Viagens na pandemia: roadtrips

Viagens na pandemia: roadtrips

Mari Campos

12 de novembro de 2020 | 16h22

Quase oito meses depois da declaração de pandemia do novo coronavírus – que infelizmente segue firme até hoje – , resolvi fazer no finalzinho de outubro minha primeira escapada destes novos tempos. Com cuidado constante, higiene máxima, uso de máscaras o tempo todo, álcool gel sempre à mão e o máximo de distanciamento social possível. E, seguindo a tendência comportamental mundial, apostei em uma roadtrip.

Siga a Mari Campos também no Instagram! 

As viagens de carro para destinos próximos de casa vêm sendo apontadas por especialistas da saúde como uma das formas mais seguras de se viajar durante a pandemia. Com os deslocamentos feitos no nosso próprio carro, a gente evita os contatos prolongados com outros viajantes comuns a aeroportos, rodoviárias, aviões e ônibus, por exemplo, que aumentam consideravelmente as chances de contágio. De carro, temos também controle sobre a higiene do processo, as melhores rotas, tempo de deslocamento, eventuais paradas.

Seguindo os conselhos dos especialistas, apostei nos chamados “destinos hiperlocais”, que é como andam sendo chamados os lugares a até 300km da nossa casa. Estudos promovidos pelo setor, no Brasil e no exterior, mostram que os viajantes em home office estão fazendo viagens mais longas (as chamadas long stays/extended stays nunca estiveram tão em voga!) e se deslocando por distâncias mais curtas em suas escapadas nestes tempos. No meu caso, doida por verde, natureza e ar puro depois de tanto tempo fechada em casa, na cidade, fiz da Serra da Mantiqueira o meu primeiro destino de viagem neste mundo pandêmico. E dividi a viagem em duas cidades diferentes da serra: Monte Verde, em Minas Gerais, e Campos do Jordão, em São Paulo.

LEIA TAMBÉM: 6 dicas para fazer viagens mais seguras na pandemia.

.

 

A escolha dos hotéis

Com a flexibilidade do trabalho em home office, fiz meus deslocamentos na estrada em dias de semana e segui também outra tendência de comportamento de viagem que vem se estabelecendo nesse começo da retomada do turismo em tempos de pandemia: fiz uma viagem mais longa, com dez dias no total, entre chegada e partida. Uma viagem misturando horas de descanso e lazer e horas de trabalho, fora de casa. E, na hora de escolher a hospedagem, dei preferência para pousadas que eu já conhecia, em cujo trabalho sempre confiei e cujas transformações e adaptações durante a pandemia pude acompanhar inclusive pelas redes sociais.

Foram dois pequenos hotéis impecáveis, que estão promovendo estadias absolutamente seguras nestes tempos duros – e tão gostosas como eram antes da pandemia!  Em Monte Verde, fiquei na deliciosa Provence Cottage&Bistrô, há muitos anos considerada uma das melhores e mais românticas pousadas do Brasil. Uma pousada que já tinha distanciamento social como regra quando ainda nem cogitávamos a chegada da Covid-19. Apenas sete chalés (e está vindo mais um, que fica pronto no mês que vem) espalhados por quase doze mil metros quadrados de bosques na montanha. Limpeza impecável, a maravilhosa cozinha dos proprietários Ari Kespers e Whitman Colerato todo dia no café da manhã e no chá da tarde (à la carte, imperdíveis e sempre incluídos nas diárias), exigência do uso de máscara em toda a propriedade e a calidez de sempre no atendimento.

SAIBA TUDO sobre a Provence Cottage & Bistrô de Monte Verde aqui.

.

Em Campos do Jordão, voltei à queridinha L.A.H. Hostellerie, de apenas nove quartos, longe da badalação do Capivari. Alto padrão de serviços, atendimento sempre personalizado e um rigor impressionante nos novos procedimentos de segurança, incluindo máscaras e álcool gel entregues individualmente aos hóspedes no check in, distribuidores de álcool gel espalhados pela propriedade toda e café da manhã (à la carte e até 13h!) e uso da deliciosa piscina climatizada ambos somente com hora marcada. A L.A.H. também inclui chá da tarde em todas as diárias e oferece aos hóspedes a maravilhosa opção de usar sua impecável cozinha – seja sozinho ou com o chef da casa! Já morro de saudades do meu demorado café da manhã tomado diariamente no deck da piscina, com tudo feito na hora e nenhum outro hóspede à vista – e de ter a piscina interna/externa só pra mim ao anoitecer.

SAIBA TUDO sobre a L.A.H. de Campos do Jordão aqui.

Duas escolhas certeiras (poucos quartos, poucos hóspedes, serviço personalizado, higienização impecável) que me deram a oportunidade de realmente descansar corpo e cabeça, depois de tanto tempo dentro de casa, exatamente como eu precisa – sem abrir mão da segurança em nenhum momento. Levei meu frasquinho de álcool gel e minha máscara sempre comigo e fui bem feliz.

Algumas pousadas e hotéis independentes no Brasil estão mesmo dando um verdadeiro show na administração da crise gerada no setor pela pandemia. Reabriram seguindo as normas corretas (recomendadas pela OMS) para garantir a segurança dos seus hóspedes, são rigorosos no cumprimento das mesmas e continuam sendo capazes de fazer a hospedagem ser realmente tão gostosa e inesquecível como faziam antes da pandemia.

LEIA MAIS sobre o excelente trabalho dos hotéis independentes na retomada do turismo. 

.

 

Foco na natureza

Meu foco nesta viagem foi 100% na natureza. Depois de tanto tempo em casa, eu queria mesmo era muito verde,  ar puro, grama e terra para pisar – e foi nisso mesmo que me concentrei. E, para diminuir de verdade as chances de contato com outros viajantes, mergulhei fundo também nos piqueniques e nas refeições ao ar livre.

Em Monte Verde, aproveitei todos os dias o espaço e ar puro dos bosques da própria pousada e saí de lá poucas vezes, apenas para pequenas trilhas e caminhadas no mato. Em Campos do Jordão, fugi das aglomerações (e das muitas pessoas sem máscaras…) no Centro e no Capivari frequentando apenas os parques da cidade que estão fazendo tudo certinho, com controle e segurança.

LEIA AQUI quatro passeios ao ar livre para fazer em Campos do Jordão na pandemia.

Um dos passeios mais gostosos teve também uma das refeições mais gostosas da viagem: o sempre ótimo restaurante Dona Chica, que fica ao ar livre, dentro do Horto Florestal, agora lançou um novo serviço chamado de “Chef na Floresta”. O novo serviço oferece um almoço de cinco passos só para você e seus acompanhantes em um canto isolado do bosque, rodeado de muito verde e longe de outros comensais – tudo preparado pelo chef na sua frente, somente com ingredientes frescos da própria Mantiqueira. Passeio dois em um perfeito: você pode curtir em segurança a lindeza ao ar livre que é o Horto e depois almoçar, longa e tranquilamente, comida brasileiríssima de primeira linha, em ambiente todo seu.

.

Sabemos que não podemos relaxar nos cuidados em nenhum momento, pois a pandemia segue firme, vitimando inúmeras pessoas todos os dias no Brasil e no mundo. Mas foi muito bom colocar na prática as recomendações de especialistas sobre férias e pausas necessárias durante a pandemia e perceber que podemos, sim, tomando os devidos cuidados o tempo todo (distanciamento social, máscara, higiene etc) e escolhendo bem (com muita pesquisa e atenção) nossas hospedagens, fazer escapadas tão gostosas para corpo e alma.

Estou novamente em casa, é claro; mas confesso que já planejando uma próxima escapada segura, desta vez para um bom banho salgado de mar 🙂

.

Ps: ainda dá para ver detalhes da viagem no feed e nos destaques dos Stories do meu instagram.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: