que tal dimensão, correspondente a um prédio de 46 andares, é fichinha perto da altura que se alcança nos edifícios - o Top of the Rock, mirante do Rockefeller, fica no 70.º andar e o do Empire State está no 102.º, sendo o lugar público mais alto da Big Apple. Porém, uma vez nela, o turista vai embarcar em uma viagem de cerca de 30 minutos com a panorâmica da cidade sempre à vista, em todas as direções.

A nova atração foi estimada em US$ 230 milhões e faz parte do projeto de desenvolvimento turístico da região, considerada a menos explorada de Nova York. A roda-gigante terá 36 cápsulas, capazes de transportar, em cada uma, 40 pessoas. A expectativa de público é altíssima: 30 mil pessoas por dia na alta temporada. Ao seu redor, está prevista a construção de um complexo com cerca de 100 lojas, teatro, hotel e restaurantes.

Mas a iniciativa de Nova York não é a única que ameaça a soberania da roda-gigante de Cingapura. O grupo Caesars Entertainment anunciou que pretende erguer a sua em plena Strip, a principal avenida da badalada Las Vegas. Com abertura prevista para 2013, pode ultrapassar os 170 metros de altura. Outras duas estão na briga pelo título, em Pequim (altura estimada em 208 metros) e Berlim (185 metros). Ambas começaram a sair do papel em 2007, mas em razão de obstáculos no projeto e financeiros, tiveram as obras interrompidas.

Para visitar. Até hoje no primeiro lugar da lista, a Singapore Flyer foi inaugurada em 2008. Tem 28 cápsulas do tamanho de um ônibus urbano que alcançam os 165 metros de altura. Sua vista inclui a Marina Bay (onde o Rio Singapore desemboca), o centro financeiro da capital e o mar. Dizem que, em dias de céu limpo, dá para ver parte da Indonésia e da Malásia. Além do tour convencional (custa US$ 33, singaporeflyer.com), há opções mais arrojadas, como a volta com direito à taças de champanhe Moët & Chandon (US$ 69) ou até um jantar a dois em uma cápsula privada durante duas voltas (cerca de uma hora). O passeio sai por US$ 269 para o casal.

Ocupando o segundo lugar do ranking das rodas-gigantes está a chinesa Estrela de Nanchang, na cidade homônima. Aberta em 2006, tem 160 metros de altura e capacidade para transportar até 480 pessoas por vez. Para sua decoração brilhante, conta com 6.500 metros de luzes fluorescentes.

Atrás dela está a roda-gigante mais famosa e visitada do mundo: a London Eye (tour desde 21,50 libras ou R$ 70 no londoneye.com). Instalada à beira do Rio Tâmisa em 1999, tem 135 metros de altura - o equivalente a 64 cabines telefônicas de Londres. Na época da inauguração, a ideia era que ali permanecesse apenas por cinco anos. Mas londrinos e visitantes logo caíram de amores pela estrutura metálica e o governo decidiu por sua permanência. Hoje, além de figurar entre os símbolos mais emblemáticos da capital, é também a atração paga mais visitada de todo o Reino Unido, atraindo cerca de 10 mil visitantes por dia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.