Dior em deliciosa overdose em Londres

Dior em deliciosa overdose em Londres

Mari Campos

07 de março de 2019 | 16h48

Detalhe do prêt-à-portea Dior do The Berkeley. Foto: Mari Campos

Depois de passar por Paris entre 2017 e 2018, a incrível mostra “Christian Dior: Designer of Dreams” finalmente chegou a Londres neste 2019 – e maior do que nunca. Hospedada no sempre imperdível Victoria&Albert Museum (pelo acervo precioso e por receber sempre as mais geniais exibições temporárias), a exposição traz algumas das mais bonitas e icônicas peças da marca com os sete criadores (Christian Dior, Yves Saint Laurent, Marc Bohan, Gianfranco Ferre, John Galliano, Raf Simons, Maria Grazia Chiuri) que estiveram à frente da casa nestes mais de 70 anos.

A mostra enfatiza como cada um dos criadores da casa influenciou as peças Dior ao longo do tempo (desde 1947), do romântico vestido que a princesa Margaret usou no seu 21o. aniversário ao longo tomado de cristais Swarovski que Charlize Theron usou na campanha do perfume J’Adore.  Com salas genialmente projetadas para contar a evolução da marca e da moda em geral, é uma mostra didática como poucas e torna o passeio pelas salas e peças uma jornada interessante até para quem diz não se interessar por moda. Uma das salas mais espetaculares conta com diferentes efeitos de iluminação, mostrando como a luz interfere (e muito!) em cada peça.

Uma das salas da excepcional mostra no Victoria&Albert. Foto: Mari Campos

Além de ser um programão turístico por si só, a mostra do V&A andou mexendo com a hotelaria em geral da cidade. Para começar, como está esgotada em muitas datas, alguns hotéis passaram a oferecer “pacotes” especiais de estadia incluindo um par de ingressos dentre os benefícios. Outros, criaram experiências bem boladas em gastronomia e mixologia, abertas também para não-hóspedes – o que é, convenhamos, bem mais interessante.

A melhor sacada ficou por conta do sempre criativo The Berkeley, que há anos lança diferentes “coleções” de seu chá da tarde prêt-à-portea. A atual edição é inspirada na exposição de Dior no V&A e o menu preparado pelo chef Mourad Khiat transformou magistralmente as lendárias peças de Dior em tortas, bolos e outros docinhos.  As criações adoráveis e inteiramente comestíveis reproduzemas peças mais icônicas da marca, como a Lady Dior handbag dada pela esposa de Chirac à princesa Diana (em versão bolo red velvet), o Miss Dior Eau de Parfum (com sabor de lichia e framboesa) e o inconfundível Dior Bar Suit (em versão biscoito com cobertura). As delícias doces, em mais de oito variedades diferentes, vêm acompanhadas de deliciosos sanduichinhos típicos de chá da tarde e outras delícias salgadas.  O prêt-à-portea Dior  é servido diariamente no Collins Room do hotel por 58 libras (com menu de chás incluído, é claro) e reservar é preciso.

Os drinks criados pelo bar do The May Fair Hotel por causa da exposição. Foto: Mari Campos

Já o The May Fair Hotel apostou em um programa mais adulto: criou um menu de drinks temporário para homenagear a marca e a exposição. Famoso reduto de fashionistas durante as fashion weeks londrinas, o bar do Mayfair criou três diferentes coquetéis inspirados em três dos vestidos mais celebrados pela exposição.  Batizados de ‘Écarlate’ (vodca, infusão de goiaba e hibisco, licor Solerno blood orange, Cocchi Americano Rosa e tônica), ‘Pérou’ (Hennessy, Moët & Chandon Brut, mel e limão) e ‘Soirée de décember’ (vodca, Aperol, kalamansi, laranja, clara de ovo e uma dose mais generosa de carvão do que eu gostaria), os drinks podem ser servidos isoladamente (16 libras por drink) ou em formato “flight”, com os três coquetéis elegantemente dispostos sobre uma base de madeira criadas especialmente para a ocasião (45 libras). Em princípio, os drinks criados especialmente para a mostra serão servidos somente até dia 30 de março no bar do hotel; mas, como a duração da exposição acaba de ser estendida até 10 de setembro, é bem provável que o menu especial também o seja.

Em tempo: nesta viagem fiquei hospedada no excelente The Beaumont Hotel, em Mayfair (parte da coleção da Preferred Hotel, e talvez o hotel com o melhor serviço que eu já tenha visto em Londres), e ainda falarei bastante sobre ele por aqui (um tremendo, tremendo hotel). Também aproveitei para usar os serviços de transfer privativo entre aeroporto e hotel da Blacklane e gostei muito. Eu já tinha usado e aprovado a empresa tanto na Rússia quanto na França no ano passado e achei o serviço igualmente profissional e certeiro em Londres também.

Dá pra ter mais informações sobre Londres no site do Visit Britain e também lá no meu MariCampos.com.