Tendências do turismo de luxo segundo a Traveller Made

Tendências do turismo de luxo segundo a Traveller Made

Mari Campos

04 de abril de 2019 | 09h41

Detalhe do hotel Villa Padierna, da Preferred Hotels, um dos mais luxuosos de Marbella – e que recebeu os jornalistas do mundo todo durante o The Essence of Luxury.

O universo do turismo de luxo dita tendências para todas as esferas do turismo, é fato. Tem sido assim já há algum tempo, e mais fortemente ainda nesta última década. Por isso mesmo os eventos do setor são tão importantes – mesmo para quem não se encaixa exatamente neste perfil de viajante, É desses eventos e ses estudos que saem tendências que se estabelecem fortemente na hotelaria, nos destinos, nas ofertas de experiências e no trabalho em geral de operadores e agentes de viagens ao desenharem itinerários para seus clientes.

Na semana passada, fui convidada a participar mais uma vez do evento The Essence of Luxury, da Traveller Made (a primeira rede internacional de networking para travel designers exclusivamente dedicada ao turismo de luxo,  cujas agências membro movimentam hoje mais de 2,5 bilhões de euros anuais). Depois de passagens por destinos diferentes na Suíça e na França nos últimos anos, o evento resolveu se estabelecer neste 2019 e nos próximos 3 anos na cidade de Marbella, no sul da Espanha, reunindo mais de 1000 profissionais do setor, entre operadores, hoteleiros, DMCs, agentes de viagem e, é claro, jornalistas especializados.

No evento deste ano, o fundador da Traveller Made, Quentin Desurmont, resolveu focar na construção de personalidade das maiores marcas de luxo, apresentando resultados de estudos que sugerem como isso pode ser aplicado diretamente a agências de viagem, agentes, hotéis e destinos. Segundo ele, as marcas vendem emoções, exatamente como as estadias em hotéis e os itinerários de viagem, e por isso construir propriamente a “personalidade” das maiores marcas de luxo do mercado do turismo é essencial. Segundo o estudo, na hotelaria ganham destaque as redes Aman e Belmond, que são as únicas marcas hoteleiras a figurarem entre as “top of mind brands” do mercado de luxo em geral, já internacionalmente reconhecidas como sinônimo de luxo.

No ano passado, o tema principal da conferência tinha sido a figura do haute villegiateur, termo criado pela Traveller Made para designar o turista de altíssimo padrão (do mercado de ultra luxo dos UHNWIs), como conto neste texto aqui. Pois neste 2019 Desurmont aproveitou para insistir na importância da constante criação de novas experiências e aspirações para estas viagens de haute façon e anunciou que criará agora uma Haute Villegiateur Collection, incluindo nela os melhores hotéis de luxo do mundo todo associados à Traveller Made.

Detalhe de um dos nove banheiros da Villa del Mar, do Marbella Club, uma das maiores e mais caras villas da Europa.

Agora que o mercado de luxo tem como “alvo” diferentes gerações (afinal, os millennials entraram com tudo nele), é preciso saber reconhecer as diferenças e criar experiências e aspirações compatíveis. “Ainda assim, as novas gerações de ultra ricos são semelhantes aos pais e buscam raridade e a idéia de único, exclusivo, em seus roteiros de viagem. Há uma busca cada vez maior por ‘experiências que o dinheiro não pode comprar'”, garante Desurmont.  E completa: “O mercado de viagens de luxo é uma fonte inesgotável de aprendizado das coisas mais belas da vida. Felizmente, os viajantes millennials estão convencidos que suas novas aventuras e explorações os ajudam a desenvolver suas próprias personalidades. Eles estão sempre muito mais inclinados a vivenciarem o luxo que a possuírem itens de luxo por si só”.

Os estudos apresentados no evento mostram que a quantidade de quartos em hotéis de luxo deve crescer cerca de 50% nos próximos 10 anos – e a gente vê mesmo que novos hotéis abrem suas portas o tempo todo (dá pra seguir o perfil @hotelinspectors no instagram para ficar por dentro de todas elas). Além disso, as mídias sociais estão criando cada vez mais consciência e conhecimento sobre destinos, hotéis e aventuras extraordinárias, o que torna natural uma procura cada vez maior por todos eles.

Durante o evento da Traveller Made diversas aberturas e expansões hoteleiras foram anunciadas, como a nova penthouse do Hotel Esencia, na Riviera Maya; as novas villas do Singita no Zimbábue e do Goldeneye Resort, na Jamaica; ou a abertura do esperado The Lodge at Blue Sky, próximo a Park City (conto mais neste texto aqui). Também se confirmou ali a cada vez mais forte tendência das mega villas de luxo, incluindo a novíssima Maison Montespan, no 16ème em Paris, ou a gigante Villa del Mar do hotel Marbella Club, parte do portfólio da Leading Hotels of the World, com impressionantes 6300 metros quadrados de área.

Os cenários são mais que promissores para esse mercado. Os chamados “ultra-wealthy” (super ricos) dobraram suas riquezas nos últimos dez anos e a tendência deve continuar. Fora desse segmento tão específico, as viagens de luxo também passaram a figurar cada vez mais na agenda de viajantes de outros perfis mais econômicos quando saem em lua-de-mel ou em outras viagens comemorativas (como aniversários, jubileus, bodas etc).  Parece que os bons ventos nunca param de soprar neste mercado tão específico, independentemente do cenário econômico local e mundial.