Manuel Silvestri/Reuters
Manuel Silvestri/Reuters

Veneza limita acesso de cruzeiros

A cena impressionante da foto acima, um navio de cruzeiros dos mais gigantescos a confrontar a fragilidade da Praça São Marcos, deixará de ser vista em Veneza a partir de novembro de 2014. A cidade italiana acaba de aprovar a proibição do tráfego de embarcações turísticas com mais de 96 mil toneladas (leia-se, navios com capacidade para 3,5 mil a 4,5 mil hóspedes) pelo Canal de Giudecca, que passa em frente à praça, ícone local.

Mônica Nobrega , O Estado de S.Paulo - Reuters

12 Novembro 2013 | 02h19

Navios menores, a partir de 40 mil toneladas, ainda poderão passar pelo canal, mas com frequência limitada. Essa é a parte da decisão que vale desde já.

"Já tivemos o suficiente desses meganavios a poucos metros de distância da Praça São Marcos. A partir de agora, haverá limites claros sobre o tamanho dos navios que podem entrar em Veneza", declarou o prefeito Giorgio Orsoni.

A medida, aprovada em conjunto com o primeiro-ministro italiano, Enrico Letta, foi uma resposta aos apelos da população e de ambientalistas, preocupados com o patrimônio arquitetônico e o ecossistema de Veneza, principalmente após o naufrágio do Costa Concórdia junto à ilha de Giglio, em janeiro de 2012.

Em nota, a Associação Internacional de Empresas de Cruzeiro (Clia, na sigla em inglês) afirma que está analisando com o governo italiano alternativas de acesso a Veneza para grandes embarcações.

Pacotes. Entre os navios menores que ainda têm autorização para passar em frente à Praça São Marcos estão o Seven Seas Mariner (saída de Monte Carlo em 17 de abril de 2014, 10 noites, desde US$ 3.299) e o Seven Seas Voyager (saída de Veneza em 28 de outubro, 10 noites, desde US$ 5.999. Reservas: (11) 2175-7703.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.