Para ficar: no meio da Avenida

Margarida Vaqueiro Lopes

29 Setembro 2014 | 17h51

Imagine acordar no mais profundo silêncio, abrir os olhos, correr os cortinados do seu quarto e perceber que está: precisamente no meio da principal artéria da cidade de Lisboa, localização privilegiada para quem quer caminhar ou simplesmente pegar o metrô não importa para onde. Sim, estou falando da Avenida da Liberdade, a rua das lojas de luxo, das árvores frondosas, das vitrines cheias de vestidos lindos e bem ali entre o Marquês de Pombal e a praça do Rossio.


Nos quartos, mobilados ao estilo dos anos 20, você poderá ainda escrever uma carta para quem ficou em casa, numa secretária absolutamente maravilhosa, e bem de frente para a janela. Ou então pode optar por tomar um banho de espuma em uma das banheiras de pés que ficam bem no meio do banheiro, chamando por você depois de um dia inteiro batendo o pé por essa cidade fora.

 

PicShells_1_

Valverde Hotel – Suite Superior

O Hotel Valverde abriu esse ano mesmo, num edifício que foi restaurado bem no meio da Avenida. Tem apenas 25 quartos, e todos eles têm uma decoração diferente, o que faz com que pareça que você está só passando férias numa casa muito grande. A vista é absolutamente deliciosa, seja para o lado do Tejo, para o centro da Avenida ou para uma das colinas de Lisboa. E claro, esqueça as paredes simples dos corredores. A qualquer esquina poderá se deparar com as figuras mais engraçadas.

 

PicShells_3_

Valverde Hotel: corredores e vista de um dos quartos.

Mas eu preciso falar a verdade para vocês: aquilo que mais me encanta nesse hotel é o que fica fora dos quartos. A sala de estar com vista para a Avenida e uma decoração que me faz lembrar os lindos salões da maravilhosa década de 1920. A luz de Lisboa entrando para iluminar as prateleiras e o mobiliário. Os ‘abat-jours’ que iluminam as várias salas. As poltronas imitando o mobiliário de antes.

 

PicShells_4_

Valverde Hotel: salas de estar, corredores e quarto

Tá bom. Vou fazer uma outra confissão. Eu também me apaixonei pelo jardim e pelas escadas…gente!, as escadas são lindas. Quase tive vontade de descer dos sexto piso até à recepção só para ficar olhando – mas desisti rápido e optei pelo elevador, que eu sou pouco dada a muito exercício físico, devo dizer. Além disso, precisava confirmar que os acessos para pessoas com mobilidade reduzida estava garantido, né? Cof Cof. Mas olhem essa escada e me digam se não é maravilhosa?

 

PicShells_5_

Valverde Hotel: escadaria e jardim

 

A piscina está rodeada de verde e abrigada de qualquer ventinho que possa fazer na cidade. Bem do lado você tem as mesas que podem servir para ler o jornal, para beber uma cerveja ou mesmo para almoçar ou jantar, se o tempo estiver assim super legal e você quiser aproveitar para tomar uma refeição sem sair do hotel – o restaurante é bom, as doses são generosas e o preço está bem acessível tendo em conta a qualidade. O hotel não tem spa, mas você pode pedir serviço de massagem no quarto, que providenciam para você – melhor ainda, né?

 

PicShells_6_

Valverde Hotel: a entrada e a vista do pátio.

Bom, saindo do Hotel – fica no número 164 da Avenida da Liberdade – você estará bem na frente da estação de metrô Avenida. Em 10 ou 20 minutos de caminhada pode chegar a alguns dos bairros mais interessantes da capital lisboeta: Príncipe Real, Rato, Rossio, Baixa, Chiado…Bem ali do lado você tem o Hard Rock Café, o Coliseu – onde tem sempre shows muito legais em cartaz -, o Teatro Politeama, com os musicais e os teatros de revista. Na verdade, esse hotel tem a vantagem de fazer você se sentir em casa, uma vez que é bem pequeno e sossegado, mas tem ainda outra coisa super legal, que é ser bem no centro de Lisboa. E eu não sei para vocês, mas eu adoro ficar instalada no centro da cidade que estou visitando, para não perder tempo no caminho.

Além disso, está também bastante perto daquelas lojas que a gente sempre ama, e de onde adoramos voltar com sacolas e mais sacolas. Só para ter ideia de algumas: Louis Vuitton, Michael Kors, Purificacion Garcia, Cartier, Prada e por aí vai. E claro que também irá encontrar uma Mango ou uma Massimo Dutti se preferir umas compras menos ousadas – e menos caras.

Bom!, aqui fica a minha primeira sugestão de um lugar onde ficar em Lisboa. Estamos esperando por você aqui pela capital. Como dizia um turista com quem me cruzei outro dia, “Lisboa foi subestimada durante muito tempo. A cidade é das mais lindas para conhecer”. Só falta você!

 

Quanto custa? As diárias, nesse hotel, ficam entre os 170 euros (quarto single) e os 400 euros (suite superior).