No hotel da Amy
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

No hotel da Amy

Adriana Moreira

07 Janeiro 2011 | 21h02

Amy Winehouse chegou ao Brasil surpreendendo. E não foi em razão de nenhum escândalo (bem, ao menos de imediato), mas pela escolha de sua hospedagem. Ao invés do Copacabana Palace, reduto tradicional das estrelas internacionais, como Mick Jagger e Mariah Carey, Amy preferiu Santa Teresa.


Talvez a cantora inglesa temesse ser expulsa do refinado hotel por seu comportamento indiscreto (a exemplo do que ocorreu com Janis Joplin nos anos 70, ao tentar nadar nua na piscina) . Mas o mais provável é que, descolada que só, Amy tenha seguido a tendência de outros estrangeiros que há algum tempo descobriram os bed&breakfasts do bairro e optaram pelo clima bucólico à ferveção da orla.

No fim de 2008, segui essa tendência e fiquei em um cama e café de Santa Teresa para fazer uma reportagem sobre o bairro (clique aqui), que já havia deixado de ser mais do que um passeio de um dia também para turistas brasileiros. O Hotel Santa Teresa tinha sido inaugurado há pouco tempo, e decidi visitá-lo para um futuro artigo. O local ainda funcionava em soft opening, com alguns quartos fechados e os corredores cheirando a tinta fresca.  Mas já era espetacular.

Nada de decorações em dourado, lustres de cristais ou qualquer tipo de elemento chamativo. Tudo por ali é clean, paredes brancas, móveis antigos, sofás com almofadas confortáveis, tons de terra, piso de madeira, peças nacionais. Elementos que combinam com o casarão erguido em 1850, na então Chácara dos Guimarães.

Lobby do hotel

 

O Santa Teresa entrou na edição 2011 do seleto guia Relais & Chateaux, que reúne 500 estabelecimentos em 60 países que tenham, além de cinco estrelas, “cinco Cs”: cortesia, charme, caráter, calma e cozinha. Com 44 quartos, uma piscina com vista privilegiada da capital fluminense (na qual a cantora apareceu várias vezes tomando sol) e um refinado restaurante franco-brasileiro comandado pelo chef Damien Montecer, o hotel se encaixou perfeitamente nos requisitos da publicação famosa.

Piscina do hotel

 

Há ainda um spa e o Bar dos Descasados, que funciona na antiga senzala. Piso vermelho e branco, clima de lounge e espreguiçadeiras que convidam para um drinque atraem, além dos hóspedes, aqueles que desejam um drinque num ambiente calmo e agradável.  

Para usufruir desse ambiente, a diária custa a partir de R$ 750 no quarto superior, o mais simples, com 20 metros quadrados. Amy, no entanto, escolheu a opção mais cara, o loft suíte, com 180 metros quadrados e diária a R$ 2.800, com vista para a Baía de Guanabara, o Cristo Redentor e as ladeiras de Santa Teresa. Nada que possa causar um abalo no orçamento da cantora, é verdade.  Ao todo, são 44 habitações, cada uma com design único, lençóis de algodão 300 fios e serviço de quarto 24 horas, pelo qual a cantora costuma pedir drinques à equipe do hotel. A especialidade é a caipirinha de frutas vermelhas, mas não há registro de que ela tenha se aventurado pelos sabores da bebida nacional.

Pelo site do hotel dá para ter uma ideia de tudo isso – é possível ter a visão de 360° de diversas áreas, inclusive do loft onde Amy Winehouse está hospedada.