Seja turista em SP

Daniel Ribeiro

25 Janeiro 2016 | 13h08

Sempre que viajo procuro entrar em contato com pessoas que moram nos destinos que vou visitar para conhecer aquelas atrações que só quem é do lugar sabe indicar. Por ter sido sempre muito entusiasmado com viagens e gostar de conhecer gente de fora, eu acabei aprendendo a olhar para minha cidade com outros olhos e criei alguns roteiros em São Paulo para levar os turistas que eu conheci. E o melhor disso é que sempre descubro coisas novas. Um alemão arquiteto me ensinou a olhar para o alto quando ando pelo centro da cidade. Uma professora pernambucana me ensinou a caminhar em silêncio e sem fones de ouvido para ouvir os diferentes sons de cada bairro. Uma croata me ensinou que os restaurantes self-service são o máximo, embora uma colombiana tenha me ensinado que neles devemos comer salada e carne, nunca batata porque pesa mais. Um congolês me fez perceber o quanto nosso cachorro quente é sensacional e prático.

São Paulo é esse resumo do mundo onde em se procurando, de tudo dá. Eu gosto de fazer um roteiro a pé pelo centro da cidade. Naturalmente, muita coisa fica de fora, mas é preciso fazer certas escolhas.

Comece pela Praça da Sé onde está a catedral. A igreja é bem bonita e tem um valor histórico inquestionável, além de ser o marco zero da cidade. De lá, siga para o Pátio do Colégio, onde São Paulo foi fundada pelo padre José de Anchieta há exatos 462 anos. O museu Anchieta fica lá, mas recomendo visita-lo apenas quando tiver algum tempo, costumo tomar apenas um café.  A construção abriga um café e parte de uma parede de 1585. A caminhada segue até o Centro Cultural do Banco do Brasil, na Rua Álvares Penteado. Ainda que você não tenha checado a programação com antecedência, as chances de desapontamento com as exposições são remotas. Mas não demore. O centro ainda tem muito a oferecer.

A próxima parada é o Mosteiro São Bento com a igreja que é, na minha opinião, a mais interessante da cidade. Além do órgão como principal atração, o teto é reto, bem diferente das outras. E você ainda pode comprar um pão delicioso e caro feito pelos monges. Subindo a Libero Badaró, você vai passar em frente ao edifício Martinelli que já foi o mais alto da cidade. Contam que nos primeiros anos após a construção muita gente evitava passar pelas redondezas com medo de ele cair. O fim da subida leva ao viaduto do Chá de onde se pode ver todo o Vale do Anhangabaú. Ali do lado está o Teatro Municipal de São Paulo, considerado por muitos a construção mais bonita daqui.


Siga pelo calçadão na Barão de Itapetininga até a Praça da República e, de lá, para o Edifício Itália e o Copan, logo atrás dele, projetado pelo Oscar Niemeyer. No edifício Itália os turistas podem subir de graça nos dias da semana entre 16h e 17h. Vale a pena ser pontual porque a vista é impressionante. Já o Copan é para ser visto de fora.

Costumo levar os visitantes por estes caminhos e sempre me surpreendo com as reações de encantamento para as paisagens que já são comuns para os meus olhos. A partir de hoje, escreverei sobre outros lugares e assuntos relacionados à sua próxima viagem, mas deixo aqui registrado meu amor por essa cidade. Um amigo disse esses dias que muita gente conhece a Disney antes de conhecer o centro. Não perca tempo, vá visitar São Paulo.

*O meu retrato que ilustra este blog é do fotógrafo Marcus Samed