As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Já é fim de ano em Congonhas

Carla Miranda

07 Dezembro 2009 | 13h20

Por Heloisa Lupinacci

Ainda estávamos em novembro, mais precisamente, na sexta-feira, 27, e o aeroporto de Congonhas já tinha pinta de fim de ano. Aquelas filas enormes, a ameaça constante de atrasos e alto-falantes anunciando “manutenções fora do previsto” que carregam o ar de mau-humor.  Das últimas três vezes que encarei esses lotados salões de espera, não houve nem umazinha em que o número do portão de embarque impresso no meu cartão correspondeu ao número do portão em que eu de fato embarquei.

Foi assim nesta sexta. Estava lá com os outros passageiros com destino a Campo Grande esperando no portão 7. A televisãozinha do portão anunciava: Santos Dumont (RJ). Não era para lá que a gente ia. Mas todo mundo esperava que ela logo mudasse de canal, saindo da emissora da costa em direção àquela mais sertaneja.

Pois logo veio o anúncio: atenção passageiros do voo número tal, com destino ao Rio de Janeiro, aeroporto Santos Dumont. Devido ao remanejamento da aeronave, seu embarque será no portão 7. E continuou, fatal: o voo atrasou e não vai mais para o Santos Dumont, e sim para o Galeão. Calculei que era melhor sair dali antes de eles chegarem.


Não tardou muito para que viesse o aviso: o voo de Campo Grande atenção passageiros do voo Gol 1218, com destino a Campo Grande, o embarque será no portão 13. (O portão 13 fica no confuso subsolo do já confuso aeroporto.) Eis que o alto-falante anuncia a novidade da temporada. Essa eu nunca tinha ouvido antes. Foram dois voos da TAM: excepcionalmente neste voo, os assentos não serão marcados. O passageiro deve sentar no assento que estiver disponível. (A TAM, que recentemente trocou seu sistema de check-in, afirma que não tem registro de problemas em marcação dos assentos na sexta-feira)

Se o número do portão já não vale nada, na sexta até o da poltrona estava capengando. Se o horário também já não é a coisa mais confiável do mundo, o único número que continua firme e forte é aquele do voo mesmo. E é bom guardar esse número bem guardado na cabeça,  para a hora em que o alto-falante anunciar as mudanças e novidades em relação a ele.

Mais conteúdo sobre:

AeroportoCongonhasGolTAMViagem