Márcio Vaconcelos/Divulgação
Márcio Vaconcelos/Divulgação

Várias culturas em um só lugar

Nos arraiais maranhenses, manifestações de indígenas, africanos e portugueses estão lado a lado

Evelyn Araripe, Especial para O Estado de S. Paulo

13 Maio 2009 | 18h14

Esqueça o forró e a quadrilha. No Maranhão, os festejos juninos são marcados por manifestações culturais que mesclam as culturas negra, indígena e portuguesa. Ao som de matracas, zabumbas, clarinetas e saxofones, as chamadas brincadeiras abusam de movimentos de dança, ritmos diferentes, roupas brilhantes e adereços. Tudo para contar histórias sobre a colonização, a escravidão e até os causos dos índios.

 

As ruas se enchem de luzes e cores, as noites se confundem com os dias e os sons se misturam. Cada esquina parece anunciar algum festejo. Entre as danças típicas - como tambor de crioula, bambaê de caixa, cacuriá, tambor de mina e dança da fita -, o bumba-meu-boi surge como a principal manifestação folclórica da região.

 

É o boi que vai reger todos os bailados e fazer as noites maranhenses serem consideradas por muitos as mais belas do País no mês de junho. Que o diga a capital do Estado, São Luís. A temporada na cidade começa com a Festança do Boi da Lua, realizada há dez anos para homenagear os santos juninos e exaltar as raízes culturais do Maranhão.

 

Veja também:

linkNinguém faz festa junina como eles

linkA dieta vai ter de ficar para julho

linkPequena e inesquecível

linkMaceió sonha ser a capital junina

linkDia do santo é feriado em Aracaju

linkEstilos variados no encontro de quadrilhas

linkSossego e clima de interior a poucos quilômetros de Natal

linkA cidade que venceu Lampião

linkO grande clássico de junho

linkRetorno às raízes nordestinas é prioridade em Caruaru

linkQuentão, forró e alta tecnologia

linkAgito sem axé ou trio elétrico

linkGuerra de espadas nas ruas e arrasta-pé no palco principal

 

Durante as comemorações, o bumba-meu-boi é apresentado em seus diferentes estilos e formas de dançar.

 

Uma das histórias mais tradicionais é o Auto de Pai Francisco (leia quadro ao lado), que narra as desventuras de um escravo que mata o boi mais belo de seu amo para satisfazer o desejo da mulher amada, que está grávida.

 

Neste ano, a festa ocorre no dia 12 de junho e deve reunir milhares de pessoas. Oportunidade única de participar das brincadeiras maranhenses.

 

No embalo dos sons e das cores, os sabores ficam por conta de pratos típicos da culinária junina local, como o arroz de cuxá - cozido com vinagreira e camarões -, o mingau de milho (na verdade, uma espécie de canjica) e o famoso pé de moleque, doce comum nos arraiais do Brasil, mas que no Maranhão parece mais saboroso.

 

SOLIDARIEDADE

 

Os convidados viram a noite da Festança do Boi da Lua comendo e bebendo à vontade, ao som das toadas dos grupos Boi de Morros, Boizinho Barrica, Unidos de Santa Fé, Boi de Maracanã e de um batalhão de matracas que parecem formar um som já natural no Maranhão. Os ingressos para a festa estão sendo vendidos desde o início de maio em algumas lojas de São Luís. O dinheiro arrecadado vai financiar obras sociais no Maranhão, Estado que teve alguns pontos destruídos pelas chuvas nos primeiros meses do ano.

Depois de o dia amanhecer, o bumba-meu-boi e outras brincadeiras juninas seguem para o Arraial do Maranhão, onde 150 mil pessoas continuam a festejar até o dia 29 de junho, celebrando o casamenteiro Santo Antônio, o animado São João e o protetor São Pedro.

 

No dia 30 de junho, a cidade de São Luís tem festa do nascer ao pôr do sol, com o Dia do Brincante de Bumba-meu-boi, com direito a feriado municipal. Afinal, moradores e turistas não podem perder o típico encontro dos bois, no bairro João Paulo. É quase um mês inteiro dedicado ao que o povo do Maranhão chama de "São João da Maranhensidade".

 

linkFestança do Boi da Lua:

12 de junho, a partir das 21h, no Armazém Paraíba, Bairro Renascença. Ingressos a R$ 80

 

linkArraial do Maranhão:

de 19 a 29 de junho, a partir das 19h, no Armazém Paraíba, Bairro Renascença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.