As múltiplas faces de South Beach
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

As múltiplas faces de South Beach

Mônica Nóbrega

04 Março 2014 | 03h40

Versão punk da Monalisa observa os turistas da fachada do Gale Hotel. Fotos Cindy Karp/NYT

 

Stephanie Rosembloom / MIAMI / THE NEW YORK TIMES

Um fim de semana em South Beach não precisa começar com “O que levar?”, mas com “O que procurar?”. Você quer a South Beach de vestidos pintados, margaritas geladas e néon elétrico? A South Beach de hotéis novos (ou reformados) estilosos (Gale, Lord Balfour, SLS South Beach) e restaurantes (Yardbird Southern Table & Bar, Khong River House, Tongue & Cheek)? Ou a South Beach de outrora, de edifícios, museus e monumentos art déco em tons pastéis? Talvez você anseie tão somente pela… praia.


Miami pode ser o você quiser – largada, produzida, gay, hétero, um recanto familiar, um playground para solteiros –, o que faz da cidade um destino popular nos fins de semana. Nesta terra da fantasia no extremo sul de Miami Beach, você pode escolher sua própria aventura. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

 

SEXTA-FEIRA
Compras de bike
South Beach é uma barbada para passear a pé ou de bicicleta – na DecoBike (decobike.com), alugue a US$ 6 a hora – e um bom lugar para começar é o Lincoln Road Mall. Lojas de varejo das mais baratas às mais caras ladeiam esta larga zona de compras e alimentação a céu aberto entre a Alton Road e a Washington Avenue. Nomes de grife pontilham as ruas circundantes. Em outras palavras: deixe espaço para as compras.

Que venham as margaritas
Para alguns, nada se equipara ao absurdo de beber uma margarita gelada do tamanho de uma tigela de talharim com duas garrafas de cerveja Corona de cabeça para baixo em uma das mesas na calçada da Ocean Drive. Este trecho turístico de restaurantes à beira-mar não oferece a culinária mais fina, mas o que falta em sabor sobra em modelitos criativos. Os restaurantes mais refinados, como Altamare e Yuca, estão na Lincoln Road. Para algumas das melhores comilanças ao ar livre, siga ao SushiSamba e encare o show de moda não-oficial com tempurá de camarão (US$ 17) e rolinhos especiais como o Ezo (salmão, aspargo, cebolinha, gergelim, flocos de tempurá e maionese de wasabi; US$ 13).

Margaritas com cerveja, mistura típica da Ocean Drive

 

Cai a noite
Quando escurece, é hora de checar os hotéis art déco da Ocean Drive – Colony, Boulevard, Starlite – iluminados por luzes de néon. Você pode ir a um clube (Cameo, Mansion, Nikki Beach) mais tarde. Ou, para uma noite casual, pare no Hotel Victor, logo depois da mansão que já foi do estilista Gianni Versace. Sente em uma mesa na calçada e desfrute da música ao vivo. Sem ânimo para beber? Assista (dance, até) da rua. Por falar nisso, caminhando mais ao norte pela Ocean até o Palace, um restaurante e bar gay, você poderá dar sorte de pegar um show de drag queen na calçada.

 

SÁBADO
Leitura matinal
Comece o dia com um jornal internacional e uma mesa de calçada no News Cafe (newscafe.com), misto de restaurante, bar e banca de revista 24 horas. Seus dias de glória já passaram, mas as mesas ainda ficam cheias de turistas e poucos moradores graças aos preços razoavelmente acessíveis, menu de desjejum completo e uma localização privilegiada. O café da manhã especial (dois ovos com fritas, bacon, linguiça e linguiça de peru; suco, café ou chá; e pão) custa US$ 10,50.

Para um brunch mais sofisticado (começando às 11h30), siga ao norte até o BLT Steak no Betsy Hotel (thebetsyhotel.com), edifício renovado que captura o charme do antigo. O menu vai além do básico: torradas de brioche com amêndoas e banana caramelizada com canela (US$ 14) e o BLT Popover, uma interpretação de ovos benedict com molho bechamel e queijo gruyère (US$ 14).

Sol e surfe
A tarde é para relaxar em meio a quilômetros de areia branca. Há uma lista completa de praias no site miamiandbeaches.com; a área de South Beach é geralmente considerada da Ocean Drive com Fifth Street à 21st Street com Collins Avenue. Não consegue parar quieto? O Lummus Park (Ocean Drive, entre 5th Street e 15th Street) tem vôlei de praia e playground, enquanto o South Ponte Park (1 Washington Avenue) oferece equipamentos aquáticos. Os dois parques têm banheiros públicos.

Praia e vida ao ar livre, sempre. Porque afinal, é Miami

Não há necessidade de sair da praia para almoçar (embora haja muitos restaurantes à beira-mar). Basta comprar comida numa deli ou mercearia próxima, como o supermercado Art Deco (1.435 Washington Ave.), antes de estender sua canga. Os que quiserem um cenário (música, coisinhas jovens e bonitas) podem ir ao SLS Hotel South Beach. Ali fica o Hyde Beach, nightclub que, na hora do almoço, oferece um menu criado pelo chef José Andrés (hambúrgueres, US$ 20; ceviche de atum, US$ 16).


Às artes
O considerável distrito art déco de Miami tem centenas de edifícios históricos dos anos 1920 aos 40. Pense em tons pastéis e arquitetura evocativa de navios. Passeios a pé de 90 minutos ao distrito partem do Art Deco Welcome Center (1.001 Ocean Drive) todos os dias às 10h30, e incluem paradas em hotéis e restaurantes (preço: US$ 20). Se quiser ir no seu ritmo, há audioguias disponíveis (US$ 15). Há outras opções de tours, incluindo um a pé sobre as contribuições de gays e lésbicas para a história de Miami Beach, e outro sobre a transformação da população judaica (ambos por US$ 20).

Dia chuvoso? No Bass Museum of Art (US$ 8; bassmuseum.org) há mais de 500 anos de pinturas e esculturas de Rubens, Botticelli e Ghirlandaio. Ali perto, o Wolfsonian-Florida International University Museum (US$ 7; wolfsonian.org) abriga objetos da Revolução Industrial ao fim da 2ª Guerra. Já o Jewish Museum of Florida (jmof.fiu.edu) é ele próprio uma peça histórica, consistindo de um edifício art déco restaurado e uma sinagoga de 1929.

Panorâmica
Aventure-se longe do kitsch da Ocean Drive para uma vista diferente da cidade da cobertura do Juvia (juviamiami.com). O restaurante serve pratos japoneses, franceses e peruanos tão variados como nashi de salmão e frango assado ao vadouvan (mistura indiana de especiarias), mas a vista é o verdadeiro espetáculo. Do seu telhado, a lua pode parecer quase ao alcance dos dedos.

No ritmo

South Beach tem muitas trilhas sonoras, mas poucas instituições musicais são tão amadas como a New World Symphony, academia orquestral fundada pelo maestro Michael Tilson Thomas. Você não terá dificuldade de localizar a sede da sinfônica, o New World Center (colonytheatrmiamibeach.com), projetado por Frank Gehry. Fique atento aos concertos gratuitos.

 

DOMINGO
Malhação à beira-mar
Esqueça a academia. Há poucos lugares em South Beach mais apropriados para uma malhação ao ar livre do que o passeio que se estende ao longo do oceano (procure placas que digam 17th Street Beachwalk). Ali, corredores e pessoas numa variedade de rodas – skates, bicicletas, Segways – passam zunindo (sério, tome cuidado). Se quiser se juntar a eles, várias empresas alugam equipamento ao longo da praia. Para exercícios mais calmos, caminhe pelo Miami Beach Botanical Garden (mbgarden.org), perto do centro de convenções. Grátis.


Gosto de Espanha
Não saia de South Beach sem dar uma passada pela Española Way (myespanolaway.com), trecho com lojas e restaurantes com arquitetura colonial espanhola (também deliciosa à noite). Ótimo para uma refeição casual, uns tira-gostos saborosos (margaritas e fritas no Oh! Mexico dão conta do recado) ou um sorvete. Inspirado em vilarejos mediterrâneos da Espanha e da França e antigo destino de jogadores como Al Capone, a área é uma versão mais limpa, mais sonolenta e mais internacional da Little Italy de Nova York – sem karaokês ou cannolis.

Mais conteúdo sobre:

Estados UnidosMiamiSouth BeachViagem