A pandemia do coronavírus e o turismo

A pandemia do coronavírus e o turismo

Mari Campos

10 de abril de 2020 | 16h33

Crédito: Four Seasons Hotel New York

A disseminação de contágio do novo Coronavírus e sua Covid-19 neste começo de 2020 já apresenta severos impactos na indústria do turismo. Com tantas fronteiras fechadas, companhias aéreas colocaram boa parte de sua frota no chão, armadoras de cruzeiros suspenderam todos seus itinerários até segunda ordem, parques de diversões e grandes hotéis (como o próprio Belmond Copacabana Palace, no Rio) suspenderam completamente suas operações sem data definida para voltar e diversos pequenos hotéis correm risco de  fechar suas portas em definitivo se o cenário atual durar muitos meses. De guias de turismo a grandes cadeias hoteleiras, as perdas no setor já são mesmo gigantes.

Mas, além de pedir socorro aos governos para tentar cobrir buracos e evitar demissões em massa no futuro próximo, alguns negócios estão tomando também as atitudes que importam neste momento: dar sua contribuição para salvar vidas, ou ao menos dar alguma contribuição para diversas frentes de trabalho que atuam diretamente no combate à Covid-19. E o viajante está prestando muita atenção nestas empresas, sim! Muitos de nós estamos totalmente atentos a todas as ações que empresas do setor estão tomando nesta fase tanto em relação a seus clientes e colaboradores quanto também em relação ao local onde estão inseridas.

Há bons exemplos acontecendo no mundo todo, incluindo hotéis de luxo – como o Four Seasons Nova York – que abriu as portas de seus quartos ociosos para receber sem custos profissionais da saúde que estão na linha de frente no combate à Covid-19 num dos maiores epicentros da doença no planeta. A Accor Hotels criou um fundo especial para ajudar os funcionários com dificuldades neste período. No Brasil, há bons exemplos do setor, incluindo redes hoteleiras como Dom Rafael (no sul do Brasil), que também estão alojando profissionais da saúde sem custos, a outras, como a Slaviero Hoteis, que estão doando a instituições que cuidam de vulneráveis todos os alimentos que tinham estocados em suas propriedades agora ociosas. Na minha coluna no Panrotas, a Hotel Inspectors, nós falamos também sobre isso recentemente, com vários bons exemplos da hotelaria mundo afora sendo pró-ativa neste momento de pandemia. Vale espiar.

Destinos também estão tomando medidas importantes, e nisso Portugal vem merecendo destaque. As 12 Escolas do Turismo de Portugal também abriram agora suas cozinhas para preparar 2.500 refeições por dia que serão doadas a instituições e profissionais dos setores essenciais, numa parceria com a Segurança Social de Portugal. Além disso, o Turismo de Portugal também está disponibilizando todo o alojamento disponível nas suas escolas de Setúbal, Faro e Lamego para serem utilizados sem custos por profissionais de saúde que não possam ou queiram regressar a casa por receio de contágio à família.

Do ponto de vista prático para o viajante, diversos hotéis não estão cobrando nenhum tipo de taxa ou multa para cancelamentos e os grandes programas de fidelidade hoteleiros, como Marriott Bonvoy e Hilton Honors, estão aumentando a validade de pontos e status, para que os clientes sejam estimulados a viajar  quando tudo isso passar com os mesmos benefícios que teriam hoje.

A gastronomia vem dando exemplos incríveis de solidariedade, como o restaurante Mocotó, que distribui diariamente refeições gratuitas a vulneráveis no centro de São Paulo. No setor aéreo também há boas notícias, como grandes companhias aéreas transportando gratuitamente cargas médicas e profissionais da saúde, incluindo as brasileiras Gol e Latam.

Isso tudo para citar apenas alguns exemplos que mostram que, mesmo em plena crise e com uma imensa recessão global que se avizinha, é possível, sim, ser solidário e dar mais atenção ao salvamento de vidas que qualquer outra coisa em um momento sem precedentes como esse.

Do mesmo jeito que o ator Caco Ciocler criou a “Lista Fortes” para valorizar empresas em geral que estão de alguma maneira colaborando com pessoas afetadas pela crise neste primeiro momento, acho importante que nós, viajantes, também tomemos nota das empresas do setor turístico que também estão sendo solidárias neste momento e valorizemos estas empresas, destinos e profissionais/prestadores de serviços quando for seguro viajar de novo por aí.

A pesquisa da Trvl Lab do Panrotas (feita em parceria com a Mapie e divulgada nesta semana) mostra que mais de 51% dos entrevistados não pretendem voltar a consumir/comprar serviços de prestadores do turismo que não tratarem seus colaboradores e clientes de maneira solidária nestes tempos. E mais de 20% dos entrevistados, assim como eu, não apenas está acompanhando atentamente estas ações como  também se sentiu estimulado a contribuir em algumas das campanhas/causas promovidas por estas marcas. O resultado completo da pesquisa da Panrotas está disponível aqui.

Todos queremos viajar de novo, mas neste momento o primordial é garantir nossa saúde. Tempos tão duros e imprevisíveis como esses precisam, mais do que nunca, da solidariedade de todos.  Para que atravessemos tudo isso da melhor e mais rápida maneira possível.

 

 

 

Enquanto isso, confira aqui como deixar a nossa casa com jeitinho de hotel nesta quarentena.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.