Comer e beber em Salvador

Comer e beber em Salvador

Mari Campos

01 de março de 2020 | 10h36

O giro pelo sul da Bahia foi tão bom em janeiro passado que não resisti: à primeira oferta de passagem aérea para Salvador que vi, minha reação imediata foi compra-la. E passei 3 dias perfeitinhos nesta cidade que só melhora!

O roteirinho completinho, que cabe bem em qualquer escapada de final de semana, eu publicarei em breve no MariCampos.com. A hospedagem redondinha ficou por conta do excelente Fasano Salvador, a mais nova propriedade do grupo, membro do portfólio da BLTA (Brazilian Luxury Travel Association) e também da Leading Hotels of the World.

O rooftop imbatível do Fasano Salvador. Foto: Mari Campos

Serviço impecável, quartos super confortáveis, excelente café da manhã (aberto também a não hóspedes!), localizado a passos do mirante do Elevador Lacerda e do Pelourinho e com uma vista matadora da rooftop pool mais bonita da cidade.

Por hora, deixo aqui os melhores pratos e melhores drinks degustados nesta última visita; afinal, foram muitas as aventuras gastronômicas e etílicas nestes três dias de pré-Carnaval. E muitas das grandes surpresas gastronômicas da cidade continuam abrindo suas portas no Rio Vermelho, que se converte cada vez mais em um pólo gastronômico em Salvador.

Jabu. Este novíssimo restaurante no Rio Vermelho (abriu no dia de Iemanjá!) traz todo o talento do chef francês  Aurélien Roche em pratos deliciosamente criativos, com ingredientes bem brasileiros. A casa traz carta com preços mais paulistanos (inclusive para os ótimos drinks), mas tem promoções muito interessantes e bastante acessíveis na happy hour e no almoço de domingo (a 70 reais o menu de dois passos com caipirinha e café).

Sobremesa do Jabu. Foto: Mari Campos

Sagaz Assador.  Também no Rio Vermelho, o restaurante tem uma carta excelente para fãs de cortes caprichados de carnes, mas também para fãs de deliciosas tapas espanholas, incluindo opções vegetarianas. Vá sem medo nos pimientos, nas patatas bravas e no delicioso pulpo. Os coquetéis da casa também são bastante criativos e há boa carta de vinhos.

Bons drinks no Sagaz Assador. Foto: Mari Campos

Dona Mariquita. O restaurante mais gostoso da minha Salvador tem como proposta resgatar as comidas típicas regionais servidas nas feiras livres da Bahia, comida de rua, cheia de sabor e essência. Ali a genial chef Leila Cordeiro nos leva através de seus pratos por uma deliciosa viagem às origens da comida baiana, com moquecas, mariscos, sementes e folhas, mesclando as influências indígenas, africana e sertaneja em seus pratos.  Leila é também pioneira na criação de deliciosas sobremesas à base de fava de aridam, que começa a virar moda entre outros chefs (foi ela que descobriu que dava para ralar a fava e utilizar em pudins, por exemplo). Sua caipirinha de tamarindo também é imbatível! Atendimento relax e ambiente super descontraído para um longo almoço.

Impecável moqueca do Dona Mariquita. Foto: Mari Campos

Le Glacier Laporte. Para aplacar o calor baiano durante as andanças pelo Pelourinho (a visita ao museu da Casa de Misericórdia, por exemplo, é imperdível!) nada melhor que provar os sorvetes artesanais desta pequena sorveteria em pleno largo do Pelourinho. Há diversos sabores (R$9 a bola), de frutas tropicais a chocolate, além de algumas misturas exclusivas da casa, como Lúcuma e Gengibre.

Rooftop Fera Palace Hotel. Embora geralmente restrito exclusivamente aos hóspedes do hotel boutique na entrada do Pelourinho, o rooftop do descolado Fera Palace abre suas portas aos visitantes uma vez ao mês durante suas Sunset Sessions. Com espreguiçadeiras, beach beds e ótima playlist, o local recebe moradores, hóspedes e turistas para saborosos drinks ao redor da piscina, com vista panorâmica para a Baía de Todos os Santos.

Drinks com vista nas Sunset Sessions do Fera Palace. Foto: Mari Campos

Hidden Salvador. Talvez a mais gostosa novidade do verão de 2020, o Hidden Salvador é um bar pop up que funciona somente até final de abril bem em frente ao Fera Palace Hotel. Apenas uma bandeira sinalizada a entrada do bar, que tem jeito de secreto, sem nome na porta nem nada. A gente entra por um portãozinho lateral e só então percebe os variados espaços entre mercado, bar, lounges e terraço. Ali cada um compra suas bebidas e petiscos como em um mercado, direto das geladeiras e prateleiras. O local fornece baldes de gelo para as bebidas (há vinho, espumante, cervejas artesanais etc) e monta belas tábuas com os comes (frios, queijos, pães, patês etc). A casa cobra R$30 reais de couvert artístico e oferece três shows durante a noite: uma banda ao por-do-sol, uma banda no começo da noite, e DJ tarde da noite. A grande pedida é chegar cedo e sentar nas mesas comunitárias da varanda, com vista para a Baía de Todos os Santos, e ver o por-do-sol literalmente de camarote, entre bons drinks e boa música.

Como eu disse várias vezes lá no meu instagram, Salvador só melhora!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.