Vale do Loire:pergunte-me como

Château. A tradução ao pé da letra é castelo. Mas no Vale do Loire eles são mais do que isso ? são palácios. Antes de a corte francesa se instalar em Versalhes, era nesta região, entre os Rios Loire e Cher, que os nobres viviam (e disputavam poder e prestígio). Entre castelões e castelinhos, restaram mais de trezentos, às portas de Paris, resultando num ímã irresistível para os turistas da capital.

RICARDO FREIRE, O Estado de S.Paulo

27 Abril 2010 | 02h20

Apenas uma pequena parte está aberta à visitação, mas ainda assim são necessários vários dias para dar conta apenas dos principais. O Guia Michelin dá a cotação máxima de três estrelas a nada menos que seis castelos: Villandry (pelos jardins espetaculares), Azay-le-Rideau (pela graça dos tapetes e da mobília), Chenonceau (construído sobre a água, com fundações dentro do Rio Cher), Blois (o único bem no centro de uma cidade), Serrant (o mais luxuoso) e Chambord (pela escada em hélice de Leonardo da Vinci e seus terraços).

Escolha a estratégia de visita que mais se encaixa no seu estilo e no seu tempo disponível.

Com pressa. A melhor maneira de fazer render um bate-volta desde Paris é optando por um passeio organizado. Barato não sai ? mas pelo menos você consegue visitar três dos principais châteaux num só dia. A maior dessas agências é a Cityrama, que oferece passeios em ônibus ( 148) e vans ( 163). Prepare-se para acordar cedo: a excursão parte às 7h30, visita os castelos de Chambord, Cheverny e Chenonceau e deixa você de volta em Paris lá pelas 20h (pariscityrama.com).

Se você for menos ambicioso no número de castelos a percorrer, pode fazer uma viagem mais calma, de trem. Saindo da estação Montparnasse, em uma hora e meia você chega a Chenonceaux-Chisseau, uma estação a meros dois quilômetros do castelo de Chenonceau (desde 45 ida e volta). Você não cobre o vale inteiro, mas faz uma visita tranquila ao mais charmoso dos châteaux.

Um castelo é muito pouco? Então pegue em Paris o trem a Blois (a saída é da Gare d"Austerlitz). Em uma hora e meia você chega à cidade (a partir de 20 ida e volta). De lá um ônibus local (linha 18), que funciona de abril a setembro, leva aos castelos de Cheverny e Chambord. Se der tempo, você ainda pode visitar o de Blois, junto ao centro da cidade, antes de voltar à capital.

Muitos fazem o passeio de carro alugado. O primeiro castelo ? Chambord ? está a 180 km de Paris. Para sair da capital e cumprir um roteiro básico de três castelos, no entanto, é imprescindível estar equipado com GPS. Ainda assim, não é uma viagem sossegada: correndo contra o tempo e precisando prestar atenção ao que manda a maquininha você pode perder muito da paisagem.

Em três dias. Esta é a permanência mínima ideal para curtir o Vale do Loire. É uma viagem perfeita para fazer de carro. Saia cedo de Paris, durma duas noites ? e aí você vai ter tempo suficiente para visitar todos os castelos da sua lista e ainda se perder por estradinhas adoráveis. Use o GPS para chegar aos castelões (dois por dia, se possível). Entre um château e outro, siga as placas para os menos famosos; elas levarão você aos cantos mais bonitos, e inesperados, do vale (use o GPS de novo apenas na hora de reencontrar o caminho para a próxima parada).

Para uma experiência completa, hospede-se num dos inúmeros castelos que foram transformados em hotéis. Alguns nem são caros, como o Château des Sept Tours, erguido no século 16 cujo anexo tem apartamentos confortáveis a 100 (7tours.com).

Se você não quiser alugar carro, é melhor hospedar-se em Tours, a maior (e mais animada) cidade da região. De lá saem inúmeros passeios de meio dia para castelos fora do circuito básico, como Azay-le-Rideau e Villandry; informe-se no posto de turismo em frente à estação ferroviária. Blois (e os ônibus regulares a Cheverny e Chambord) está a meia hora de trem ( 19 ida e volta). Chenonceau está a 23 minutos, também de trem ( 12 ida e volta).

Em uma semana. Alugue uma gîte (casa de campo) ou hospede-se numa maison d"hôte (a versão francesa da pousada) e você terá um gostinho da vida da campagne ? só que com castelos ali na esquina. Ache a sua no site gites-de-france.com; é possível conseguir gîtes bem charmosinhas para duas a quatro pessoas desde 450 por semana.

Outra ótima maneira de esticar a viagem é combinando o Vale do Loire com o Monte St. Michel e a Normandia. O Monte fica a 300 km de Tours. Quem não está de carro pode ir de trem via Le Mans até Rennes, de onde saem os ônibus para a ilhota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.