Berlim pela primeira vez: 8 dicas que podem te ajudar
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Berlim pela primeira vez: 8 dicas que podem te ajudar

amandanoventa

07 de março de 2019 | 08h47

Foto: @amandanoventa

Chegando em Berlim pela primeira vez eu tive que respirar fundo. Três dias seriam pouco para tanta coisa que a cidade oferece. O negócio foi respirar fundo e pensar com calma qual seria a melhor maneira de explorar a cidade. Algumas coisas eu achei que fizeram toda diferença na minha viagem. E são essas dicas que compartilho hoje por aqui:

1. Baixe o app de Berlim

Há dois apps gratuitos para baixar que vão conseguir te dar um norte sobre o que fazer em Berlin. O app About Berlin conta bastante sobre a história da cidade e mostra todos os pontos que você não pode perder (gostei de ver as fotos dos locais como são hoje e como eram antigamente). Outro app é o Going Local Berlin que te ajuda a descobrir tudo sobre os bairros da cidade: história, cafés, atrações, etc.

2. Compre o Berlin Welcome Card que se quiser turistar

Por € 20,00 você tem o cartão de acesso a todo o transporte público da cidade e 50% de desconto em 200 atrações. Vale a pena se você estiver na função de conhecer os principais pontos turísticos e museus da cidade. Sem contar o uso do metrô que funciona super bem na cidade e, na minha opinião, é a melhor forma de se locomover por lá.

3. Tem pouco tempo? Escolha um pouco do “obrigatório” somado àquilo que te interessa

É provável que você tenha a sensação de que não vai dar tempo de conhecer tudo. E é também provável que não seja apenas a sensação – tem muita coisa pra fazer na cidade! Para não entrar em desespero nos meus três dias na cidade, acabei escolhendo as principais atrações turísticas que me interessavam:

East Side Gallery (o ex-muro que se tornou galeria de arte com os grafites pelo muro)  

Brandenburger Tor (cartão-postal da cidade)

Ilha dos Museus (um lugar onde ficam todos os principais museus da cidade)

Gedenkstatte Berliner Mauer (que é onde fica o muro de verdade).

Branderburger Tor – Foto:@amandanoventa

Depois reservar um tempo para fazer minhas andanças por lugares que me interessavam fora do circuito turístico – e não é que nessas andanças você acaba descobrindo muito mais coisas pela cidade e até encontrando com alguns pontos turísticos pelo caminho?! Você pode ver e copiar meu roteiro completo aqui.

4. Hop on Hop off? Pode ser.

Se for o seu perfil, talvez seja uma boa utilizar o sistema dos famosos ônibus vermelhos turísticos. Assim você “já mata tudo”, como diz um amigo meu. Esse tipo de ônibus para em todos os pontos turísticos, você pode ficar quanto tempo quiser e depois é só esperar pelo próximo no mesmo ponto. Dá pra utilizá-lo por mais de um dia; tudo vai depender do ingresso que você comprar.

5. Na hora da fome

Não há dúvidas de que Berlin tenha restaurantes fabulosos. Mas na minha primeira vez na cidade, eu nem me preocupei com o assunto. A única coisa que eu queria era comer o que os alemães comem. E foi sem querer que acabei descobrindo a feira Hackescher Markt em frente à estação de mesmo nome. Lá você vai encontrar diversas barracas vendendo comida (eu já mandei logo um hot dog de salsichão alemão logo cedo) e outras barracas de artesanato. A feira acontece toda quinta e sábado de manhã. Não é grande, mas dá pra sentir o clima local. E o melhor: bem pertinho dela fica a Ilha dos Museus então já dá pra você emendar um programa ao outro.

6. Onde está A balada

Berlim tem uma das baladas mais famosas e exclusivas do mundo, a Berghain Nightclub. O que rola é música eletrônica de primeira qualidade. Só tem um problema: não é qualquer pessoa que entra. Se arrisque na fila que pode durar até quatro horas para que o segurança decida se você pode entrar ou não. É tão difícil que existe até tutorial na internet ensinando todas as dicas para que você não seja rejeitado. A básica é: use preto.

7. Onde ficar

Escolher um bairro bem centralizado no Mitte pode ser bacana para ter acesso às principais atrações. Eu fiquei no bairro de Charlottenburg que é uma espécie de Jardins de São Paulo. É um bairro tradicional, chique e um dos mais preservados da cidade. Mas existem várias outras opções legais.

8. Como chegar

Eu fui a Berlin depois de Paris e Amsterdam e todos os trechos foram feitos de KLM. O legal de viajar com a companhia aérea é que como ela oferece voos por toda a Europa e possui combinalidade com a Air France, fica mais fácil adicionar múltiplos destinos no seu roteiro sem pagar o preço de passagens compradas separadamente.

Amanda Noventa é criadora do Amanda Viaja que é site, canal no youtube e desse espaço aqui no Estadão. Acompanhe suas aventuras no instagram em @amandanoventa