Mariana Veiga
Mariana Veiga

Windhoek: carne de caça na despedida da África

Capital da Namíbia pode não ter muitos atrativos turísticos, mas espetinhos de zebra, antílope e crocodilo tomando um chope foi uma boa maneira de encerrar a expedição

Edison Veiga, O Estado de S. Paulo

24 Outubro 2017 | 04h30

Com 230 mil habitantes, a capital da Namíbia não tem lá muitos atrativos turísticos. Depois de vencidos os 317 quilômetros finais de estrada, portanto, o mais legal foi encerrar a expedição tomando um chope na Joe’s Beerhouse (joesbeerhouse.com) – devidamente acompanhado por espetinhos com carne de caça: zebra, antílope, crocodilo... O prato custa cerca de R$ 30.

No centro da cidade, praticamente um símbolo não oficial de Windhoek é a Christuskirche, igreja luterana alemã cercada por ruas de trânsito pesado. Sua arquitetura é incomum: foi erguida em 1907 com arenito local. A obra do arquiteto Gottlieb Redecker (1871-1945) mescla os estilos neogótico e art nouveau e, para muitos, lembra a comestível casa da bruxa de João e Maria.

No entorno da igreja estão o Tintenpalast, o edifício do parlamento namibiano, e o Museu Nacional da Namíbia. O primeiro recebeu este nome, “Palácio da Tinta”, em homenagem ao tanto de tinta gasta com a burocracia das papeladas oficiais. Seus belos jardins têm, à frente, o primeiro monumento pós-independência da Namíbia, uma estatua do líder popular Hosea Kutako.

No Museu Nacional, há painéis que retratam em detalhes como foi o processo de independência da Namíbia e um interessante acervo de arte em pedra. Do lado de fora, um imponente monumento chamado de Reiterdenkmal, ou Memorial do Cavaleiro, homenageia os soldados mortos durante as guerras do país.

 

Mais conteúdo sobre:
Namíbia Namíbia [África] África

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.