Os melhores safáris da África do Sul

Os melhores safáris da África do Sul

Mari Campos

20 Agosto 2018 | 08h25

Para mim, poucas experiências de viagem se comparam à sensação de fazer um bom safári. Sou apaixonada  pelo tema e já fiz safáris de diversos tipos, em diversos países. Mas, até hoje, ainda não encontrei nada tão excitante e prazeroso quanto os safáris sul-africanos. Sou do tipo que ama mesmo os safáris à moda antiga, saindo antes do amanhecer ou no finalzinho da tarde, carro aberto, vento batendo na cara, trekker com as pernas expostas, apontando os rastros para o ranger.

Em muitas viagens diferentes à África do Sul (um dos meus países favoritos),  já tive o prazer de fazer safáris em diferentes cantos (do Kruger à Garden Route) e tiro o meu chapéu para propriedades como Royal Malewane, Thornybush, Tintswalo e Sabi Sabi, meus favoritos (clique aqui para ver minhas recomendações de lodges de diferentes preços e em diferentes áreas da África do Sul). Lodges simplesmente impecáveis, irrepreensíveis dos quartos à gastronomia, e responsáveis por algumas das melhores experiências de viagem que eu já tive na vida. Ver bebês elefantes tomando brincando em vertedouros d’agua bem diante da minha mesa do café da manhã,  ter o carro de safári rodeado por uma família inteira de leões, ver búfalos descansando sob uma árvore de amarula, hipopótamos lagarteando no açude, hienas perseguindo um pobre pumba, leões acasalando, dois rinocerontes macho lutando, uma mãe-leopardo cuidando de seus filhotinhos, leões matando um búfalo bem à minha frente… e tudo isso convivendo com personagens interessantíssimos (os trekkers são sempre meus favoritos em qualquer viagem!), testemunhando os mais belos finais de tarde (o por-do-sol na savana africana é imbatível pra mim) e dormindo todas as noites sob um dos mais incrivelmente estrelados céus do meu mundo.

Por eu fazer tantos safáris e falar sempre tanto deles, meu blog-pessoa-física MariCampos.com virou também um referencial importante para quem cai no Google prestes a fazer seu primeiro safári, com várias reviews de lodges, dicas para escolher o seu e vários posts explicando coisas importantes para a experiência do safári em si, como a diferença entre game reserve e game farm (dá pra ler tudo clicando aqui). E ultimamente, com tantas promoções de voos para a África do Sul (incluindo voos em classe executiva a menos de mil dólares!), muitos leitores aqui do Sala Vip pediram que eu trouxesse também para cá minhas dicas para quem quer escolher um dos melhores safáris da África do Sul para sua próxima viagem.


Eu sempre digo: as palavras “safári” e “barato” nunca caminharam juntas – lodges de safári representam mesmo um investimento considerável em qualquer viagem. E a verdade é que os lodges de luxo valem mesmo cada centavo do investimento – pelas acomodações incríveis, pelo staff adorável, pelo serviço impecável e, como sempre escolhem reservas isoladas e fartas em vida selvagem para se instalar, pelas experiências sem paralelo no avistamento de vida selvagem.

A África do Sul não é à toa o país campeão no quesito grandes lodges de safári. Há exemplares ainda mais luxuosos e incríveis em destinos como Tanzânia e Botswana, por exemplo, mas a África do Sul foi o primeiro destino a investir pesado neste filão – e seus lodges inspiraram tantos outros, em tantas outras partes do mundo. Até porque, convenhamos, numa mesma viagem a gente tem não apenas a experiência sem igual do safári, como também grandes experiências urbanas, de praia, de enoturismo e tantas outras.

Na hora de escolher o lodge em si, acho importante ter em mente também outros fatores que são, sim, importantes para a experiência geral do safári:

  • vida selvagem. Quem faz safári, é indiscutível, quer ver um bom número e uma bela diversidade de animais durante a experiência. Na minha opinião, o tipo de contato que a gente tem com a vida selvagem é mais importante que ver os Big 5 – até porque, gosto é gosto, e muita gente sonha mais em ver girafas que búfalos. Lodges instalados em reservas ou grandes parques nacionais oferecem mesmo uma chance muito maior de avistamento de vida selvagem de verdade, e com mais fartura de espécies e encontros, que lodges em  game farms.
  • staff. O staff de um lodge é seu item mais importante. Claro que a qualidade da cama, do chuveiro e da comida importam. Mas a qualidade de rangers, trekkers e funcionários em geral e a conexão que eles são capazes de estabelecer com os hóspedes é o que faz, no fundo, a nossa experiência ali ser incrível ou não. Além disso, contar um bom ranger nas suas saídas de safári é fundamental, tanto pelo quesito conhecimento (o que ele vai te ensinar, mostrar) quanto pelo quesito confiança/segurança (o quão seguro e confiante você estará sendo conduzido por ele pelas savanas). Na minha opinião, ter um trekker no safári também é fundamental. Eles conhecem a savana como a palma de suas mãos e são capazes de identificar rastros e animais a uma distância impressionante, muito mais que o melhor dos rangers.
  • isolamento. Quanto mais remotas e selvagens as áreas escolhidas para os safáris, mais memoráveis costumam ser as experiências, tanto pelas paisagens em si quanto pela variedade de fauna e flora (de novo: as game reserves são bastante superiores que as game farms). Quartos isolados uns dos outros também fazem a diferença: não só garantem a privacidade dos hóspedes como nos dão mesmo a sensação de estar sós no meio daquela natureza selvagem toda.
  • flexibilidade. É importantíssimo que o ranger tenha flexibilidade ao guiar os safáris para proporcionar sempre a melhor experiência possível para os hóspedes. O que quer dizer, por exemplo, poder percorrer longas distâncias para encontrar um leopardo, mesmo que os hóspedes cheguem atrasados para o café da manhã. Os melhores safáris têm hora certinha para a saída mas têm apenas horário estimado para o retorno.
  • qualidade. Já que a gente tem que investir um bom dinheiro nessa experiência, que seja em um quarto caprichado, com gastronomia de primeira e com staff treinado e capacitado para fazer os melhores safáris possíveis.
  • exclusividade. nem estou falando aqui de mimos, piscina privativa, mordomo, nem nada do gênero. Mas é fato que a quantidade de pessoas no seu lodge e no seu carro de safári pode, sim, interferir na sua experiência. Poder aproveitar um safári inteirinho em um carro com no máximo oito pessoas é muito diferente de fazer um safári em 20 pessoas. O contato com a natureza é sentido de forma mais intensa e a própria interação com os outros hóspedes é melhor. Sem falar que, nas savanas, silêncio também pode ser moeda de ouro na hora de encontrar e observar animais selvagens.

Repetindo: Tintswalo, Thornybush, Royal Malewane e Sabi Sabi eu recomendo do fundo do meu coração – as minhas demais recomendações de lodges no país vocês podem conferir neste link aqui.

Se você ainda não teve a experiência de um lodge de safári, aredite em mim: vale investir. Um belo safári vai te deixar nocauteado com tanta excitação e beleza e as memórias dele são mesmo inesquecíveis. Clique aqui para ler mais dicas minhas sobre esta experiência de viagem inesquecível e inigualável.