Classe executiva à moda árabe

Classe executiva à moda árabe

Mari Campos

14 de outubro de 2019 | 19h15

Estamos carecas de saber que, quando se fala de classe executiva, as companhias asiáticas e do Oriente Médio dão mesmo um banho em todas as outras. Passam-se os anos mas a diferença de conforto e de serviços segue sendo realmente impressionantes!

Em setembro passado, em uma viagem de férias às Maldivas (quem quiser acompanhar os Stories da viagem, os principais estão salvos nos destaques do meu instagram @maricampos) tive o prazer de, enfim, voar na classe executiva mais premiada do mundo: a da Qatar Airways. No total, foram quatro voos (GRU-DIA, DIA-MLE, MLE-DIA, DIA-GRU) em quatro aeronaves diferentes, e curiosamente todas elas com classes executivas diferentes. O grande destaque, é claro, ficou para o trecho Guarulhos-Doha, que contou com a incomparável Qsuite, considerada merecidamente a melhor classe executiva do mundo.

A cabine da premiada Qsuite da Qatar Airways. Foto: Mari Campos.

A Qsuite da Qatar Airways é parte do conceito da companhia entitulado “First in Business”, que tenta levar o mesmo conforto e requinte da primeira classe a passageiros da classe executiva, principalmente em voos de longa duração. Não são todas as aeronaves da frota da Qatar que estão equipadas com as Qsuites, mas a maioria dos aviões que operam a rota entre São Paulo e Doha estão entre os felizardos (dá pra ver todos os serviços e facilidades das Qsuites aqui).

As Qsuites são mesmo espetaculares. O layout é 1-2-1, mas com uma espécie de micro cabine individual dentro da aeronave, com porta para o corredor que pode ser aberta ou fechada pelo passageiro a qualquer hora, garantindo mais privacidade que qualquer outro assento de classe executiva disponível no mercado.  As poltronas do meio podem ter assentos conjugados para casais ou até famílias de 4 pessoas voarem juntas.  Vale lembrar que estes assentos que podem ser transformados em “cama de casal” para passageiros que assim o desejem são voltados para o fundo da aeronave, fazendo que para os mesmos pouso e decolagem sejam feitos “de costas”.

Detalhe da premiada Qsuite da Qatar. Foto: Mari Campos.

As cabines são extremamente confortáveis e eficientes, com diversas entradas USB, diferentes tomadas universais, acesso rápido a posições pré-estabelecidas das poltronas (que podem ser customizadas, é claro), joystick touchscreen e tela extra independente no controle de mão, que permite que a gente tenha acesso a duas programações ao mesmo tempo (filme na tela grande e mapa do voo no handset, por exemplo). A mesinha tem tamanho excelente e pode ficar bastante ampla para a hora das refeições, e há espaço para guardar tudo (inclusive notebook) em compartimentos de diferentes tamanhos e funcionalidades espalhados pela cabine.

A poltrona vira flat bed, deitando completamente, e todo passageiro recebe kit com protetor de colchão, edredom de excelente qualidade, dois travesseiros, pijama The White Company e pantufas. O kit de amenidades, que já levou a marca de Giorgio Armani, hoje vem em uma necessaire de couro elegante com produtos Bric’s. Além dos produtos da necessaire, escovas de dente, pasta, água termal e lâminas de barbear ficam à disposição dos passageiros nos banheiros.

Serviço primoroso e refeições caprichadas a qualquer hora do voo na classe executiva da Qatar. Foto: Mari Campos

E o serviço da Qatar é mesmo excelente em todos os níveis. Ainda em solo oferecem bebidas e toalha umedecida que pode ser quente ou fria. As refeições conta com extensa carta de alimentos e bebidas (incluindo coquetéis elaborados à bordo) e pode ser consumida em qualquer ordem e a qualquer momento. O serviço “Dine on Demand” da Qatar permite que cada passageiro consuma itens de café da manhã, lanche, almoço ou jantar na ordem e na hora que vem entender – o que ajuda MUITO a minimizar os efeitos de quem sofre muito com jetlag.

As refeições foram todas muito boas (com destaque para as sopas, sempre excelentes!), em todos os voos, e a carta de vinhos bem interessante também. Faltou apenas experimentar o famoso bar da Qatar, que não existe nos voos de e para São Paulo, já que está instalado apenas nos A380. Mas o voo contou com internet de excelente qualidade (apesar de falhar momentaneamente sobre alguns países), ao custo de 10 dólares pelo voo todo (a primeira hora é gratuita para todos os passageiros, em todos os voos), e o um irrepreensível sistema de entretenimento, com fartura de filmes, séries e jogos para assistir.  De longe, a melhor classe executiva na qual já voei.

Detalhe da classe executiva da Qatar no voo Doha-Male. Foto: Mari Campos

Nos demais voos da viagem, apesar de voar em executiva, não tive a sorte de pegar a Qsuite novamente mas contei sempre com bastante conforto e ótimo serviço. As conexões em Doha também foram excelentes, muito práticas. Os voos dos trechos ida e volta Doha-Male foram em aeronaves B787-800 e A350-900, com a classe executiva no formato 1-2-1 (o famoso “espinha de peixe”), em que todos os passageiros têm acesso imediato ao corredor. Apesar dos menus bem mais enxutos pelo voo ser curto, também contavam com serviço “dine on demand”, podendo comer o que e quando quiser, e ótimo serviço em geral. Estas aeronaves têm um pequeno bar a bordo no “meio” ou  na parte final da classe executiva mas, como os meus voos nestas aeronaves foram razoavelmente curtos (5h), o bar não foi ativado durante os mesmos.

No trecho de volta, Doha-São Paulo, por um problema mecânico na aeronave original, infelizmente voamos em um A330 mais antigo, sem Qsuite e com configuração antiga 2-2-2 na executiva. As poltronas também viraram flatbed e o serviço completo foi idêntico, do “dine on demand” aos kits para dormir com pijama e pantufas. Neste caso, recomendo fortemente quem viaja sozinho reservar seu lugar nos assentos “do meio” para garantir tanto acesso imediato ao corredor como também evitar que seu companheiro de assento fique “pulando” você enquanto você tenta dormir durante o voo.

O famoso “giant bear” do aeroporto de Doha. Foto: Mari Campos

Para todos os voos com conexão no Qatar, passageiros em classe executiva ou status elite na OneWorld contam com filas preferenciais nos raio-X e sala vip – e o aeroporto de Doha tem ótima infra-estrutura para quem viaja em econômica também, com diversas opções para alimentação e entretenimento. Como minhas conexões não foram muito longas, não tive a chance de utilizar os serviços de vistos gratuitos e serviços a preços promocionais da companhia para quem tiver escala superior a 5h (dá pra conferir mais detalhes sobre estes serviços aqui). Há opções bem interessantes, sobretudo para quem tem escalas com pelo menos 12 horas ou faz escalas durante o dia.

No geral, excelente experiência nos quatro voos com a Qatar, do embarque ao desembarque, e em voos quase sempre bastante pontuais (só experimentei atraso na saída para o Brasil, mas sem que prejudicasse minha conexão).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.