As boas vibes de Malibu

As boas vibes de Malibu

Mari Campos

05 de julho de 2019 | 18h30

Preciso confessar que não amei Malibu na primeira visita, não. A primeira visita foi a trabalho e bem equivocada, me levando a lugares bem sem graça e pega-turista. Foi somente a partir da segunda visita, a passeio, que fui descobrir tantas coisas legais que esse pedacinho da California (que acabou ficando famoso internacionalmente, inclusive no Brasil, por causa de uma série de TV) tem. E a cada vez que volto, gosto mais.

A última visita foi agora em junho, terminando minha road trip pela California. Foi a primeira vez em que fiquei realmente hospedada em Malibu, ao invés de fazer apenas passeios de um dia para lá desde Los Angeles ou Santa Monica – e posso garantir que isso fez TODA a diferença. Curtir a cidade dia e noite, ficar hospedada ali com o pé na areia e o famoso Malibu Pier logo ao lado, me garantiu ter muito mais tempo disponível para explorar outros cantos do destino.

Quartos todos com varanda e vista para o mar no Malibu Beach Inn, da Leading Hotels of the World. Foto: Mari Campos

Escolhi como base o delicioso Malibu Beach Inn, parte do portfóliol da Leading Hotels of the World,  que foi melhor ainda que a encomenda! Pequeno, discreto, com excelente serviço, mas tão descolado como a própria Malibu.  Ali todos os quartos são grandes e têm deliciosas varandas mobiliadas com vista para o mar, com decoração bem ao estilo casa de praia mesmo. Alguns dos quartos, como o meu, ainda tem uma charmosa lareira, dessas moderninhas, que a gente acende com um botão on/off, pra aquecer nas noites mais frescas. Cápsulas de nespresso e garrafinhas d’agua são cortesia todos os dias, todos os hóspedes recebem chinelinhos de quarto e sacolas de compras para usar e depois levar pra casa de souvenir e a abertura de camas inclui maravilhosas trufas da Vosges Chocolates.  O restaurante e bar Carbon Beach Club também vale a visita, seja para o café da manhã (não incluído na diária), para um drink ao por do sol ou para o jantar – a comida é muito boa, seu terraço fica literalmente sobre o mar, tem vista para a praia e o píer, e o staff todo é simplesmente adorável. Durante o dia, quando a maré baixa, o hotel tem também serviço de beach club. Dá pra ler minha review completinha sobre o hotel Malibu Beach Inn aqui.

Malibu, que sempre foi point de surfistas, mudou de vocação na última década. Quer dizer, os surfistas ainda estão todos lá, e são muitos, principalmente na Surfrider Beach. Mas o destino hoje recebe todo tipo de visitante, de adolescentes a idosos, de hipsters a enoturistas. Como eu queria conhecer principalmente esse lado vinícola de Malibu desta vez, resolvei ficar ali sem carro e foi outra decisão super acertada: Uber funciona super bem e há imensa oferta de tours por Malibu e seus arredores – e o hotel, para ajudar, ainda fica em plena Pacific Coast Highway. Para os transfers hotel-aeroporto utilizei o sempre correto serviço da Blacklane, que opera no mundo todo.

Em Malibu e região, os passeios que mais gostei foram os oferecidos pela Malibu Discovery, uma empresa boutique local que tem diversos itinerários diferentes na região, sempre voltados para pequenos grupos ou tours privativos mesmo. O melhor foi um day tour que incluiu visitas a vinícolas da região passando pelas belezas do Malibu Creek, as locações de cinema do Paramount Ranch e algumas praias (a paisagem é sempre incrivelmente linda, mas em vários trechos os danos dos terríveis incêndios do ano passado são bem evidentes). Há ótimas vinícolas no Creek e vale provar.

Malibu também é destino para fãs de enoturismo. Foto: Mari Campos

No tour, almoço com bebida no charmoso The Sunset (que recebeu Marilyn Monroe e JFK em outros tempos, e hoje é um descolado bistrozinho à beira mar) e degustações dos vinhos nas visitas às vinícolas estão sempre incluídos – achei um ótimo custoXbenefício no final das contas, principalmente se comparado a outros tours oferecidos por lá. E guia ótimo!

Além da praia do hotel mesmo, gostei muito de Zuma Beach, com seus mais de 2km de areias branquinhas e boa infra (vários restaurantes do outro lado da PCH, ótimos banheiros públicos com chuveiros e bastante estacionamento). Apesar da água gélida, o cenário era bem gostoso durante a semana e ainda tive a sorte de testemunhar um grupo de golfinhos sem divertindo bem próximos à faixa de areia.

Aproveitei também para visitar Cornell, um minúsculo vilarejo no Creek que parece (e é!) cenário de filme de velho oeste. Ali vale a pena conhecer o restaurantezinho homônimo, que tem jeito de taverna mas é bem gostosinho – nos finais de semana, é mandatório reservar. Há muitas opções mais interessantes para fazer compras nos arredores, mas shopaholics compulsivos podem se entreter no mini mall ao ar livre Malibu Country Mart. E até o sempre delicioso Malibu Pier está com pop up stores, boas nem que seja para passar o tempo enquanto espera pela mesa no sempre disputado Malibu Farm.  Para comer ali pertinho, apesar dos preços ultra-inflacionados, o Nobu é também sempre boa opção. Fãs de hiking ainda podem colocar a bela rota do Corral Canyon Park/Sara Wan Trailhead ou o passeio ao Point Dume Nature Preserve (onde, com sorte, dá pra ver baleias e golfinhos) na listinha.

Pois é, Malibu está mesmo cada vez melhor.