História rouba a cena na Cidade Maravilhosa
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

História rouba a cena na Cidade Maravilhosa

Felipe Mortara

16 Setembro 2011 | 18h58

Complexo que reúne o Palácio e a Fortaleza da Conceição data dos primórdios da colonização do Rio

Fotos: Marisa Egrejas/Divulgação

Felipe Mortara


Os tempos do Rio de Janeiro apenas como cidade de praia e carnaval estão contados. Calma, caro leitor, claro que ninguém vai conseguir mudar as belezas naturais que tornaram a capital fluminense um símbolo internacional. Mas é que cada vez mais a história passa a ser incluída no roteiro turístico da Cidade Maravilhosa.

Prédios como o Theatro Municpal, a Biblioteca Nacional e o Paço Imperial ganharam um novo companheiro que entra na lista de locais do patrimônio histórico abertos à visitação na segunda maior cidade do País. Trata-se do Palácio da Conceição, que foi o antigo Palácio Episcopal do Rio de Janeiro. Construído no século XVIII para abrigar a residência do primeiro bispo do Brasil a assumir a cátedra, Frei Francisco de S. Jerônimo, o prédio fica no morro da Conceição, nas imediações da Praça Mauá, Zona Portuária da cidade.

Depois das invasões francesas na antiga capital da Colônia, nos primeiros anos do século XVIII, uma fortaleza foi construída no morro da Conceição, reconhecido como ponto estratégico por vis­lumbrar parte da cidade e da Baía que lhe dava acesso. E a boa notícia para os turistas e para os cariocas, é que tanto a Fortaleza como o Palácio da Conceição que hoje pertencem ao Exército, que utiliza o espaço para estudos cartográficos, principalmente da região Sudeste, estarão abertos entre 3 de outubro e 8 de dezembro, e com visitas guiadas gratuitas.

Nesse período, 64 visitas serão realizadas, de segunda a quinta-feira, nos turnos da manhã e da tarde. De acordo com a coordenadora executiva do projeto, Marisa Egrejas, elas devem ser pré-agendadas pelo e-mail palaciosdorio@gmail.com, já que cada visita terá, no máximo, um grupo de 25 pessoas.

Ao mesmo tempo em que vai ajudar a popularizar a memória do lugar, a iniciativa vai inserir no mercado profissionais recém-formados pelo curso de Turismo do Colégio Estadual Antônio Prado Júnior, que vão trabalhar como guias. A abertura do local ao turismo faz parte de um projeto apoiado pelo edital Prioridade Rio 2010, da Faperj (Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro).

(Com informações da Faperj)

Mais conteúdo sobre:

patrimônio históricorio de janeiro