1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Uma Copa depois

GABRIEL PINHEIRO, JOHANNESBURGO - O Estado de S.Paulo

17 Junho 2014 | 02h 09

Quatro anos depois, o Mundial não saiu de cena completamente: ainda embala a vibração cosmopolita de Johannesburgo, a beleza litorânea da Cidade do Cabo, os vinhos e os 'big five'

Bruna Tiussu/Estadão
Vista da Cidade do Cabo, na África do Sul

Parece que foi ontem, mas a Copa está aí, nos gramados brasileiros, a lembrar que faz quatro anos que os olhos do planeta estavam voltados para a África do Sul. Naqueles dias, muitos viajantes aprenderam (e outros tantos relembraram) que o país dos safáris tem muitos atrativos mais, de lindas cidades a beleza natural, de vinícolas de fama internacional ao trinômio cultura-gastronomia-compras. E ainda história e toda a mítica que cerca o líder político Nelson Mandela, inegável ícone pop do nosso tempo.

O Mundial não saiu completamente de cena - ou deixou seu legado, para usar palavra da moda. Há vias expressas novas e você será constantemente lembrado pelos taxistas de que foram construídas para a Copa. Uma loja aqui, outra ali, vende camisetas de seleções diversas. Souvenirs. E o aeroporto de Johannesburgo, que, reformado, ficou parecido com o parisiense Charles de Gaulle.

Johannesburgo. É por Johannesburgo que nós, brasileiros, entramos na África do Sul. A maior cidade do país é uma metrópole cosmopolita, com vida noturna agitada, museus e centros de compras. Tão espalhada quanto São Paulo. Daí a importância de escolher bem a área para se hospedar.

A região mais procurada é Sandton, com hotéis novos - muitos deles construídos para a Copa, olha ela aí outra vez -, shoppings e restaurantes. Melrose Arch e Rosebank também fazem sucesso. O centro é movimentado apenas durante o dia, o que pode trazer preocupação com segurança. Vale dizer que a polícia sul-africana vem registrando melhora progressiva nos indicadores de criminalidade - a taxa de homicídios, assaltos e violência sexual, por exemplo, caiu de 1910 por cada grupo de 100 mil habitantes, em 2003/2004, para 1.232 por 100 mil, em 2011/2012.

Todos falam inglês em Johannesburgo, mas você terá de fazer algum esforço para entender os diferentes sotaques. A África do Sul tem 11 línguas oficiais - não é raro os moradores falarem "meio inglês, meio zulu", por exemplo. Mas são prestativos e brasileiros são bem quistos.

Mandela. A figura de Nelson Mandela vai acompanhar todo o seu roteiro sul-africano. Em Johannesburgo, sua antiga casa virou museu, no hoje famoso distrito de Soweto. Em Sandton, a Mandela Square tem estátua do líder político. E, por todo o país, não vão faltar souvenirs e histórias.