As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Copa 2014: Para gastar pouco no Rio, palco da final

Fabio Vendrame

08 Abril 2014 | 03h00

Adriana Moreira

A Cidade Maravilhosa dispensa apresentações, mas, se os preços já estão altos, imagine na Copa (desculpe, não resisti ao bordão). Em hospedagem, segundo pesquisa do site TripAdvisor, o aumento nas diárias pode chegar a mais de 200% em dias de jogos. Até motéis colocam seus quartos à disposição no Hoteis.com e Booking.com. Para se ter ideia, duas noites em um cama & café em Santa Teresa chegam a R$ 800, para dois. Um três estrelas chega a cobrar R$ 2.500 pelo mesmo período – e, ainda assim, é difícil conseguir vagas. Uma alternativa é alugar apartamento (ou quarto) em sites como o Airbnb.com. Ou retomar contato com aquele primo de terceiro grau que mora no Rio…

[galeria id=10402]

DIA 1: Da Lapa a Santa Teresa
Você não tem muita intimidade com o Rio nem disposição para tours tradicionais? Os Free Walking Tours, tão comuns nas grandes cidades, têm versão carioca – e saídas em português, às quartas-feiras e aos sábados, às 10h30. O passeio dura três horas. O encontro é no Largo da Carioca, no centro, e vai a pontos clássicos como Confeitaria Colombo, Palácio Imperial, Teatro Municipal e Escadaria Selarón. Você paga o quanto quiser. Basta aparecer no horário combinado, sem reserva.


Considerando que você não queira continuar com o grupo para almoçar feijoada no Bistrô Lapa (quem estava no tour ganha uma bebida grátis), há outras opções na região. Na própria Lapa, o Espetto Carioca (Rua do Lavradio, 3) tem espetinhos desde R$ 4,95 e abre para almoço nos fins de semana. Para mudar de ares, Santa Teresa está a dez minutos dali.

Uma vez no alto, basta escolher onde matar a fome. O Bar do Mineiro (Rua Pascoal Carlos Magno, 99) é tradicional para cerveja e petiscos. Outro ponto que reúne locais e turistas é o Armazém São Thiago (Rua Áurea, 26). Aproveite a tarde ali mesmo, caminhando entre lojinhas e parando em pontos como o Parque das Ruínas, de onde se tem uma bela vista (grátis) da Baía de Guanabara. Ao lado fica o museu Chácara do Céu, com obras de Debret, Matisse, Degas, Miró… Às quartas, a entrada é franca; nos outros dias, custa R$ 2.

DIA 2: Bola e bike
Ver os bastidores do Maracanã na Copa não vai dar: os tours serão suspensos em 20 de maio e só retornam em 20 de julho. Mas é possível visitar o histórico estádio do Vasco da Gama (agende no social.eventos@crvascodagama.com), ou até o Clube de Regatas do Flamengo (21-2159-0100; R$ 10). Como o Rubro-Negro fica na região da Lagoa Rodrigo de Freitas, que tal pedalar depois? Baixe o aplicativo Bike Rio e pegue uma das magrelas compartilhadas numa das estações próximas. O passe diário custa R$ 5 e a primeira hora é grátis. Depois desse tempo, paga-se outros R$ 5 a hora, mas há um truque: se devolver a bicicleta e pegá-la novamente depois de 15 minutos, você não desembolsa um tostão.

Dá para estender seu roteiro para a beira-mar – se for domingo, a Avenida Atlântica fica fechada para o lazer. Encerre o dia vendo o pôr do sol na Praia do Arpoador. Libere o hippie que vive dentro de você e faça como os demais: aplauda.

À noite, um bom programa é curtir um samba de raiz no Bip Bip, uma portinha em Copacabana onde é o cliente que pega a cerveja, dá o nome para o Alfredinho (o dono do bar) e acerta tudo no final. A pedida ali é ouvir música – quem conversa alto leva bronca e o cardápio é restrito, com porções de calabresa, bolinhos e quibe. Nem pense em aplaudir: estalar os dedos é a etiqueta para demonstrar satisfação. Mas bambas como Beth Carvalho já deram canja por lá. A partir das 19 horas, na Rua Almirante Gonçalves, 50.

 

 

 

 

DIA 3: Trilhas na metrópole

Que tal esquecer um pouco a orla e olhar para a Mata Atlântica? Várias empresas levam para trilhas de dificuldades variadas pelo Parque Nacional da Tijuca, como a Trilhas RJ e a Rio Trilhas. Informe-se sobre as opções disponíveis no dia de sua visita.

Sem guia, a pedida é a Cachoeira do Chuveiro, trilha de 20 minutos pelo Horto Florestal. Prepare-se para uma subida íngreme, leve água e evite os domingos. Para algo menos desafiador, siga para o Parque Lage, antigo engenho tombado pelo Iphan. Os jardins são lindos e a entrada é franca.

Para quem tem pouco tempo, mas muita vontade de verde, o Parque da Catacumba, pertinho da Lagoa Rodrigo de Freitas, é a pedida. A entrada é gratuita – lá dentro, 30 esculturas decoram o parque. Trilhas curtas, de 30 minutos, levam a dois mirantes. Fez as contas, conseguiu economizar nos outros programas? Há um rapel no alto do Morro do Urubu com vista para a cidade (R$ 100). Mas há opções mais baratas, como a tirolesa (R$ 20). Com a Lagoa Aventuras.