Classe executiva com sotaque francês

Classe executiva com sotaque francês

Mari Campos

30 de março de 2019 | 11h27

Discordo muito do mito “classe executiva é sempre boa”. É óbvio que viajar em executiva é sempre mais confortável e agradável que viajar em econômica, sobretudo dada a maneira cada vez menos cortês (para ser educada) com que as companhias aéreas tratam os passageiros na econômica. E tinha mesmo que ser, dada também a diferença imensa de valores para voar nas duas classes. E claro que tudo depende muito da companhia, da duração de voo etc, mas já peguei classe executiva que não tinha sequer poltrona diferente em um voo de sete horas – apenas bloqueavam a poltrona do meio entre cada dois passageiros. Também nunca me conformei com companhias que em pleno 2019 ainda possuem, mesmo com belas poltronas,  o famigerado “assento do meio” na executiva (e que não são poucas nas Américas).

Então em termos de fazer jus ao que uma passagem em executiva vale hoje em dia, ouso dizer que são poucas as companhias aéreas do mundo que fazem realmente um bom trabalho na chamada business class (um nicho no qual, convenhamos, as companhias asiáticas e do Oriente Médio ainda não são páreo para ninguém).

Detalhe da nova poltrona da Business Class da Air France. Foto: Divulgação.

Das Europeias, uma empresa que sempre teve uma postura correta- e em todas as classes, na minha opinião – foi a Air France, empresa com a qual tive a oportunidade de voar novamente neste último mês na classe executiva desde São Paulo com destino a Paris. O avião (um Boeing 777-200 com as classes Business, Premium Economy e Economy) estava equipado com as novas poltronas da classe executiva (disponíveis também nos voos saindo do Rio de Janeiro),  parte do projeto Best & Beyond da companhia, focado em conforto à bordo.

Com design de Mark Collins, a poltrona se transformou em uma cama de 180 graus e quase dois metros de comprimento na hora de dormir (aliás, ótimos edredom e travesseiro), tinha curvas que proporcionavam certa privacidade em relação aos outros passageiros e tinha acesso direto ao corredor para todos os passageiros. A mesinha grande e ajustável funcionou bem tanto na hora das refeições como para abrir o notebook e trabalhar – como há também uma mesinha lateral integrada à poltrona, há sempre bastante espaço disponível.

Aliás, o que eu mais gostei da poltrona foram os diversos espaços multi-uso para armazenamento acoplados, já pensados para tudo: sapatos, bolsa, notebook, necessaire, celular, cabos… Consegui, quando quis, deixar tudo guardadinho, e, ainda assim, bem “à mão” para quando precisasse. E muitas entradas diferentes para tomada, USB etc.

Foto: Divulgação

A tela de 16 polegadas tinha boa sensibilidade ao toque e 12 opções de idiomas como interface, para ninguém se sentir perdido – mas confesso que achei a quantidade de opções de novos filmes para assistir à bordo bastante limitada em comparação com outras companhias aéreas (por outro lado, excelente menu de filmes franceses, é claro).  O dispositivo de mão permite que a gente veja duas coisas diferentes nas duas telas, tipo filme na tela grande e o trajeto do voo na pequenininha.

Os menus do jantar e do café da manhã foram muito frescos e saborosos, com curadoria da chef Anne-Sophie Pic, 7 estrelas Michelin (a partir de abril, os próximos chefs a colaborarem com os menus da businessa da Air France são Arnaud Lallement, Guy Martin e Michel Roth, todos também estrelados). A carta de vinhos era enxuta mas muito bem selecionada, do champagne aos digestivos (dizem, aliás, que anualmente são servidas mais de 800 MIL garrafas de vinho nas cabines La Première e Business da companhia, além de 750 mil garrafas de champagne). E no meio do voo há chocolates e docinhos da Fauchon à disposição na área de serviço.

Foto: Mari Campos

 

A necéssaire que recebi, comemorativa aos 85 anos da companhia, é bem menos charmosa que a habitual, com design bem mais simplista – mas se converte em um belo objeto de colecionador para fãs de aviação (e vem com as mesmas miniaturas multi-hidratantes da Clarins de sempre). E o serviço, é claro, foi bastante  atencioso e correto o tempo todo.

 

 

Dando um upgrade na classes econômicas

 

Outra coisa que testei recentemente em voos da Air France foi como dar um certo upgrade nas viagens em classe econômica e Premium Economy.  A opção mais simples e eficiente é optar pelo serviço de refeições à la carte. Os Menus à la Carte* estão disponíveis para reservas nos voos de longa duração e podem ser reservados, por valores de 15 a 28 euros cada, desde o ato da compra da passsagem até 24h antes do voo, no espaço  “suas reservas” do site da Air France. São menus completos, bastante diferenciados em relação à refeição servida gratuitamente à bordo (dá pra conferir as opções específicas para o seu voo no site deles).

Optei pelo Menu Lenôtre (agora Menu Fauchon, a partir deste abril, 28 euros cada) e fiquei bastante satisfeita. A refeição veio em embalagem especial, com utensilios diferenciados em relação aos tradicionalmente usados na classe econômica – incluindo taça de vidro, talheres de inox e guardanapo de linho. As porções são generosas e bem saborosas em cada um dos passos (salada, prato principal, prato de queijos e sobremesa); incluindo chocolatinhos para terminar.

Foto: Mari Campos

Dica importante: os menus à la carte são entregues aos passageiros antes da passagem do carrinho de bebidas e refeições pelos corredores. Assim, é importante já solicitar, assim que receber seu menu, que bebidas deseja. Do contrário, como o carrinho de bebida segue uma ordem pre-determinada pelo corredor, dependendo de onde estiver sentado, você corre o risco de degustar a sua refeição todinha sem bebidas.

 

 

 

Upgrades são bem-vindos

 

Em tempo: sempre fui (e continuo sendo) uma grande defensora de usarmos nossas milhas para emitir passagens em classe executiva ou para fazer upgrades da econômica para a business – acho que não existe melhor relação custoXbenefício para elas. Explico meus porquês e ensino como usar suas milhas para voar em executiva aqui e dou mais umas diquinhas relacionadas ao tema aqui.