Os passos de Marguerite Duras no Vietnã
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os passos de Marguerite Duras no Vietnã

Bianca Ribeiro

17 Setembro 2010 | 20h51

Repleta de canais, Se Dec é conhecida como a Veneza do Vietnã. Mas foi a escritora franco-vietnamita Marguerite Duras quem colocou a cidade no mapa. No romance autobiográfico O Amante, escrito em 1984, ela descreve os lugares com precisão. Os leitores amantes da obra gostam de identificar cada um, como a casa onde a escritora morou com a mãe e os dois irmãos e a escola que frequentava.

 

Escola primária Truong Vuong, em Sa Dec, onde Marguerite Duras estudou. Foto: Basil Childers/NYT

Escola primária Truong Vuong, em Sa Dec, onde Marguerite Duras estudou. Foto: Basil Childers/NYT

Agora, mais um local citado no livro foi aberto para visitação. O velho casarão onde morava o amante Huynh Thuy Le foi restaurado. Muitas das características originais permanecem na espaçosa casa de cômodos amplos. A elegante fachada guarda traços da arquitetura francesa. O interior, no entanto, é toda decorado ao estilo chinês.


Ao entrar na casa, o visitante se depara com um grande altar de madeira escura com detalhes dourados, com fotos e incensos para os antepassados da família. Outro móvel que chama atenção é uma grande mesa, bem baixa, incrustada de madrepérolas e madeira trazida da França.

Casa onde viveu Huynh Thuy Le, que inspirou Marguerite Duras em seu livro O Amante. Foto: Basil Childers/NYT

Casa onde morou Huynh Thuy Le, que inspirou o livro O Amante, de Duras. Foto: Basil Childers/NYT

As paredes são forradas por fotos do filme O Amante, dirigido por Jean-Jacques Annaud, que gravou algumas locações ali. Curiosamente, há menos de 20 anos, as cenas mais ousadas foram censuradas pelo rígido governo comunista, que vem se tornando mais maleável.

Mas Marguerite nunca entrou na casa. Ela era proibida pela família de Huynh, que não tolerava sequer a presença da moça. Da mesma forma, sua família nutria um profundo desprezo pelo rapaz. O relacionamento da adolescente de 15 anos com um homem de 27 anos, filho de um rico empresário chinês, nunca foi aceito pela sociedade da década de 30. Mais do que a diferença de idade, o racismo das famílias era um entrave ao romance. Racismo entre os colonizadores franceses e os orientais colonizados na antiga Indochina, hoje Vietnã.

Mais conteúdo sobre:

Marguerite DurasO AmanteVietnã