As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Batida da música cubana, em Havana e na Europa

Mônica Nóbrega

25 Fevereiro 2014 | 03h00

Mônica Nobrega

Embora as reportagens por aí digam o contrário, os músicos afirmam que a Orishas não acabou. A banda que despontou no começo dos anos 2000 misturando rap com percussão cubana e, ao lado do Buena Vista Social Club, virou referência de música cubana no mundo pop está dando um tempo. Só não arriscam dizer quanto tempo – e não estão parados nesse intervalo.

Formada em 2010, a Cuban Beats All Stars tem quatro dos seis integrantes da Orishas – faltam só os MC’s Yotuel e Roldán. A música tem mais pegada latina e menos rap, embora o estilo de cantar de Ruzzo, o MC que veio do Orishas, ainda seja marcante.

[galeria id=9632]


Quer conhecer a música dos Cuban Beats All Stars? Clique aqui para ver o clipe oficial de Back Benny, a música de trabalho.

De passagem por São Paulo para um show na semana passada, os integrantes do Cuban Beats All Stars (menos o percussionista Vladimir Nuñez, que não veio) conversaram com o Viagem e indicaram seus lugares preferidos para ouvir as músicas que inspiram suas composições, em Havana e nas cidades da Europa onde moram atualmente. Leia, a seguir, as dicas.

Nelson Palacios – voz, violino e piano
Mora em Paris
“A música cubana anda abundante em Paris. Há muitos clubes e grupos tocando lá”, diz o multi-instrumentista Nelson Palacios. “Uma sala mítica é a New Morning, onde há também jazz, hip hop, um pouco de tudo”, diz. Entre as baladas étnicas que vai com frequência, Palacios cita os salões La Peña Festayre e La Peña Saint Germain. E o Cabaret Sauvage: “Lá organizam muitos concertos alternativos.”

DJ Tillo, picapes e voz
Mora em Barcelona
É por causa da música que o DJ Tillo vai a Barcelona. Ele mora de fato no povoado turístico de Lloret de Mar, 70 quilômetros ao norte da capital catalã. “É turismo de festa, gente jovem, praias muito bonitas. Um pouco como Marbella”, diz. Em Barcelona, ele procura “música negra, meu interesse”. Vai ao Jamboree (Praça Real, 17), à Sala Bikini (Diagonal, 547), e à Sala Razzmatazz.

Ruzzo, voz
Mora em Madri
O vocalista da Cuban Beats All Stars é adepto da atmosfera criativa da região do Mercado de Fuencarral. A variedade de lojas, salas de artistas gráficos e estúdios de música transforma o local em uma concentração cultural e jovem. “É de lá que vem a música alternativa de Madri”, diz Ruzzo. “Para dançar gosto do La Reina de Cuba (Avenida Alberto Alcocer, 33).

E em Havana?

Antes de falar da fiesta em Havana, os músicos do Cuban Beats recomendam: hospede-se na casa de uma família local para ter férias realmente cubanas. As chamadas casas particulares autorizadas pelo governo a receber turistas têm um símbolo, como uma seta de duas pontas (que não é indispensável, aliás).

Para salsa e ritmos latinos, o Salon Rosado de la Tropical (Avenida 41 com Calle 46; média de 10 convertibles ou R$ 23) é pista tradicional. Algo distante do centro, dança-se ao ar livre ao som de música ao vivo – a abordagem a mulheres é incisiva.

Uma das casas mais bem cotadas é a La Zorra y el Cuervo (Avenida 23, no Vedado; 10 convertibles), que recebe os melhores músicos de jazz de Cuba. Para fãs de Beatles, a recomendação é o Submarino Amarillo (Calle 17 com 6, Vedado). O clube Escaleras al Cielo é uma discoteca com som local e internacional em Havana Velha (Zulueta, 658; 5 convertibles ou R$ 12).