Kempinski abre hotel de luxo em Canela, no antigo Laje de Pedra
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Kempinski abre hotel de luxo em Canela, no antigo Laje de Pedra

Ícone da Serra Gaúcha vira o primeiro da rede de luxo na América do Sul. Edifício dos anos 1970 será renovado para valorizar a natureza no entorno

Viagem Estadão

27 de agosto de 2021 | 11h41

Por Nathalia Molina*

Mais antiga rede de luxo da Europa, a Kempinski abre um hotel em Canela, no lugar do tradicional Laje de Pedra. O ícone da Serra Gaúcha, que havia fechado em maio de 2020, na crise da pandemia, o empreendimento reabre durante o segundo semestre de 2024, já ostentando a requintada marca internacional. Inaugurado em 1978, o edifício será reformado para privilegiar a natureza no entorno e virar o primeiro hotel do grupo na América do Sul, o Kempinski Laje de Pedra Hotel & Residences.

Laje de Pedra vira hotel de luxo na Serra Gaúcha – Artes: Perkins&Will

“Todo hotel que nós construímos tem de ser icônico e ter a beleza da região refletida. O segundo ponto importante é o trabalho com a comunidade, com educação e treinamento. E outro é devolver algo ao meio ambiente, que também ocorrerá”, afirmou o CEO da Kempinski Hotels, Bernold Schroeder, em coletiva virtual hoje de manhã para a imprensa brasileira. O novo hotel de luxo será construído em parceria com a LDP Canela S/A, com o projeto desenvolvido pelo estúdio de arquitetura e design Perkins&Will.

Os hóspedes terão à disposição um cardápio de experiências na natureza ao redor. O Kempinski Laje de Pedra Hotel & Residences estará localizado no início dos Campos de Cima da Serra, região entre vinhedos e cânions, geograficamente no caminho de Gramado a Aparados da Serra. Ali perto foi anunciado recentemente o Mátria Parque de Flores, com abertura prevista em novembro de 2021, com 20 jardins em 135 hectares de área.

A rede busca se diferenciar de outras no segmento de luxo no turismo por buscar manter os vínculos com a região onde o estabelecimento se localiza, fugindo da ideia pasteurizada de padrão internacional. “A paisagem é magnífica, com risco de vizinhança zero e numa comunidade que tem história. Vai ser o hotel mais sofisticado do Brasil e imperdível”, afirmou José Ernesto Marino Neto, um dos sócios do novo empreendimento.

Projeto do lobby do novo Kempinski valoriza a paisagem local

A rede, fundada em Berlim em 1897, está de olho em outros projetos no Brasil, em São Paulo e nas praias do Nordeste. “Somos uma pequena companhia, com 80 hotéis em operação e 20 em desenvolvimento, e temos que ser muito criteriosos com as parcerias que estabelecemos. Foi uma oportunidade quando começamos a negociar pelo legado que eles querem criar com esse prédio”, afirmou Schroeder.

Como será o Kempinski Laje de Pedra, na Serra Gaúcha

Com um investimento de cerca de R$ 540 milhões, o antigo estabelecimento dará lugar a um empreendimento com 195 suítes (em vez dos 251 apartamentos originais), quatro restaurantes, cinco bares, um fitness center de 1.000 m² com spa e centro de convenções de 3.000 m² para evento sociais e culturais. “Vamos inaugurar uma churrascaria, que anunciaremos em breve. A marca, já conhecida, vai dar um passo adiante, numa versão mais elegante”, disse José Paim de Andrade, outro sócio do hotel. Segundo ele, o Kempinski da Serra Gaúcha terá atrações para todas as idades, de biergarten e winebar a kids’ club.

Das três piscinas previstas, uma será no rooftop, com vista para o Vale do Quilombo. “Nós pegamos um edifício planejado no início dos anos 1970, quando se dava valor ao concreto. Vamos fazer reformas e novas construções, para deixar a natureza como a grande atriz do nosso investimento, com o padrão Kempinski”, afirmou.

Piscina na cobertura do Laje de Pedra dá vista para o Vale do Quilombo

Mobiliário e decoração irão incorporar peças de artistas e artesãos locais. “Com o Laje de Pedra, queremos revelar a arte, a culinária, a história gaúcha e a natureza do Rio Grande do Sul, que é magnífica. Eu me interessei em comprar o hotel porque fazia parte não só da história do País, mas da minha própria. Eu ia à região com a minha família, quando a Serra Gaúcha ainda era um destino muito regional”, contou Paim. Também haverá no novo empreendimento um centro de experiência contando a história do hotel, com imagens de fotógrafos como Fernando Bueno e João Farkas.

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, também participou do encontro com a imprensa brasileira. “A Serra Gaúcha é um case de sucesso do turismo no Brasil. Esse investimento vai gerar renda e empregos e, pela qualidade da hotelaria, pôr a região num circuito mundial de luxo”, disse Leite.

* Sou jornalista de turismo e apresento o Como Viaja | podcast de viagem, com dicas e experiências no Brasil e no exterior. Me acompanhe também no Instagram @ComoViaja para novidades e curiosidades

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.