Arte|Estadão
Arte|Estadão

Um trainee em Hong Kong

miles@estadao.com

Mr. Miles, O Estado de S. Paulo

05 Abril 2016 | 03h00

Nosso incomensurável viajante confessa que está inchado de orgulho pela quantidade e pela qualidade dos cumprimentos que recebeu de seus leitores pela publicação da seiscentésima crônica no Estado, na semana passada. Depois de farta comemoração de bom whisky na companhia de Trashie, sua raposa das estepes siberianas, Mr.Miles voltou ao “trabalho”: viajar-e-escrever. 

O correspondente britânico aproveita para elogiar a quantidade de admiradores de Caravaggio que descobriu entre os que o seguem. E pede para informar que tem um outro pequeno segredo sobre o assunto. 

“Há muitas e lindas obras de Caravaggio na Catedral de São João Batista, em Valeta, capital de Malta, uma ilha que aprecio muitíssimo. Embora pareça apenas um borrão no Mediterrâneo, Malta é bela, civilizada e rica: um lugar excelente para você que ainda não esteve lá. Aliás, a quem não sabe, vale informar que Malta tem uma catedral e uma cocatedral, ambas devotadas ao mesmo São João Batista, porque foi base para as Cruzadas e Batista era seu protetor. A outra fica na cidade de Medina, muito perto de Valeta, mas tem um aspecto absolutamente oriental. 

Aliás, essa mescla de culturas é mais um dos charmes da bela ilha. Better than that: os malteses (não os cães, nem os falcões) falam um inglês de ótima qualidade. Interessante sugestão para estudantes. Don’t you agree?

A seguir, ele comenta a correspondência da semana.

Prezado Mr. Miles: fui aprovado em um programa de trainee internacional e vou viajar em setembro para Hong Kong. Agradeço se tiver algumas  dicas para me brindar. Saudações  cordiais. -  João Mielle, por e-mail

Well, my friend: congratulations! É sempre melhor ser um trainee em Hong Kong do que em Teresina, isn’t it? Nada contra meus grandes amigos piauienses, mas é sempre útil lembrar que Hong Kong é uma grande cidade fluente nas duas línguas mais úteis do mundo: o chinês e o inglês. Ou seja, dear John: ainda que não seja efetivado, pelo menos há uma ótima chance de você poder se comunicar, no futuro, com dois terços da população do planeta. 

Besides, Hong Kong é como New York. Aparece menos nos canais Sony e na HBO e sua Chinatown é ligeiramente maior. Mas ambas são ilhas prósperas, mutantes, cheias de vida e cosmopolitas. Com a vantagem de que, cercada por baías e montanhas, Hong Kong é uma das metrópoles mais cênicas em todo o planeta.

Minha primeira dica, my friend, é óbvia, mas oportuna: look to the right! O trânsito, em Hong Kong, flui pelo lado certo e não à moda francesa, que vocês adotaram no Brasil. Caso contrário, você corre o risco de ser atropelado por um tin che, o simpático bonde double decker que é a base do transporte coletivo local. 

Another tip: se você se encantar por alguma chinesa ligeiramente morena, saiba, de antemão, que ela é, com certeza, filipina. Há 300 mil filipinas trabalhando na cidade e as chinesas de Hong Kong têm tamanho horror de se assemelharem a elas que só vão à praia vestidas até o pescoço.

Outra rápida consideração. Não tenha medo da comida. Em Hong Kong, cachorros não fazem parte do cardápio. Quanto aos outros animais, todos eles são apreciados. Prove a sopa de cabra da Des Voeux Road. Se você passar por ela, my friend, você estará pronto para a cidade. E para a vida, of course.” 

 

MR. MILES É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO. ELE ESTEVE EM 312 PAÍSES E 16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.