Para onde viajar barato no aniversário de São Paulo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Para onde viajar barato no aniversário de São Paulo

Viagem Estadão

16 Janeiro 2019 | 05h00

Igreja de São Francisco de Assis, projetada por Oscar Niemeyer, é a estrela da Pampulha. Foto: Felipe Mortara

Por Felipe Mortara, especial para O Estado

Depois do ano-novo, o primeiro feriado para quem vive em São Paulo é o aniversário da capital. Fundada em 25 de janeiro de 1554, a cidade dá de presente a seus sempre apressados moradores o primeiro respiro do ano. Neste 2019 de poucos feriados prolongados – são 6 nacionalmente, contra 10 do ano passado –, vale aproveitar a folga estendida, já que dia 25 cai numa sexta-feira. Economizando o máximo possível, é claro.

Em pleno verão, empurradas pelo calor, as pessoas costumam querer ir para a praia. Parece óbvio e é o que confirma uma pesquisa do Voopter, aplicativo brasileiro de comparação de preços de passagens aéreas e promoções. Entre os 10 destinos mais buscados para o feriado de 25 de janeiro, 7 são de praia e um é “refrescante” – leia-se Foz do Iguaçu.


Porém, na alta temporada, nem sempre é possível viajar por um preço razoável. O Voopter fez então uma lista dos cinco destinos com valores de passagens aéreas mais acessíveis ainda disponíveis para este feriado. A boa notícia é que o Rio de Janeiro está na lista. E nós do Viagem fizemos uma lista do que você pode fazer não só na Cidade Maravilhosa, como nas outras quatro.

1 – Belo Horizonte

Segundo o buscador, a capital mineira tem voos de ida e volta desde São Paulo a partir de R$ 190,53. Explorar os restaurantes e lojas da região da Savassi e os ótimos petiscos com cerveja do Mercado Central são boas formas de captar o espírito de Belo Horizonte. Claro, não esqueça de conhecer a Praça da Liberdade, com seu palácio de governo e os edifícios modernistas. Na região da Lagoa da Pampulha você pode visitar a Igreja de São Francisco de Assis, desenhada pelo arquiteto Oscar Niemeyer, e a Casa do Baile, museu numa antiga discoteca e que hoje recebe exposições e tem um ótimo café. Originalmente utilizado como cassino, o Museu de Arte da Pampulha teve seus jardins projetados por Roberto Burle Marx. Opção em alta nos últimos anos, o Inhotim reinventou a ideia de arte ao ar livre. A 50 km de Belo Horizonte, o “museu-parque” reúne arte contemporânea em jardins e galerias lindíssimas e é um baita programa de um ou dois dias. Também nos arredores, as cidades históricas de Ouro Preto e Mariana merecem sua atenção e seus cliques.

Entra ano, sai ano, o pôr do sol no Arpoador continua sendo um espetáculo atemporal. Foto: Felipe Mortara

2 – Rio de Janeiro

Único destino litorâneo na lista do Voopter, tem passagens a partir de R$ 192,95. As altas temperaturas desse verão devem fazer com que as areias cariocas fiquem cheias. Como dia 25 de janeiro não é feriado no Rio, é bem possível que você possa desfrutar de praias como Leme, Copacabana, Ipanema e Leblon com menos guarda-sóis do que aos sábados e domingos. Um passeio matinal pela Lagoa Rodrigo de Freitas, com parada no Jardim Botânico ou no Parque Lage são boa pedida. Quem estiver estreando na cidade e quiser incluir o Bondinho do Pão de Açúcar e o Cristo Redentor no roteiro – ambas atrações espetaculares – tente reservar ingressos com antecedência. A vida cultural carioca também é intensa. O Museu do Amanhã e o MAR – Museu de Arte do Rio transformaram a região do centro e do chamado Porto Maravilha. O conjunto histórico do centro, o Teatro Municipal e a Biblioteca Nacional valem muito a visita, assim como o Real Gabinete Português de Leitura – amantes de Harry Potter vão adorar. Se já for um habitué do Rio, tente expandir os horizontes indo até a Ilha de Paquetá, na Baía de Guanabara, ou vendo o pôr do sol do Parque da Cidade, em Niterói. Ou, quem sabe, até procurar cantinhos escondidos indicados por moradores em tours especiais, como o que fizemos no ano passado.

Símbolo da Bauru das estradas de ferro, o Museu Ferroviário guarda locomotivas até hoje. Foto Divulgação

3 – Bauru

Apesar de não ter fama turística, Bauru é uma cidade universitária viva e que conta com alguns atrativos interessantes. O campus da Universidade Estadual Paulista (Unesp) movimenta bastante a cidade ao longo do ano, mas em pleno 25 de janeiro as férias deixam a cidade mais deserta. Ótimo momento para descobrir o famoso e bem conservado Jardim Botânico, com uma vasta coleção de bromélias, plantas medicinais e visitas guiadas para deficientes visuais. O Jardim Zoológico é um dos mais bem cuidados do Estado de São Paulo e abriga 880 animais de 227 espécies diferentes.  O Museu Ferroviário preserva locomotivas, vagões e objetos que retratam a importância de Bauru como ligação entre São Paulo e Mato Grosso. Os céus da cidade também são famosos pelas condições perfeitas para voar de planador. No Aeroclube de Bauru há voos panorâmicos de 45 minutos a partir de R$ 350.  Uma tradição na cidade, o Armazén Bar tem 38 anos de história e rock’n roll. Por R$ 276,89 (segundo o Voopter).

Símbolo arquitetônico de Curitiba, o Museu Oscar Niemeyer ganhou o apelido de “Olho”. Foto: Felipe Mortara

4 – Curitiba

A capital paranaense tem visto seu fluxo de turistas aumentar ano a ano. Há tempos a cidade já não é mais reconhecida apenas por suas soluções de planejamento urbano. A vida cultural mostra cada vez mais sua força em várias galerias, museus, feiras e restaurantes. O Museu Oscar Niemeyer (MOM) ganhou fama por seu formato de olho e recebe grandes exposições de artistas brasileiros e estrangeiros. O Jardim Botânico e suas estufas emblemáticas seguem como cartão-postal da cidade. Localizadas dentro da mesma área, a Pedreira Paulo Leminski e a Ópera de Arame estão entre os espaços para show mais incríveis do Brasil – vale conferir as programações. Em alta, a produção de cervejas artesanais tem em Curitiba alguns de seus principais expoentes, como as cervejarias Bodebrown e Way Beer. Se sobre um tempinho, aproveite o calor e embarque numa aventura sobre trilhos rumo ao litoral pela Serra do Mar, a bordo do Serra Verde Express que liga a capital até a bela cidadezinha de Morretes em meio a um trecho deslumbrante da Mata Atlântica. Segundo o buscador, há passagens de ida e volta desde São Paulo a partir de R$ 303, 13.

Museu Histórico de Londrina funciona na antiga e charmosa estação ferroviária. Foto Divulgação

5 – Londrina

Polo econômico florescente no noroeste paranaense, Londrina colhe até hoje os frutos da força do café na região. Apesar de seu belo Jardim Botânico, os londrinense se orgulham muito do Lago Igapó, onde praticam exercícios e se encontram para shows e outras atividades culturais. Contemple prédios icônicos da arquitetura modernista projetados pelo arquiteto Vilanova Artigas, como o Cine Teatro Ouro Verde, o prédio da Secretaria de Cultura e a antiga rodoviária. Ali fica o Museu de Arte de Londrina que, apesar de decadente, ainda é um belo edifício. Localizado dentro de outro antigo equipamento de transportes, a antiga estação ferroviária, o Museu Histórico de Londrina é conservado pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) e é um charme só.  Nos arredores, a Rota do Café tem visitas pela zona dos cafezais históricos que impulsionaram a economia da região. A pequenina Rolândia teve influência alemã e tem belos predinhos coloniais. Se a sua for descobrir cachoeiras, Sapopema, a 126 quilômetros de Londrina tem lindas quedas d’água, como o Salto do Lambari e o Salto do Apucaraninha. Não faltam hotéis fazenda convidativos no entorno da cidade. Passagens a partir de R$ 340,95.