Volta ao mundo em versão cinco-estrelas

Nos pacotes vips, tour pelo globo ganha configuração de primeira classe: no avião fretado ou particular, na cabine do navio e nas hospedagens e passeios exclusivos

MÔNICA NÓBREGA, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2011 | 03h09

Em um avião inteiro preenchido apenas com poltronas de primeira classe, os passageiros, em número de 78, ouvirão palestras dadas por especialistas sobre os destinos a serem visitados. Enquanto isso, um concierge a bordo agendará os passeios em terra, adaptados aos interesses de cada viajante, antes mesmo de o trem de pouso tocar a pista. Na chegada aos aeroportos, equipes estarão a postos para agilizar tanto quanto possível os trâmites de imigração e alfândega. O roteiro que será alvo de tanta mordomia? Uma volta ao mundo, ou quase - de Los Angeles a Londres, no sentido oeste.

A viagem idealizada pela exclusiva rede de hotéis Four Seasons, que hospedará os turistas vips durante as três semanas de périplo pelo planeta, é a opção recém-lançada de volta ao mundo de luxo. Feita em grupo, sim - mas nada que lembre cafés da manhã apressados, excursões em ônibus para 40 pessoas e guias com bandeirinhas. Ao contrário, quase tudo no roteiro é personalizável.

Você poderá, se quiser, reservar um jantar romântico com seu par em alguma paisagem exótica da Tailândia ou da Indonésia. Mergulhar entre os corais do Oceano Pacífico. Chegar ao cume de um vulcão ativo no Havaí, com guia exclusivo. Assistir a um concerto ou espetáculo na Ópera de Sydney.

Festas, jantares e tours de bastidores farão parte do roteiro, que passará por Havaí, Polinésia Francesa, Austrália, Indonésia, Tailândia, Índia e Egito. Há duas saídas marcadas para 2012, mas a primeira está lotada. A segunda, com pacotes à venda por US$ 66.950, parte de Los Angeles em 30 de setembro e chega a Londres em 21 de outubro.

Mais informações e reservas no site: fourseasons.com/aroundtheworld.

Avião próprio. Uma das opções de volta ao mundo à venda na operadora Selections (selections.com.br) sai por cerca de metade deste valor. Mas não se trata de nenhuma pechincha. Os US$ 37.897 são referentes apenas à parte terrestre do programa - hospedagem, traslados privativos e alguns passeios. O aéreo depende da escolha do viajante: quem tem avião próprio paga "apenas" taxas de entrada nos países, uso dos aeroportos e afins. Se for necessário alugar um avião, acrescente, no mínimo, US$ 400 mil - caso de uma aeronave com capacidade para acomodar confortavelmente oito passageiros.

"Para uma viagem tão longa, o jato precisa ser de porte médio para cima", explica Eduardo Gaz, proprietário da Selections.

O roteiro? O que a operadora chama de volta ao mundo, neste caso, é, na verdade, um giro pela costa leste e pelo norte da África, Oceano Índico, Ásia e Oriente Médio. Os 23 dias de férias são gastos em safáris na reserva queniana Masai Mara, mergulhos e passeios de caiaque em Seychelles, visitas a cachoeiras na ilha Koh Kood, tours pelos templos milenares do Camboja, paradas para compras em Dubai e passeios pelos mercados a céu aberto do Marrocos.

Tudo, como é de se imaginar, adaptável. Para que a volta ao mundo fique do jeito que o turista quer, o roteiro pode sofrer mudanças. Também não há data fixa para a saída.

Pelo mar. Uma volta ao mundo completa, com partida e chegada no mesmo porto, em Sydney, Austrália, é a proposta do cruzeiro no navio Sun Princess. Em 104 noites, ou três meses e meio, a embarcação visitará nada menos que 38 portos, de Cingapura a Dubai, de Veneza a Dubrovnik, de Aruba a Punta Arenas.

Como em qualquer navio de cruzeiro, tamanho e configuração da cabine dependem das escolhas de cada viajante. As opções mais luxuosas têm à disposição atendimento de hotel cinco-estrelas, como serviço de quarto 24 horas, mordomo e chocolates no travesseiro toda noite, além de mais espaço e varanda. Concierge a bordo ajuda a reservar o melhor lugar no teatro, a mesa no restaurante e escolher o vinho. Em seu valor mínimo, o pacote é o mais em conta dos três: US$ 21.720 por pessoa, em cabine dupla. Mais: princess.com.

Luxo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.