Além do boneco de neve
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Além do boneco de neve

Bianca Ribeiro

11 Janeiro 2010 | 20h44

Se por aqui, o assunto é praia e sol, no hemisfério norte o jeito é tentar driblar o inverno rigoroso. Mal a neve começa a cair e os tradicionais bonecos de neve enfeitam ruas e praças. Pois saiba que existem festivais e até campeonatos de esculturas feitas de gelo.


Na China, o Festival Internacional de Gelo e Neve de Harbim atrai milhares de visitantes. Esculturas gigantes de gelo imitam à perfeição monumentos como o Palácio do Kremlin, em Moscou, ou a Grande Muralha da China. À noite, os monumentos ficam ainda mais bonitos com a iluminação colorida. O festival, que existe há 25 anos, começa oficialmente no dia 5 de janeiro na cidade de Heilongjiang, a nordeste de Pequim.

Palácio Imperial feito de gelo, na China

Palácio Imperial feito de gelo, na China. Foto: Ng Han Guan/AP Photo

E não são apenas os turistas que frequentam o Festival de Harbim. Dezenas de casais aproveitam o “cenário” e realizam um casamento coletivo. O monocromático do branco da neve e dos tradicionais vestidos de noiva é quebrado pelo vermelho intenso das flores do buquê. E não é só. Durante o festival ainda rolam dezenas de atividades como campeonatos de boxe, uma mesa de negócios e, pela primeira vez, um Carnaval. Abaixo de zero. Ui!

Casamento coletivo a menos de zero grau. Ui!

Casamento coletivo a menos de zero grau. Ui! Foto: Aly Song/Reuters

Na Suíça, a Exposição de Palácios Mágicos de Gelo ocorre há 23 anos na cidadezinha de Schwarzsee. O artista suíço Karl Neuhaus esculpe no gelo castelos que parecem ter saído dos contos de fada.

Dominic Favre/EFE

Palácio de gelo na Suíça. Foto: Dominic Favre/EFE

E na Coreia do Sul, acontece o 8º Festival de Gelo de Hwacheon-gun. Além de observar as esculturas feitas de gelo, centenas de turistas vão ao lago pescar as trutas do lago, praticamente congelado.

Esculturas gigantes na Coreia. Foto: Jeon Heon-kyun/EFE

Esculturas gigantes na Coreia. Foto: Jeon Heon-kyun/EFE