Vinhos alentejanos para levantar o astral no Brasil

Vinhos alentejanos para levantar o astral no Brasil

Margarida Vaqueiro Lopes

14 de setembro de 2020 | 08h06

Uma das regiões que mais vinho produz em Portugal apresenta um monte de referências premiadas que pode experimentar no Brasil- O Alentejo tem-se tornado num dos lugares favoritos dos enófilos por esse mundo fora – eu gosto de alguns vinhos, sobretudo tintos. E eles têm vindo a melhorar de ano para ano, graças à chegada de novos produtores e enólogos, que retiraram (na minha opinião) algum ‘peso’, alguma agressividade, aos vinhos daquela região. Quem viaja para o Alentejo tem cada vez mais opções de experiências relacionadas com a arte da vitivinicultura: provas de vinhos, workshops, visitas a adegas com mais ou menos tradição, refeições que juntam o melhor da gastronomia e do vinho…alguns lugares até permitem que os visitantes colham e pisem alguma da uva que vão usar nas garrafas de vinho que estão produzindo.

Com temperaturas bastante elevadas no verão e bem geladas no inverno, o Alentejo sempre é escolha dos enólogos, que encontram ali condições bem particulares para fazerem uso dos seus conhecimentos.

Aqui você vai encontrar uma seleção de vinhos alentejanos que pode provar no Brasil, e cujas garrafas estão disponíveis em lojas, adegas ou importadoras:

Caiado – Adega Mayor
Pertencente à família que também é dona dos cafés Delta, essa adega é uma referência arquitetônica no mundo inteiro. O vinho Caiado (tanto o branco como o tinto) é jovem, muito frutado e harmoniosa. O Caiado tinto acompanha lindamente vários pratos e o branco é ideal para os dias de calor que estão chegando.

Guadalupe – Quinta do Quetzal
Nas encostas de Vidigueira, a Quinta do Quetzal também impressiona por sua arquitetura. Um de seus edifícios é uma construção moderna com restaurante, loja e galeria de arte. Os vinhos pretendem refletir tanto a história como a modernidade da propriedade, o que faz deles verdadeiras amostras da região.

Herdade de São Miguel – Casa Relvas
Essa empresa familiar se reinventou nos últimos anos e tem conseguido conquistar cada vez mais consumidores em todo o país. Caminhando cada vez mais para uma produção mais sustentável, a Casa Relvas tem várias opções de tintos e brancos. A Herdade de São Miguel é a primeira linha e são vinhos fáceis de beber, que acompanham bem as refeições do dia-a-dia.

Herdade dos Grous – Herdade dos Grous
Nessa Herdade nascem alguns dos meus vinhos favoritos do Alentejo (mas já falámos aqui que cada um gosta do que gosta, e isso não significa que os vinhos sejam melhores ou piores, certo? 😉). O vinho da Herdade é feito com uvas colhidas à mão, o que resulta em um produto elegante e de altíssima qualidade, com sabor encorpado. O branco é fino e delicado, enquanto o tinto é concentrado e estruturado.

Malhadinha – Herdade da Malhadinha Nova
Quando as viagens voltarem a ser possíveis, seria interessante marcar um final de semana para conhecer esse lugar maravilhoso, que tem também um hotel e diversos serviços relacionados com o vinho. Para já, pode experimentar o Herdade da Malhadinha Nova, um vinho bem encorpado e típico do Alentejo.

Monte Velho – Esporão
Estaria mentindo para vocês se não dissesse que prefiro os azeites aos vinhos do Esporão. Mas a verdade é que a Herdade do Esporão, uma das mais antigas e reconhecidas da região produz vinhos muito apreciados mundialmente. O Monte Velho é um vinho versátil produzido há mais de 25 anos. Com um perfil equilibrado e gastronômico, é elaborado segundo as tradições alentejanas e apenas com uvas locais. Muitos dizem que é o próprio Alentejo em uma taça!

Pêra-Manca – Cartuxa
As palavras não são minhas mas realmente “é impossível falar de vinhos alentejanos e não mencionar o Pêra-Manca, considerado um dos melhores do mundo”. Sobretudo porque é muito exclusivo, com uma produção de apenas 30 mil garrafas, o Pêra Manca foi se afirmando como o cartão de visita do Alentejo. É um vinho bastante encorpado e complexo, mas muito elegante. A Cartuxa é uma região cheia de História, e isso aumenta bastante a aura em torno desse rótulo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.