Mari Campos
Mari Campos

Vida noturna

A noite de Viena é eclética e está ganhando um quê de Berlim

O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2017 | 04h30

Como uma cidade com cada vez mais estudantes e jovens intelectuais, não é de se estranhar que a noite de Viena também sofra sua metamorfose, com bares e clubes para diferentes tribos, seguindo fielmente a receitinha de sucesso da alemã Berlim. 

A Gumpendorfer Strasse, sempre em constante evolução, é bom exemplo: galerias, restaurantes, cafés e bares dos mais diferentes estilos, lado a lado – literalmente. Inspirado em Bob Dylan, no If Dogs Run Free, artistas e hipsters se misturam noite adentro, em meio ao estilo industrial da arquitetura e seus drinques clássicos (em média, 9 euros).

 A vida noturna de Viena também ganha cada vez mais espaço no entorno de seus mercados de rua mais democráticos, como o já tradicional Naschmarkt e o agora disputado Karmelitermakkt. Ali, um público das mais diversas idades e estilos se reúne, enquanto bons drinques a partir de 5 euros são preparados freneticamente, dos fins de tarde às madrugadas. 

O bar instalado no rooftop do moderninho 25hours Hotel segue sendo um dos mais concorridos da cidade – inclusive durante a semana. Música ao vivo eclética de boa qualidade, bebidas que cabem no bolso e a vista de Viena integram a fórmula de sucesso.

Já os clubes de Viena agora reúnem opções que vão do chique ao absoluto underground, dividindo, muitas vezes, casas vizinhas na mesma quadra. Mais do que nunca, os instalados sob os arcos da antiga ferrovia Stadtbahn, ao longo do Gurtel (como Chelsea, Rhiz ou B72), continuam agitando as madrugadas nos fins de semana, até o sol nascer.

Mais conteúdo sobre:
Viena [Áustria]

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.