Ottawa aos bocados

Ottawa aos bocados

Mari Campos

17 Outubro 2018 | 21h31

 

O já famoso letreiro da área do Byward Market. Foto: Mari Campos


Ottawa é daquelas cidades gostosas, que cativam a gente de cara. Na primeira visita, eu não tinha pretensão nenhuma sobre ela – mas caí de amores já no segundo dia. Depois disso, cada vez que volto à capital canadense gosto mais ainda. Gosto da vibe (nem tão grande, nem tão pequena), dos ótimos restaurantes, das muitas áreas verdes, do mercado, dos museus incríveis. Nesta última ida ao Canadá, em setembro passado, tirei uma final de semana para voltar a Ottawa. O tempo estava friozinho, mesmo sendo ainda verão, mas os dias ensolarados e de céu muito azul, perfeitos para explorar a cidade.

Detalhe do Parlamento do Canadá, o prédio mais famoso de Ottawa. Foto: Mari Campos

Acho Ottawa antes de tudo uma cidade bonita – e um colírio para os olhos dos fãs de arquitetura, mesclando sem pudor castelos de inspiração francesa a arranha-céus ultra contemporâneos, por exemplo. Sem contar os edifícios do Parlamento do Canadá, dentre os mais bonitos do país (e com tour guiado grátis todos os dias, em vários horários). Quase ao lado, as belas eclusas de ByTown sobre o rio Ottawa (o primeiro patrimônio da cidade tombado pela Unesco) valem a espiada – com mais tempo, dá para apostar em um dos mini cruzeiros pelo canal Rideau e seu museu.

Ottawa é cidade perfeitinha para fãs de museus. Com pouco tempo na cidade, fica mesmo difícil decidir. Mas recomendo muito a incrível National Gallery, o Canadian Museum of History e o Canadian War Museum.  A Rideau House, que guarda a casa e os belíssimos jardins (em parte abertos ao público) do Governador Geral, o representante da Rainha no Canadá.

Detalhe da vista durante a visita ao Parlamento. Foto: Mari Campos

O grande filé do centro de Ottawa é seu ByWard Market – o mercado original de 1820 acabou batizando também seus arredores, cada vez mais tomados de bares e restaurantes. Vale visitar o interior do mercado e comer num de seus restaurantes de comida étnica, e também comprar frutas vermelhas fresquíssimas e maple syrup dos produtores locais que ficam na feirinha do lado de fora. Diversas empresas oferecem também tours gastronômicos pela região. Bons restaurantes por ali? Pizza na The Grand, sanduíche de rosbife no La Bottega, sorvetes da Piccolo Grande, cupcakes da Cupcake Lounge e até um BeaverTail original. Para jantar, adorei o Play Food & Wine, a duas quadras do mercado.  No final da tarde, suba no último andar do hotel Andaz, que tem o mais gostoso rooftop da cidade – bons drinks e a mais bonita vista da cidade lá do alto.

A vista escandalosa do rooftop do Andaz. Foto: Mari Campos

Mas Ottawa tem outros encantos cheios de personalidade. Chinatown é pequena e cheia de lojinhas e restaurantes de inspiração asiática. Downtwon Rideau ocupa mais de vinte quadras da Rideau Street e arredores recheadas de lojas.  A Sparks Street é a rua exclusiva para pedestres do centro da cidade, também cheia de lojas e restaurantes. O Quartier Vanier tem inspiração francesa em toda parte – e ótimos cafés.  Reserve tempo para caminhar ao menos um pouquinho por esses deliciosos bairros.

O charmoso lobby do Arc the Hotel, parte do portfolio da Preferred Hotels. Foto: Mari Campos

Hospedar-se em Downtown ou arredores do ByWard Market é essencial para curtir Ottawa sem stress. Recomendo muito o Arc The Hotel, onde me hospedei nessa última visita. O hotel é parte do portfólio da Preferred Hotels (que tem hoje mais de 700 hotéis e resorts afiliados no mundo inteiro).  O Arc The Hotel faz parte da coleção Lifestyle da Preferred e, com ambiente discreto e ótimo serviço, fica a apenas três quadras do Parlamento canadense – fiz absolutamente tudo à pé desta vez, inclusive as saídas noturnas. E o hotel tem ainda um gostoso bistrô focado em ingredientes orgânicos e locais, comandado pelo chef Andrew Willis.

Tem mais sobre o Arc The Hotel aqui e mais sobre minhas andanças no Canadá aqui.

Mais conteúdo sobre:

CanadáOttawaPreferred Hotels