Museus de Toronto: de história natural e arte a sapatos e ilusão

Museus de Toronto: de história natural e arte a sapatos e ilusão

Em Toronto, saiba o que ver em museus como Royal Ontario, Aga Khan, Bata Shoe, Contemporary Canadian Art e o novo Museum of Illusions. Salve este texto nos seus favoritos para planejar sua viagem

Nathalia Molina

04 Fevereiro 2019 | 10h03

Os museus de Toronto são tão diversificados quanto as culturas presentes na maior cidade do Canadá. Diversão, por exemplo, pode ser encontrada numa chegadinha ao Museum of Illusions. A nova unidade da marca — com museus em Nova York, Berlim e Viena, entre outras cidades do mundo — estreou no Canadá no fim de 2018 com muita ilusão de ótica no centro de Toronto, pertinho do St. Lawrence Market e das várias opções de onde ficar em Toronto.

Na Bloor Street, no bairro de Yorkville, separados por 5 minutos de caminhada pela mesma calçada, estão tanto o Royal Ontario Museum (ROM), dono do maior acervo do país, quanto o minúsculo Bata Shoe, tão pequeno que chega a ser uma caixa de sapato dentro do guarda-roupas que é o ROM. Por essa razão, visitá-los juntos é um programa de fôlego em Toronto.

Royal Ontario Museum (ROM), museu de Toronto com arte e história natural – Foto: Ontario Travel/Divulgação

Peças ancestrais, tintas e telas modernistas ocupam as paredes da Art Gallery of Ontario (AGO), voltada à produção artística convencional, enquanto outros museus se concentram em coleções bem específicas. Cada um a seu modo, o Bata Shoe Museum (calçado), o Gardiner Museum (cerâmica) e o Textile Museum of Canada (tecelagem) destacam a arte manufaturada em primeiro plano.


Curiosamente, as mãos também são responsáveis por produzir um dos patrimônios culturais mais fortes e presentes não só em Toronto como em todo o Canadá: o hóquei, que tem santuário inteiramente dedicado a ele, o Hockey Hall of Fame. No Centro, próximo a pontos turísticos como a CN Tower e ao Path de Toronto, subterrâneo da cidade com lojas e acesso a estações de metrô.

No Hockey Hall of Fame, dando minhas tacadas – Foto: Nathalia Molina @ComoViaja

Seja qual for o museu de Toronto que você escolha visitar, saiba que há muito a se apreciar desde o lado de fora. O arrojo arquitetônico está materializado em pedra, metal e vidro, revelando o quanto de uma metrópole se constrói a partir da diversidade.

 

Royal Ontario Museum (ROM): dinossauros e pedras preciosas

O acervo do maior museu do Canadá reúne cerca de 6 milhões de objetos, que contam a história de culturas do mundo e que também revelam aspectos naturais canadenses. No Royal Museum há peças da Mesopotâmia, pedras preciosas da América do Norte e uma coleção de dinossauros que fascina adultos e crianças — eles podem tirar foto com um T-Rex ao fundo como se o bicho estivesse ali em carne e (muitos) ossos, graças à tecnologia de realidade aumentada. Programações especiais voltadas para os pequenos ajudam na exploração do que está guardado nas 40 galerias do museu. Apesar de muita gente torcer o nariz, a arquitetura do prédio — cuja fachada ganhou estrutura em forma de prisma durante a expansão comandada pelo escritório do arquiteto Daniel Libeskind em 2007 — rende interessantes ângulos nas fotos. O ROM fica na Queen’s Street, quase esquina com a Bloor, em Yorkville. Site: rom.on.ca.

Dinossauros são imperdíveis no ROM, maior museu do Canadá – Foto: Doug Brown/www.torontowide.com/Toronto-Tourism/Divulgação

 

Museum of Contemporary Canadian Art: trabalhos de artistas canadenses

O Museum of Contemporary Canadian Art está de casa nova desde setembro de 2018. Ele agora ocupa um prédio centenário no West End de Toronto, com mais espaço para abrigar obras inovadoras de artistas canadenses contemporâneos. Não há acervo permanente, mas uma coleção de trabalhos conceituais que atrai, anualmente, 40 mil visitantes em média. Site: museumofcontemporaryart.ca.

 

Aga Khan Museum: arte islâmica, dança e música

Caçula entre os museus da maior cidade do Canadá, inaugurado em 2014, o Aga Khan é mais um espaço em Toronto que chama a atenção pela arquitetura, aqui assinada pelo japonês Fumihiko Maki. A arte islâmica é reverenciada em manuscritos, pinturas, cerâmicas e tapeçaria. Apresentações de dança e música compõem a agenda de eventos realizados no auditório do museu. Os domingos são dedicados às famílias com crianças, que podem participar de atividades artísticas propostas com base nas exposições. Site: agakhanmuseum.org.

Arte islâmica e atividades para crianças no Aga Khan Museum – Foto: Gary Otte/Toronto Tourism/Divulgação

 

Museum of Illusions: muita ilusão de ótica em Toronto

Em muitos museus, a câmera fotográfica é vetada. Neste, é quase obrigatória. O próprio Museum of Illusions recomenda que o visitante se certifique de que está com o máximo de memória e bateria para registrar as experiências (e, claro, postar à vontade nas redes sociais). Conceitos da física, da matemática e da psicologia se misturam no novo museu de Toronto. Os cerca de 80 truques de ilusão desafiam os sentidos e educando de forma lúdica. Site: museumofillusions.ca.

 

Bata Shoe Museum: sapatos com história e estilo

Se você é daquelas pessoas que compra calçados com relativa frequência, acredite, você investe em obras de arte e talvez nem saiba disso. Visite então o Bata Shoe Museum, dono de um conjunto de cerca de 13 mil sapatos e acessórios. Engana-se quem pensa que o museu é uma ode ao consumismo, ao qual esses itens costumam estar associados. O mérito do Bata Shoe é apresentar o sapato como elemento cultural, mostrar suas transformações e a influência que exerceu ao longo de 4.500 anos de história da humanidade. Há desde sapatos ancestrais até calçados que pertenceram a celebridades, como John Lennon, Robert Redford ou Elvis Presley. Site: batashoemuseum.ca.

Museu do sapato em Toronto, Bata Shoe mostra estilos a cada década – Foto: Nathalia Molina @ComoViaja

 

Gardiner Museum: peças de cerâmicas e mão na massa

Um museu para botar a mão na massa, literalmente. No Gardiner Museum a estrela é a cerâmica, moldada em cerca de 4.000 peças originárias da América do Norte, principalmente. Também estão expostas coleções europeias e chinesas. O destaque são as aulas que ensinam a manusear e produzir peças em argila. Com atividades para adultos e crianças, as inscrições para as oficinas podem ser feitas pela internet ou diretamente no museu. Vizinho do ROM, o Gardiner fica no Queen’s Park, em Yorkville. Site: gardinermuseum.on.ca.

 

Hockey Hall of Fame: hóquei, troféus e tacadas

O Hockey Hall of Fame guarda a história do esporte número 1 do Canadá. Inaugurado em 1943, seu farto acervo é composto por imagens e objetos que simbolizam momentos marcantes da seleção canadense e das equipes nacionais. Entre feitos e recordes, destaque para a galeria de craques do passado e do presente. E ainda: uma réplica do vestiário do Montrèal Canadiens, equipe que mais vezes conquistou a Stanley Cup, como são chamadas as finais da NHL, a liga-norte americana de hóquei. Mesmo para quem não entende nada desse esporte, dá para se divertir na área interativa, onde é possível dar tacadas de verdade. Se quiser entender um pouquinho mais sobre a plástica e a importância do jogo, assista ao filme que mistura animação em 3D com imagens históricas da Stanley Cup. Aliás, o troféu está em em exposição no Hockey Hall of Fame e aparece na foto de 11 entre 10 visitantes. Site: hhof.com.

Stanley Cup no Hockey Hall of Fame em Toronto – Foto: Canadian Tourism Commission/Divulgação

 

Textile Museum of Canada

Tapeçarias, roupas, colchas, bordados, painéis. A tecelagem interliga passado e presente por meio da moda, do artesanato e do design. Da coleção permanente do Textile Museum of Canada fazem parte 13.000 trabalhos, que foram produzidos a partir de diferentes materiais e encontrados em todos os continentes. Destaque para o objeto mais antigo do museu: um fragmento de tecido de origem Nazca, civilização que se desenvolveu no sul do Peru (100d.C.). Site: textilemuseum.ca.

 

Art Gallery of Ontario (AGO): Frank Gehry, pinturas e obras indígenas

Assim como o ROM, a Art Gallery of Ontario (AGO) também ocupa um prédio que se destaca pela arquitetura, assinada por Frank Gehry. O museu fica na Dundas Street, em Chinatown. A coleção de aproximadamente 95 mil trabalhos inclui arte indígena, moderna e contemporânea. Obras que revolucionaram a pintura no Canadá, como as que foram produzidas pelo chamado Grupo dos Sete também estão expostas na AGO. A produção artística europeia está representada por trabalhos que abrangem um período de quase 1 mil anos, dos quais se destacam obras da Renascença Italiana e telas impressionistas. Site: ago.ca.

Pinturas em Toronto, na AGO, com quadros do Canadá e da Europa – Foto: www.torontowide.com/Canadian Tourism Commission/Divulgação

 


* Nathalia Molina é jornalista de viagem e especialista em Canadá. Também escreve o Como Viaja, com dicas e experiências no Brasil e no exterior. Acompanhe pelo instagram @ComoViaja, pelo facebook ComoViaja e pelo canal do Como Viaja no YouTube