Aryane Cararo/AE
Aryane Cararo/AE

Uma coadjuvante cheia de charme

Ofuscada pela magia da ilha de Capri, Sorrento acabou ficando com o papel de coadjuvante, mera porta de entrada para a primeira. Mas fato é que sair de Capri e voltar à pequena Sorrento, na Itália continental, só deixa para trás o clima de alto luxo. Sim, pois ela também tem seus momentos de estrela, esbanjando charme e uma bela vista do mar, já que está sobre um penhasco.

Aryane Cararo / SORRENTO,

05 Julho 2011 | 06h00

 

Se perde em sofisticação, tem algo que talvez falte à cosmopolita Capri: a "italianidade". Começa pelo nome, como só italianos conseguem falar, arrastando erres e enes. E segue por sabores e aromas. Como na Piazza Tasso, a principal, onde o perfume dos limoeiros e laranjeiras acompanha o visitante.

 

As pizzas de Sorrento, dizem, também têm lá sua fama. E os sorvetes seguem à risca a maciez dos gelatos italianos - ao menos, na Gelateria Primavera, na Corso Italia, rua de grifes. Descendo uma quadra, em direção à Via San Cesareo, há restaurantes simpáticos e uma infinidade de quitandas e mercadinhos com queijos, azeites, presuntos, massas coloridas, limoncellos, vinhos e doces. Impossível não reparar, pelo caminho, nas delicadas e brilhantes caixinhas de música típicas de Sorrento - em muitas, você acompanha o trabalho do artesão. Privilégio!

 

Mas há também lembrancinhas, óculos, lenços, gravatas, bolsas, muitos deles made in Bangladesh. Se Capri foi proibitiva para as compras, em Sorrento você encontra a loja adequada a seu bolso e ainda percorre os caminhos que inspiraram Nietzsche e Lord Byron. E sai de lá cantarolando Torna a Surriento, como Pavarotti: "Vide ‘o mare quant’é bello! Spira tantu sentimento..."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.