Mônica Nóbrega/Estadão
Mônica Nóbrega/Estadão

Vida subaquática, sombra e água fresca. Com tudo incluído

Esqueça os brinquedos com filas quilométricas. O Discovery Cove está mais para um hotel com day-use do que para um parque aquático. Na entrada, você faz check-in e ganha um crachá de identificação para fazer as atividades reservadas - nadar com golfinhos ou mergulhar com capacete de astronauta, por exemplo. Há um limite: apenas 1.300 pessoas podem entrar ali por dia.

ORLANDO, O Estado de S.Paulo

25 Junho 2013 | 02h20

No verão, as reservas se esgotam com meses de antecedência, portanto, é preciso se programar. Lá dentro, deixe a bolsa e outras tralhas no locker: o parque funciona em sistema all-inclusive, o que significa que você come e bebe à vontade. Há drinques, cerveja, salgadinhos, barrinhas de cereais e refeições - café da manhã, almoço, lanche.

O pacote inclui ainda toalhas, roupas de neoprene e snorkel. E assim, com todos os itens necessários, você sai para explorar o parque por cima e por baixo d'água. Para ver vida marinha não há lugar melhor que o Reef, que reproduz a fauna nos recifes.

Arraias gigantes deslizam entre os visitantes, sem se importar com a massa de pessoas, bem como os peixes coloridos. Debaixo d'água, um susto: uma moreia! Calma: ela fica do outro lado do vidro, sem acesso aos mergulhadores. Os tubarões estão em outra parte, também atrás de vidros. Ainda assim, é de impressionar. Outra parte interessante para nadar é o Fresh Water Oasis, onde ficam as simpáticas lontras. Como resistir a tanta fofura?

Quando os dedos começarem a enrugar, vá para o aviário, que reúne 250 pássaros exóticos. Peça para os tratadores um potinho de frutas para alimentar os bichos. Erga a mão e... voilà: um deles pousa no galho próximo, em seu braço, no ombro, na cabeça. Dóceis, eles ficam ali até quando houver comida. Depois, voltam para as árvores.

 

Os escafandristas

O princípio é o mesmo da experiência com o copo que se fazia nas aulas de ciências da escola. Se mergulhado com a boca para baixo e de maneira reta em um recipiente com água, fica seco por dentro. A diferença é o suprimento extra de ar que recebemos e o aspecto de astronauta do capacete. As instruções são claras: mantenha a cabeça reta, senão entra água.

 

Pode parecer um pouco claustrofóbico, mas a experiência do Sea Venture é bem tranquila e ideal para quem não tem prática de mergulho. Dois instrutores acompanham o grupo de escafandristas debaixo d’água, e outros tantos olham tudo da superfície – estamos a apenas 4 metros de profundidade, respirando normalmente.

A sensação espacial é estranha em um primeiro momento. A mão tenta alcançar o corrimão mas... cadê? Leva um tempo para se acostumar que a visão não é a mesma da superfície nem da que se tem com uma máscara de snorkel. E logo passam peixes enormes, arraias e os tubarões estão logo ali. Tubarões? Calma, eles ficam atrás de uma imensa parede de vidro. Mas que impressiona, impressiona. O tempo, pouco mais de 40 minutos, passa muito rápido. Uma delícia, que custa US$ 59. /A.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.