Canudos de plástico: tão 2017
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Canudos de plástico: tão 2017

amandanoventa

11 Junho 2018 | 09h22

Foto: Tommaso Bonaventura, Contrasto/Redux

Parecia apenas uma modinha irritante durante o carnaval paulistano. Quem era descolado desfilava por Pinheiros com seu canudo de cobre mergulhado num copo de catuaba. Se você ainda estava usando o de plástico, provavelmente foi considerado um infrator ambiental, um atrasado ou não havia sido impactado pelo vídeo da tartaruga marinha com um canudo preso em uma de suas narinas.

Eu fui impactada. Não desfilei com o canudo de cobre no carnaval pois não sou descolada. Mas tenho coração mole e, assim que vi o vídeo, fiquei comovida com a tartaruga e tomei a decisão de nunca mais usar canudo de plástico. E não é difícil. Basta devolver o canudo quando o garçom traz até você.

A modinha de carnaval decidiu ficar em São Paulo e isso facilitou ainda mais a nossa vida. Muitos estabelecimentos já perguntam se você quer canudo; outros nem oferecem. E o mais legal é que se você gosta de tomar no canudo, não precisa deixar de usar. Existem alternativas melhores: dá pra você comprar um de cobre (e de quebra, parecer descolado), dá pra sugerir ao bar que você frequenta que eles comecem a comprar canudos de papel ou de bambu ou até de macarrão como eu vi um bar em Londres fazendo outro dia. A outra alternativa é simplesmente tomar direto no copo, sem canudo nenhum (se você tem nojinho, fico curiosa pra saber como você faz com os talheres dos restaurantes).


Quando viajei pra Costa Rica, o país mais preocupado com o meio ambiente em que já estive (e, olha só a coincidência, onde o vídeo da tartaruga foi gravado) fiquei surpresa ao perceber que praticamente todos os lugares no país já estavam usando os canudos de papel há tempos. Eu é que estava atrasada chegando lá com o hábito recém incorporado na minha vida.

O assunto não é tão novidade assim para o mundo. Cerca de dez países já baniram os canudos de plástico. Entre eles estão Belize, Taiwan e Inglaterra. A França também chegou com um bom exemplo aprovando no ano passado uma lei que proíbe a venda de talheres, copos e plásticos descartáveis não biodegradáveis.

No Brasil, o Rio saiu na frente com uma lei que obriga estabelecimentos comerciais a usarem canudos de papel biodegradável. E, se São Paulo for esperta, vai ter lei por aqui também.

Outra coisa que é importante lembrar… O tempo todo falamos de bares e restaurantes, mas os hotéis estão entre os maiores usuários de canudos de plástico. O hotel Hilton Waikoloa Village localizado no Havaí relata ter usado mais de 800 mil canudos desse tipo no ano passado e, no início deste ano, decidiram eliminá-lo. Segundo reportagem da National Geographic, outras redes de hotéis já perceberam que a mudança precisa ser feita. Vamos citar os nomes aqui dos exemplos a serem seguidos: Four Seasons, Accor Hotels na América do Norte e Central, Marriot na Inglaterra, Doyle Collection, Six Senses, Taj Hotels, Experimental Group e Anantara. Algumas linhas de cruzeiros também estão iniciando a prática: Carnival, Hurtigruten, Peregrine Adventures e Coral Expeditions.

Aos que ainda não estão na lista, vamos cobrar, vamos rejeitar os canudos oferecidos.

E sabe o que é melhor de tudo? Quando você elimina o canudo de plástico da sua vida, começa a perceber que outros produtos derivados do plástico não biodegradável também não fazem sentido – como os copinhos, talheres e pratinhos. E tudo vai sendo rejeitado por você naturalmente.

Está difícil para o meio ambiente, mas vai ficar mais difícil ainda para quem não entrar na “modinha”. Porque essa é do bem e veio pra ficar.

Amanda é especialista em viagens. Acompanhe suas dicas e histórias através do instagram @amandanoventa, no Facebook e no Youtube.