Um oceano de áreas verdes

Sobra verde na capital espanhola. O Parque do Retiro, embora mereça a fama por seus atrativos, beleza e localização central, é só o começo de uma longa lista. Em anos recentes, nenhuma novidade foi tão relevante para a cidade quanto o parque Madri Rio, inaugurado em 2011. A área ladeia o Rio Manzanares ao longo de mais de 6 quilômetros no sul madrilenho e é um caso espetacular de revitalização urbana.

MADRI, O Estado de S.Paulo

04 Novembro 2014 | 02h06

Construído em parte sobre uma marginal, o parque ajardinou o asfalto e ajudou a integrar bairros. Com a ajuda da vegetação baixa, todo o percurso tem vista para o entorno, onde se destacam ícones como o estádio Vicente Calderón, do Atlético de Madri, e o Palácio Real.

Entre as atrações do próprio parque estão cafeterias, campos de futebol, circuitos para bicicleta e passeio, gramados para piqueniques e 18 áreas com brinquedos infantis. A lotação é certa nos fins de tarde e de semana, mas sempre há nativos lagarteando. Atente não só para a antiga Ponte de Toledo mas também para a de Arganzuela, com a aparência de uma imensa e metalizada molécula de DNA. Finalmente, não esqueça de visitar, na área sudeste do parque, o centro cultural Matadero (mais informações na página ao lado).

Uma opção ainda mais ignorada pelo radar turístico é o Parque do Capricho, aberto apenas aos sábados, domingos e feriados, das 9h às 18h. O espaço era da Duquesa de Benavente, que encomendou o parque ao arquiteto da corte espanhola em 1783. Ali ficam alguns dos jardins mais bonitos de Madri, podados de forma ornamental e com pitorescas construções seculares. Entre elas, atente para a Casa de Canas, a Casa da Velha, a Ermita e o Palácio. De resto, caminhe entre sombras e aleias ou aproveite os concertos e apresentações de teatro e dança do programa Tardes de Capricho.

Bem mais próximo do centro fica o Parque do Oeste, rapidamente acessível a pé depois de uma visita ao Palácio Real ou à Praça de Espanha. Além de grandes áreas verdes livres, há atrativos como o Templo de Debod e o Jardim da Rosaleda de Madri. O primeiro, em uma parte com mais visitantes, é um templo egípcio começado pelos reis da dinastia ptolemaica, completado por imperadores romanos e trasladado a Madri no século 20. O segundo é um jardim com cerca de 20 mil rosas de 500 variedades.

A opção mais clássica é, claro, o Retiro. Sem pressa, percorra os palácios de Cristal e o de Velázquez, que sempre recebem exibições temporárias.No caso de ser um desbravador de parques, você pode se manter ocupado por um bom tempo. Pode pedalar na maior área verde de Madri, a Casa de Campo; conhecer parques extensos nas bordas da cidade, caso do Isidro e do Dehesa de la Villa; ou visitar o João Paulo II, inaugurado em 2007 e com uma parte que homenageia a evolução da jardinagem mediterrânea. /T.M e G.M

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.