Orgulhosamente, escrevendo da terrinha

Margarida Vaqueiro Lopes

22 Janeiro 2016 | 08h50

Que as pessoas são bobas, a gente sabe. Que não queiram ser melhores, já tenho alguma dificuldade em aceitar. Essa semana houve uma enorme polémica em Portugal – com direito a espaço em jornais de referência nacionais e tudo – porque o jornal O Globo escreveu que Sara Sampaio, modelo portuguesa que é um dos anjos da Victoria’s Secret, é oriunda “lá da terrinha”. De cá, portanto, de Portugal. De repente, uma onda de indignação invadiu jornais, redes sociais e afins, porque os brasileiros tinha dito que Sara era “lá da terrinha” embora – vamos colocar ênfase nesse ‘embora’ – a elogiassem.

Esse texto serve para vos pedir desculpas, caros irmãos brasileiros. Porque apesar de eu – e como eu tanta gente – saber que vocês usam o termo “terrinha” de uma forma nada pejorativa, e que muitas vezes é até um termo carinhoso, por cá as pessoas têm um complexo de inferioridade um pouco difícil de explicar e entender. E que depois dá azo a não-notícias como essa que tem ocupado espaço e tempo. É que aqui em Portugal, ‘terrinha’ geralmente é um termo utilizado para falar das cidades do interior ou de regiões menos desenvolvidas, logo tem uma conotação ruim.

Pior!, o Globo se achou na obrigação de pedir desculpa do que escreveu, como se tivesse feito alguma coisa de errado. E portanto, eu só posso repetir meu pedido de desculpas por toda essa idiotice e pela falta de profissionais que explicassem isso a quem tem dificuldade em entender diferenças culturais.

Orgulhosamente, vos escrevo da terrinha. E espero a vossa visita a este lado do Atlântico 🙂


Acompanhe o Sambando em Lisboa no Facebook