Por cada sapato, cinco mulheres salvas

Por cada sapato, cinco mulheres salvas

Margarida Vaqueiro Lopes

24 Setembro 2018 | 13h15

A marca portuguesa Josefinas, que basicamente produz sapatos de luxo para mulheres totalmente feitos à mão por artesãos portugueses e com recurso a materiais de elevada qualidade, decidiu se unirà Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), com uma campanha de apoio a mulheres que sofrem violência domestica, um problema que é real e que tem crescido em Portugal durante os últimos anos. Os dados oficiais mostram que as mulheres – são elas a maioria das vítimas de violência domestica, embora haja muitos homens que também o sejam –  tentam sair de uma relação abusiva entre 5 a 7 vezes antes de os conseguir abandonar totalmente.

As dificuldades prendem-se muitas vezes com questões logísticas – onde vão morar, como vão fazer com os filhos – e naturalmente com um medo que é sempre latente de que as agressões se tornem ainda mais violentas. Foi por essa razão que as Josefinas criaram uma coleção de tênis que tem nestas mulheres a grande inspiração, e que usa uma réplica das etiquetas que geralmente têm as indicações sobre como tratar uma peça de roupa para mostrar o que os homens não devem fazer dentro de uma relação saudável. Assim, cada símbolo ganha um significado próprio: não controlar, não culpar, não intimidar, não envergonhar e não magoar.

Atualmente, 7 em cada 10 mulheres sofre de violência doméstica aqui na ‘terrinha’. Dados terrivelmente assustadores e que obrigam a uma atitude também por parte da sociedade civil. As Josefinas criaram também uns cordões em algodão, super legais – e mais em conta – cuja venda também reverte totalmente a favor da APAV. A ideia é que a Associação fique com condições para apoiar mais mulheres – com apoio psicológico, com casa e com questões legais.

No Brasil a situação não é melhor: segundo estatísticas oficiais do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, no ano passado houve 606 casos de violência domestica por dia, registrados pelas autoridades. Que acreditam que esse número seja muito maior. E a verdade é que a gente nem precisa de pensar muito para lembrar de alguém, entre os nossos amigos, que já tenha sido alvo de violência domestica. Então, mesmo que nunca lhe tenha acontecido, é preciso estar atento para esse flagelo mundial. Porque afinal, todos somos responsáveis uns pelos outros. E ter empresas que se ligam publicamente a esses dramas ajuda a chamar a atenção e a nos lembrar que devemos sempre denunciar esse crime: tanto num país como no outro, qualquer pessoa, e não apenas a vítima, pode preencher um boletim de ocorrência sobre casos que conheça de violência doméstica.


Um par de sapatos ou um par de cordões até pode parecer pouco para conseguir minorar a tragédia que são esses números. Mas o pouco pode ser muito se todos fizermos a nossa parte. E as Josefinas estão, garantidamente, fazendo a delas. E aí no Brasil, há casos de empresas envolvidas positivamente na sociedade?

 

Divulgação

Acompanhe o Sambando em Lisboa no Instagram e no Facebook 🙂