Pandemia pode transformar o home office em road office

Pandemia pode transformar o home office em road office

Mari Campos

07 de agosto de 2020 | 22h29

Uma das expressões mais repetidas à exaustão durante a pandemia foi, inegavelmente, home office.  Repetiu-se tanto (e acabou gerando percalços pra tanta gente na execução da coisa em si) que algumas pessoas já pegaram até raiva da expressão.  Com a neverending quarentena no Brasil se extendendo já por cinco meses sem descanso, muita gente também já está no seu limite pessoal ao conjugar vida pessoal e profissional entre as mesmas quatro paredes de suas próprias casas há tanto tempo.  E é por isso mesmo que alguns especialistas do turismo acreditam que daqui pra frente, quando nossa curva finalmente começar a cair, o home office pode começar a ser devagarinho substituído por road office por muita gente.

Alternativas ao home office tradicional já tinham começado a aparecer ainda em maio passado, quando algumas propriedades em São Paulo transformaram seus quartos ociosos em escritórios que poderiam ser alugados por um dia, semana ou mesmo um mês. Primeiro foi a  rede Accor que apostou no conceito de room office em seus hotéis em São Paulo como opção de espaço de trabalho para quem estava tendo dificuldades para se adaptar ao home office durante a quarentena. Leia mais aqui sobre as opções de room office da Accor. Depois, outras propriedades independentes também começaram a apostar no mesmo modelo, como o pequeno Guest Urban, hotel também localizado em São Paulo e que também transformou seus quartos em escritórios para aluguel por diárias. Dá pra conhecer melhor o Guest Urban aqui. O modelo de room office continua funcionando em todas essas propriedades.

LEIA MAIS: 10 hotéis remotos no Brasil para praticar turismo de isolamento

A Accor lançou o conceito de Room Office para seus hotéis em São Paulo. Foto: divulgação

Mas, com o passar dos meses, os horizontes para o setor foram aos poucos se ampliando. Por muitos anos preceito dos famigerados “nômades digitais”, hoje, com tanta gente trabalhando há meses em home office, a chance de migrar para um “escritório na estrada” tornou-se possível para muito mais gente.  Como já comentei na última coluna, algumas pessoas já começaram a procurar o turismo de isolamento como uma forma de seguir em quarentena, sem abrir mão do distanciamento social, e continuar trabalhando remotamente – mas com a chance de passar um tempo fora de casa, em outro ambiente, renovando um pouco as energias. Clique aqui para ver destinos incríveis para praticar o turismo de isolamento

Alugar um imóvel isolado (com excelente conexão à internet, é claro, para seguir trabalhando sem problemas) permite ao viajante (de uma certa maneira) continuar zelando pela segurança da família (com todas as novas normas de higiene e descontaminação de produtos etc) praticamente dos mesmos moldes que zelava na sua casa. Mas tudo isso com uma nova vista, um novo entorno. Para quem mora em apartamento, essa escapada prolongada pode representar também uma maneira de ter mais contato com a natureza por algumas semanas sem abrir mão do isolamento e do distanciamento social.

Acompanhe a Mari Campos também no instagram

Algumas pessoas decidiram focar em hotéis para esse processo, em geral mais pela comodidade de dar um tempinho no acúmulo do trabalho e do cuidado com os filhos associado ao serviço de casa e ao preparo constante das refeições. De hotéis fazenda como o Dona Carolina, no interior de São Paulo, a propriedades de luxo como o Ponta dos Ganchos, em Santa Catarina, diversos hotéis recentemente reabertos já atendem este tipo de hóspede. Mesmo que não saiam do hotel em questão, alguns hóspedes desse tipo encontram certo conforto em saber que, por alguns dias, estarão dispensados de lidar com tarefas domésticas e preparo de refeições.

Clique aqui para ver hotéis no Brasil e no exterior para turismo de isolamento

A Armação de Búzios vista da Orla Bardot. Foto: Mari Campos

A agência Líder Corp, que trabalha com eventos corporativos, já começa a falar até em Resort Office. A ideia, neste caso, é que famílias inteiras se mudem provisoriamente para um resort para mudança de ares, de modo que pais continuem trabalhando remotamente e filhos continuem no ensino à distância, mas com tempo para também aproveitar um pouco a vida fora de casa – ainda que sem sair dos limites do hotel.  Resorts como Mavsa Resort (Cesário Lange), Sofitel Jequitimar (Guarujá), Hotel Fazenda Mazzaropi (Taubaté), Hotel Vila Inglesa (Campos do Jordão) e Tauá Grande Hotel Termas de Araxá (Araxá) são alguns dos que já estão reabertos e já começam a ver esse tipo de procura por parte de potenciais hóspedes. Você toparia?

LEIA MAIS: como ser um bom hóspede (e se manter em segurança) em tempos de pandemia

Clique aqui para ler mais sobre turismo em tempos de pandemia.

.

.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.