ILTM Cannes 2018 e o foco no bem-estar

ILTM Cannes 2018 e o foco no bem-estar

Mari Campos

08 Dezembro 2018 | 16h48

A elite do turismo de luxo internacional se encontrou em Cannes essa semana. Foto: Mari Campos


Aconteceu nesta semana, em Cannes, a ILTM Cannes 2018, a maior e mais importante feira de turismo de luxo do mundo.  E fui convidada, levada até lá pela Air France,  para conferir in loco os balanços do setor sobre o ano que termina e as principais novidades que a indústria do turismo de luxo prepara para 2019.

Reunida no Palais des Festivals de Cannes durante quatro dias, a elite do turismo de luxo mundial debateu longevidade, bem-estar e qualidade de vida aplicados ao setor – como inserir mudanças no próprio dia-a-dia dos profissionais da área, mas também, e principalmente, como transformar o tema em negócio e aplica-lo diretamente na hotelaria e no universo turístico. 

Segundo estudo da Global Wellness Summit, ligada à rede de hotéis Six Senses, dos 4,2 trilhões de dólares movimentados anualmente pela indústria do bem-estar, quase 640 milhões são oriundos do turismo. O estudo também apontou que os gastos no turismo de bem-estar crescem duas vezes mais rápido que os do turismo em geral, com cerca de 25% dos turistas já viajando em busca de conforto e bem-estar.

Em pauta, discussões sobre as novidades e tendências do turismo de luxo para 2019. Foto: Mari Campos

No mercado hoteleiro, a própria Six Senses, por exemplo, leva a sério a qualidade do sono e da alimentação de seus hóspedes, investindo pesado em ambientação favorável ao sono e menus diversificados (e muito saudáveis) para diferentes tipos de viajantes. Está lançando agora um aplicativo gratuito chamado “Timeshifter” que pretende ajudar a minimizar os efeitos do jetlag nos viajantes. Dormir bem também é coisa série em redes hoteleiras como Four Seasons e marcas como Sofitel, que passaram anos estudando a melhor forma de oferecer “a cama perfeita” para seus hóspedes. Alimentação saudável e sono reparador, aliás, são parte fundamental das propriedades da Great Plains Foundation (que testei recentemente e sobre a qual vou explicar melhor na próxima coluna!) desde sua fundação. 

Com o slogan “moments that matter”, também discutiu-se amplamente durante a ILTM Cannes o conceito de “viagens transformadoras”, a grande tônica do mercado atualmente.  Afinal, os viajantes do segmento de luxo estão cada vez mais sofisticados e perspicazes, e de fato deixaram de ser simplesmente expectadores nos destinos visitados – querem consumir viagens com propósitos, se hospedar em hotéis que foquem em sustentabilidade, consumir produtos de operadores que contribuam com comunidades locais etc.  Dados do Skift Report 2018 mostram que 51,7% dos viajantes deste mercado viajam também para ganhar novas perspectivas, 43,5% para aprender algo novo e 30,3% para ter momentos pessoais de reflexão.

Crédito: Wilderness Safaris

Os estudos do setor mostram que viajar virou, para muita gente, parte do estilo de vida – ou seja, cada vez mais um pouco da essência dos próprios viajantes, já que muitos defendem que suas viagens os definem muito melhor que o próprio local de onde vêm, com as viagens desempenhando também papel importantíssimo na educação dos filhos.  E  importante: estão dispostos, mais do que nunca, a pagar mais pela customização de suas experiências de viagem.

Levantamentos da Virtuoso apresentados durante a feira mostraram que 75% dos viajantes de luxo sentem uma certa relação pessoal com as marcas às quais são leais e estão finalmente levando a ideia da “meaningful brand consumption” (consumo consciente) também na hora das escolhas de viagem. Operadores, marcas e redes hoteleiras que demorarem para entrar na onda certamente ficarão para trás muito em breve.