The Broadmoor: a estrela de Colorado Springs

The Broadmoor: a estrela de Colorado Springs

Mari Campos

25 Junho 2018 | 11h12

Até o house car do hotel é charmoso. Foto: Mari Campos


Deixei Denver (estava na cidade para participar da IPW, a maior feira de promoção turística de produtos e destinos dos EUA) rumo a Colorado Springs em um dia lindo e ensolarado de primavera no final de maio passado. Desta vez, meu interesse em Colorado Springs – um destino popular de férias para os americanos famoso pelas atividades esportivas e grandes cenários naturais (Pikes Peak, Garden of the Gods, Manitou Springs e Seven Falls, por exemplo)  – era um só: o The Broadmoor, um dos hotéis mais icônicos dos Estados Unidos.

O Broadmoor é aquele tipo de hotel-destino, que muita gente escolhe não por ficar necessariamente em um determinado destino mas por ser uma espécie de destino em si mesmo. Boa parte de seus hóspedes de final de semana sequer deixam a propriedade durante a estada; quando o fazem, geralmente é por meio período, para conferir de perto alguma beleza natural como as cachoeiras conhecidas como Seven Falls, que ficam logo ao lado (e para as quais o hotel conta com traslado gratuito para seus hóspedes).

Predinhos rosados, pontes e lagos garantem a vibe mediterrânea. Foto: Mari Campos

A gigante propriedade, de prédios cor de rosa inspirados na Toscana rodeando o lago Cheyenne e com a montanha homônima logo em frente, impressiona desde a chegada – são mais de 1200 hectares compondo a área total do resort. Nas áreas comuns, muitas antiguidades, móveis robustos, enormes lustres, muito mármore, tapetes orientais fazem parte do mise-en-scène. Ainda tem uma impressionante coleção de arte espalhada pelo hotel. Dispostos em diferentes alas e edifícios da propriedade, os quartos são decorados em estilo old fashioned, com pompa e circunstância – todos eles com algum tipo de varanda ou balcão.  Espaçosos, têm sempre banheiro com espaços separados para chuveiro e banheira e também duas pias.

Os quartos são classicões mas super espaçosos e confortáveis. Foto: Mari Campos

O Broadmoor possui nada menos que dez opções de restaurantes dentro do resort, que vão do divertido pub Golden Bee (cujo balcão foi trazido peça por peça diretamente do Reino Unido) ao five-star-fine-dining Penrose Room, um ótimo restaurante com uma tremenda vista para a propriedade e as montanhas dos arredores (se der para reservar para próximo da hora do por-do-sol, melhor ainda). Um bistrô francês, um restaurante italiano e uma steakhouse também fazem parte desta lista. Somem-se a isso mais diversos cafés e lounges da propriedade.

A novidade fica por conta do Café Julie’s, a nova patisserie francesa instalada dentro do hotel e produzindo tudo ali mesmo, de doces típicos franceses a sorvete e até sua própria linha de chocolates Valrhona – é um dos espaços mais contemporâneos da propriedade e achei também um dos mais gostoso. O café acabou de abrir em maio último e já é um sucesso, inclusive por ter uma das paredes de vidro aberta para a cozinha da patisserie, que permite ver os chefs em plena ação.

A piscina com borda infinity para o lago é um must. Foto: Mari Campos

Ao redor do lago, diversos cantinhos com espreguiçadeiras ou cadeiras com mesas são um convite para ficar ao ar livre lendo um livre, tomando um café ou drink ou simplesmente apreciando a beleza das montanhas que rodeiam a propriedade. Os quartos são oásis deliciosos, mas em uma região de tanto esportes outdoor, as opções de lazer são inúmeras: o hotel tem três campos de golfe, três belíssimas piscinas (sendo uma com borda infinity para o lago), seis quadras de tênis, boliche, spa e fitness centre.  O resort conta ainda com shuttle para atividades oferecidas em lugares mais distantes dos edifícios principais, como fly fishing, falconry, trilhas, cavalgadas, escaladas e mountain bike. E tem ainda seu próprio mall a céu aberto, com direito a 26 lojas e duas galerias de arte.

O mais surpreendente? O hotel, apesar de enorme e ultra family friendly, parece constantemente vazio, mesmo quando está lotado (como no caso da minha visita, quando estas fotos todas foram feitas). E consegue criar diversos cantinhos ultra românticos na propriedade toda.

Tá explicado porque muita gente mal consegue sair dele durante um final de semana.

 

 

p.s.: dá pra saber mais sobre o hotel e a viagem lá no MariCampos.com.