O canto mais aconchegante de Paris
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O canto mais aconchegante de Paris

Bruna Tiussu

08 Novembro 2011 | 17h06

Bruna Tiussu

Difícil será algum outro museu desbancar o Centro Pompidou do topo da minha lista dos melhores de Paris. Em um passeio margeando o Sena, é sempre na Pont des Arts que gasto mais tempo, entre os músicos e os milhares de cadeados que enfeitam a via. Um panini saboreado com as pernas esticadas no gramado de um parque, refeição obrigatória quando estou por lá. E, apesar de convicta do charme incomparável da língua francesa, não tem jeito. Após idas e vindas, meu cantinho mais aconchegante na Cidade Luz segue sendo inglês.

É como se um universo paralelo se abrisse entre as prateleiras abarrotadas de livros da Shakespeare & Company. Um mundo simples, com ordem própria, sofisticação mínima, conforto básico. E ainda assim absurdamente convidativo. Muito pela liberdade que se sente: puxe o livro que quiser, observe a capa, leia a orelha. Suba as escadas, repare nas ilustrações de autores famosos, no cantinho infantil (e sua parede repleta de mensagens, bilhetes, desenhos), nos acervos doados por outros amantes dos livros. Há obras centenárias, clássicos em suas primeiras edições, novos, usados… e sofás e cadeiras para que você sinta-se, no mínimo, como em uma biblioteca pública. Quer mais? Arrisque algumas notas no piano da última sala.


Fundado pelo visionário americano George Whitman em 1951, este reduto da literatura inglesa fica em pleno Latin Quarter, “olhando” para a Catedral de Notre-Dame logo ali do outro lado do rio.  Mais que livraria, é vista como uma instituição desde seu início, por seus objetivos tão utópicos quanto sinceros de mudar o mundo. Whitman, hoje aposentado, não apenas vendia livros. Sustentando o lema “não seja rude com estranhos, pois podem ser anjos disfarçados”, abria as portas da Shakespeare & Co para todo e qualquer escritor que precisasse de um lar e um incentivo para trabalhar em Paris. Assim seguiu durante anos, abrigando centenas de autores vindos do mundo todo.

Fotos: Bruna Tiussu/AE

Muito do charme e autenticididade daquele cenário vem destas histórias vividas entre aquelas paredes – que você pode procurar saber mais entre um café e outro. Muito da vontade de ali ficar um dia inteirinho vem da programação de eventos, com autores indo falar de seus novos livros e noites de música. E muito da graça de comprar na livraria é passar a ter, na sua própria estante, um exemplar com o carimbo clássico da lendária Shakespeare & Company.